Departamento de contas a receber: A inovação é o caminho para a adimplência

0

Oferecer um relacionamento personalizado aos clientes não é uma tarefa fácil para os gestores de contas a receber.

É comum haver uma alta complexidade operacional nos departamentos financeiros das empresas, que dificultam a criação de processos operacionais eficientes e a comunicação apropriada com clientes, capazes de manter os índices de inadimplência em níveis reduzidos.  

Neste contexto, a inovação tem assumido protagonismo na potencialização da eficiência nos departamentos financeiros.

Com ferramentas tecnológicas, as empresas reduzem horas de trabalho do time dedicadas às atividades repetitivas e de baixa complexidade no contas a receber, permitindo o direcionamento dos esforços para a construção de relacionamentos personalizados com os clientes.

Além disso, as soluções inovadoras favorecem a valorização dos profissionais da área, pois potencializam a produtividade e trazem resultados quantificáveis ao time.

Estrutura operacional encontrada nas empresas

Frequentemente, os departamentos de contas a receber das empresas no Brasil possuem grande parte de suas atividades operacionais realizadas de forma manual pelo time financeiro.

Essa condição negativa é uma contribuição inconsciente da organização para que a inadimplência permaneça em elevados níveis, como se fosse inerente ao segmento de atuação ou simples característica dos clientes da empresa.

As lacunas de eficiência derivadas da gestão ineficiente exigem grande e desnecessário tempo dos profissionais e ofuscam o potencial das equipes.

Normalmente, os times financeiros das grandes empresas apresentam diferenciada formação acadêmica e elevada capacidade técnica, mas acabam sendo remunerados para executar atividades rotineiras ao invés de gerenciar e aprimorar o processo operacional.

Como a eficiência operacional impacta a relação com os clientes

Um dos aspectos centrais da gestão eficiente de contas a receber é a forma como a empresa se relaciona com seus clientes.

O redesenho operacional, fruto da inovação, permite o redirecionamento estratégico dos profissionais para repensar a comunicação com clientes.

Já atingimos uma sofisticação tecnológica que permite ao time construir relações individualizadas com os clientes, representando uma mudança estrutural de relacionamento.

Essa evolução permite, por exemplo, a aplicação de técnicas de aprendizagem de máquina para modelar o comportamento de pagamento dos clientes e melhorar a gestão do contas a receber.

De forma complementar, é possível automatizar a criação de matrizes de canal de contato, a partir da hierarquia de canais de maior frequência de resposta de cada cliente, melhorando o relacionamento e reduzindo despesas operacionais. 

Importante destacar que a inovação não aparece apenas na forma de ferramentas e de desenho operacional no departamento financeiro, a dimensão mais relevante da inovação é pouco discutida e endereça como os dados originados em diferentes atividades se transformam em insumos para a melhoria dos processos.

É comum encontrar empresas engajadas em introduzir tecnologias inovadoras no departamento que produzem dados de forma contínua, mas que não acessam o grande valor oferecido pelos dados por não haver interações entre eles.

O caminho usual encontrado pelas empresas para acessar o valor dos dados gerados nas atividades no contas a receber passa pela utilização de ferramentas abrangente que já possuem a estrutura pronta para a interação dos dados, ou pela criação de times de engenheiros de dados e cientistas de dados para construir o caminho até lá.

Logo, a gestão inteligente no departamento de contas a receber depende do tripé de inovação, composto pelas ferramentas, pelos processos e pela interação dos dados gerados no departamento.

Tal eficiência é rapidamente percebida pelos clientes que, como resposta, condicionam a pontualidade nos pagamentos.    

Por Pedro Bono é CEO e cofundador na Receiv, plataforma inteligente de contas a receber.