A quarentena e o ensino online em casa têm exigido bastante dos alunos, pais e professores.

Todos estão tendo que se acostumar com uma nova situação e aprender novas habilidades.

É um período de adaptação, mas também de oportunidades. Mas e como ficam as famílias que têm filhos que exigem atenção ou cuidados especiais?

Com a palavra, a terapeuta familiar, coach e especialista em superdotação e bilinguismo, Evelyn Stam.

Um exemplo de famílias que estão enfrentando dificuldades nesse momento são as famílias com crianças com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, o já conhecido TDAH.

Famílias com crianças nesta situação precisam se adaptar ao ensino à distância, aos desafios da quarentena, à insegurança da pandemia, assim como todas as outras famílias. 

No entanto, há ainda um desafio extra: fazer tudo isso enquanto encontram maneiras para fazer uma criança com dificuldade de concentração continuar aprendendo em um ambiente diferente do ambiente escolar e numa situação nova.

Segundo a terapeuta familiar Evelyn Stam, seguem algumas dicas para ajudar estas crianças durante este período de pandemia:

1-    Criar uma rotina

2-    Clareza

3-    Limite o tempo

4-    Cuide do espaço

5-    Foco no término

6-    Ruído branco

Evelyn destaca ainda que “a função de ensinar as matérias escolares para os nossos filhos é do professor e as coisas voltarão ao normal em algum momento. Invista na sua relação com seu filho.

O déficit no aprendizado pode ser compensado em sala de aula. O déficit no relacionamento terá consequências maiores e é mais difícil de ser reparado”. 

O que é o TDAH

O Transtorno do Déficit de atenção e Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobriológico, que aparece na infância e atinge de 3 a 5% da população. O TDAH faz com que o indivíduo se torne impulsivo e tenha dificuldade em se concentrar em atividades complexas.

Sintomas comuns são inquietude ( a criança se mexe o tempo todo, não para quieta, tem dificuldade para completar uma refeição à mesa com a família), impulsividade (tomar decisões sem pensar, dificuldade em medir consequências, imediatismo) e dificuldade de concentração ( Iniciar uma tarefa e não terminar, esquecimento, sensação de estar “no mundo da lua”).

Por Evelyn Stam, especialista em educação infantil e terapeuta familiar