Você já deve saber que a mulher que está trabalhando, e se afasta do serviço para o período pós-parto ou pós-adoção, tem direito ao ; não é mesmo?

Talvez, o que provavelmente você ainda não saiba é que, também, a  tem direito ao .

Portanto, é sobre isso que iremos abordar aqui nesse artigo!

Vamos lá entender melhor sobre esse assunto?

– o que é

é um benefício da previdência que possibilita que toda mulher gestante se afaste de sua atividade normal por um período de seis meses após o nascimento do bebê, ou no pós-adoção.

Assim, o é conhecido por pagar determinados valores à mulher que está trabalhando e se afasta do serviço para o período pós-parto, ou pós-adoção, para amamentar e/ou cuidar do filho.

As regras referentes ao licença-maternidade da mulher

O (ou licença-maternidade) é devidamente paga para a segurada que estiver afastada do trabalho por motivo de gravidez ou mesmo de adoção.

Desse modo, a gestante  deve estar na qualidade de segurada e, portanto, pode ter que cumprir carência de dez contribuições previdenciárias para, de fato, obter o direito ao .

Logo, a mãe  pode fazer solicitação do benefício após o parto, devendo apresentar a certidão de nascimento da criança. 

Já nos casos de adoção, a mulher  pode receber os pagamentos mensais.

Todavia, é de pouca divulgação que a também tem direito ao .

E nos casos de pedido de demissão, como funciona o ?

Mesmo nos casos em que a mulher tenha pedido demissão, é possível a concessão de .

Porém, é necessário que a mesma esteja na condição de segurada e dentro do chamado “período de graça”, um período usual de seis meses depois da última contribuição ao INSS, e também tenha cumprido a carência.

Assim, o decreto 3.048/99 rege que:

  • Durante o “período da graça” a segurada, tem direito à licença-maternidade nos casos de demissão antes se encontrar na condição de grávida, ou, no período de gestação, nas hipóteses de pedido ou dispensa por justa causa, situações em que o recebimento será pago diretamente pela previdência social.

pode ser acumulado com o recebimento do -doença?

Conforme consta na página da previdência social sobre o salário-maternidade, este não pode ser acumulado ao -doença ou qualquer outro benefício previdenciário por seguro-desemprego, incapacidade, etc.

Como solicitá-lo?

Um ponto que merece destaque é que, o prazo máximo para a fazer o requerimento do  é de 180 dias após o nascimento da criança; caso não fizer até este período, a segurada perde o direito de receber.

Assim, para dar entrada no , a , que cumpre todos os requisitos exigidos, pode acessar o site MEUINSS ou agendar pelo telefone 135.

Se o cadastro da mesma estiver correto, o INSS irá conceder de forma automática o seu benefício.

Por outro lado, caso houver alguma pendência, ela vai ser convocada para ir até uma Agência para resolver o problema.

Portanto, se você precisar de mais alguma ajuda, orientação ou esclarecimentos sobre  para , basta que entre em contato com nosso escritório de advogados.

Você já deve saber que a mulher que está trabalhando, e se afasta do serviço para o período pós-parto ou pós-adoção, tem direito ao ; não é mesmo?

Talvez, o que provavelmente você ainda não saiba é que, também, a  tem direito à licença-maternidade.



Dica extra: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social.

Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana?

Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática: Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.



Conteúdo original Macedo Advocacia

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.