Especialistas alertam para diferenças entre as doenças comuns no inverno e COVID-19

Com a chegada do outono vem também as doenças terminadas em “iti”, como rinite, sinusite, amigdalite, bem como resfriados, gripes e outras. Isso ocorre porque nesse período é mais comum as pessoas ficarem mais tempo em lugares fechados, o que facilita a transmissão de vírus e bactérias.

Além disso, com a chegada da estação ocorrem mudanças de temperatura e de umidade relativa do ar, que tendem a ficar mais baixas, aumentando a concentração de poluentes no ar, predispondo a doenças respiratórias.

Além das conhecidas doenças de outono, este ano também estamos enfrentando a pandemia do COVID-19, e identificar os sintomas de cada uma delas é muito importante para saber como proceder em cada caso.

As pneumologistas do São Cristóvão Saúde, Julia Bamberg Cunha Melo e Bruna Provenci explicam as diferenças entre cada uma delas e seus sintomas. Confira abaixo:

Rinite alérgica:

inflamação da mucosa nasal – pode ser aguda ou crônica.
Sintomas: espirros, tosse seca, coceira no nariz, coriza nasal clara e lacrimejamento dos olhos.

Sinusite:

inflamação dos seios da face (região do crânio formada por cavidades ósseas) que pode ser provocado por bactérias, vírus e alergias.
Sintomas: dor de cabeça, secreção nasal espessa, tosse, diminuição do olfato e febre.

Gripe:

infecção da via respiratória causada pelo vírus Influenza.
Sintomas: febre, tosse (predominantemente seca), dor de garganta, dor de cabeça, dores musculares e fadiga. Em casos mais graves por haver falta de ar. Não confundir com resfriado, em que geralmente estão ausentes febre e sintomas sistêmicos.

Resfriado:

quadro mais brando que a Gripe – Os resfriados podem ser causados por vários tipos de vírus.
Sintomas: prurido nasal, obstrução nasal e coriza. Pode haver tosse seca, irritação na garganta e febre baixa.

“É muito importante que as pessoas diferenciem os sintomas do coronavírus das doenças citadas acima, até para não se equivocarem e colocarem em risco a saúde se expondo em ambientes com alta probabilidade de contágio.

No caso do COVID-19, por exemplo, é comum as pessoas apresentarem febre, tosse seca e falta de ar. Das doenças mencionadas acima, a gripe pode ser a mais confundida com coronavírus por ter mais sintomas em comum. A tabela abaixo ajuda a diferenciar os sintomas do COVID-19 e gripe”, disse a infectologista do São Cristóvão Saúde, Cinthya Maumi.

As medidas de proteção tanto para as doenças comuns no outono, quanto do coronavírus são as mesmas: lavar as mãos com frequência, proteger boca e nariz ao tossir, manter as vacinas em dia e o ambiente limpo e arejado.

Para rinite, sinusite, gripe e resfriado indica-se lavar bem os cobertores e casacos antes de usar (após muito tempo no armário acumulam ácaros e poeira), não fumar e evitar ambientes poluídos e caso o paciente apresente alguma doença respiratória crônica as inalações apenas com soro auxiliam a umidificar as vias respiratórias e podem ser bons aliados nesta época do ano.