A crise bateu na nossa porta e não parece ter uma solução fácil, muito menos no curto prazo. Mesmo segurando muito as pontas, algumas empresas, até as de médio ou grande porte, ou seja, que tinham algum respaldo financeiro, inevitavelmente estão tendo que demitir.

Como um dos últimos exemplos, tivemos a PwC Auditoria, uma das maiores do mercado, que demitiu 600 colaboradores de uma só vez. Cenário esperado e ideal? Jamais, podem acreditar.

E se você faz parte desse time que tentou, tentou, mas que não conseguiu segurar as pontas, tem como fazer esses cortes de uma forma mais humana, ao menos.

A meu ver, sim”, explica Marcelo Arone, Headhunter e Coach de Carreira, especialista em recolocação executiva e sócio da OPTME RH, com 12 anos de experiência no mercado de capital humano.

Para ele, partindo da realidade do mercado de carreiras e contratações, podemos sugerir 3 dicas para minimizar os impactos que essas demissões podem acarretar, para empresa e colaboradores. Veja:

A escolha 

“Aqui, é preciso levar em conta o que é melhor para a empresa. Pode ser a fase mais difícil, porque, muitas, vezes, será preciso desligar colaboradores-chave para a companhia.

Mas o que vale é entender o papel de cada um e, claro, o impacto financeiro que a demissão vai trazer para a empresa”.

O processo 

“Trazer o colaborador para entender e participar dos processos atuais da empresa é muito importante, tanto para quem sai, mas especialmente ara quem fica.

demissão

A situação é de interesse de todos, e é preciso ter uma postura mais agregadora, uma liderança mais humanizada, que certamente já faz parte do futuro das empresas”.

Auxiliar na demissão 

“Sim, isso é possível”, explica Arone. “Meus clientes têm um serviço que costumo oferecer e ajuda muito em processos como os que estamos vivendo hoje.

O coaching de carreira oferecido pela empresa ao colaborador que está saindo”. Dessa forma o colaborador sai, mas tem alternativas para se recolocar no mercado mais rapidamente, já que os recrutadores sabem exatamente onde estão as vagas em aberto e podem orientar na transição”.

Com a dica 3, a empresa que precisa desligar oferece o coaching de carreira como um benefício na hora da demissão, que vai apoiá-lo na agilidade da sua recolocação.

“O mínimo que podemos fazer ajudando as pessoas é a cada programa contratado pelos nossos parceiros faremos outro em paralelo, sem custo, com alguém que perdeu o emprego durante a pandemia e ajudar ambos a se recolocarem o mais rápido possível”, enfatiza Marcelo, que finaliza: “cerca de 70% dos executivos que fizeram o programa de Coaching de Carreira conosco se recolocaram em empresas também do nosso portfólio de clientes”.

Por Marcelo Arone, Headhunter, especialista em recolocação executiva e sócio da OPTME RH, com 12 anos de experiência no mercado de capital humano.