Dirf 2019: Evite problemas, aprenda a enviar as informações corretamente

Em 2019 ainda está em vigor a declaração da Dirf no formato que conhecemos, futuramente esta Dirf deixará de existir pois será incorporada ao eSocial e EFD-Reinf.

O que mudará no envio da Dirf com a chegada do eSocial?

A empresa informará mensalmente por meio do eSocial os pagamentos realizados que tenham algum tipo de retenção de Imposto de Renda decorrentes das remunerações do trabalho.

Já na EFD-Reinf informará os pagamentos de serviços contratados entre as Pessoas Jurídicas que exigem retenções de Imposto de Renda, CSLL, PIS/COFINS.

Mas esta substituição entrará em vigor somente após publicação oficial da Receita Federal do Brasil, assim é necessário ficar atento às normas atuais para o devido cumprimento desta obrigação.

Regras da Dirf 2019

Instrução Normativa RFB nº 1.836, de 2018, publicada no Diário Oficial da União, dispõe sobre a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte referente ao ano-calendário de 2018 – Dirf 2019.

As duas alterações principais relativamente aos anos anteriores são:

1 – Previsão de obrigatoriedade de declaração das informações referentes aos beneficiários de rendimentos de honorários advocatícios de sucumbência, pagos ou creditados aos ocupantes dos cargos de que trata o caput do art. 27 da Lei nº 13.327, de 2016, das causas em que forem parte a União, as autarquias e às fundações públicas federais;

2 – Exclusão da obrigatoriedade de apresentação da Dirf 2019 pelas pessoas jurídicas de que trata a Lei nº 12.780, de 9 de janeiro de 2013, relacionadas à organização dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016.

Dirf: Quem deve declarar?

A apresentação da Dirf 2019 é obrigatória para pessoas jurídicas e físicas que:

1 – Pagaram ou creditaram rendimentos sobre os quais tenha incidido retenção do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (IRRF); ou

2 – Tiveram Contribuições Sociais Retidas (CSL, PIS e Cofins);

Ainda que em um único mês do ano-calendário, por si ou como representantes de terceiros.

Prazo para apresentação da Dirf

A Dirf 2019 deverá ser apresentada até às 23h59min59s do dia 28 de fevereiro de 2019 através do Programa Gerador de Declarações – PGD Dirf 2019 – de uso obrigatório, que foi aprovado pela Instrução Normativa RFB nº 1.858, de 2018.

As pessoas jurídicas, exceto as optantes pelo Simples Nacional, ao transmitirem a declaração obrigatoriamente deverão assiná-la digitalmente mediante utilização de certificado digital válido.

No caso de extinção decorrente de liquidação, incorporação, fusão ou cisão total ocorrida no ano-calendário de 2019, a pessoa jurídica extinta deverá:

1- Apresentar a declaração relativa ao ano-calendário de 2019 até o último dia útil do mês subsequente ao da ocorrência do evento;

2 – Exceto se o evento ocorrer no mês de janeiro de 2019, neste caso a declaração poderá ser entregue até o último dia do mês de março de 2019.

Penalidades da Dirf

O declarante ficará sujeito às penalidades previstas na legislação vigente, conforme disposto na Instrução Normativa SRF nº 197, de 10 de setembro de 2002, nos casos de:

1 – Falta de apresentação da Dirf 2019 no prazo fixado ou sua apresentação depois do prazo; ou

2 – Apresentação da Dirf 2019 com incorreções ou omissões.

Assim, o declarante está sujeito à multa de 2% ao mês-calendário ou fração, incidente sobre o montante dos tributos e das contribuições informadas, ainda que tenham sido integralmente pagas, limitada a 20%.

A multa mínima a ser aplicada é de R$ 200,00 tratando-se de pessoa física, pessoa jurídica inativa e optante pelo Simples Nacional; e, de R$ 500,00 nos demais casos.

As multas (exceto as mínimas) serão reduzidas em 50% quando a declaração for apresentada após o prazo, mas antes de qualquer procedimento de ofício; e, em 25% se houver a apresentação no prazo fixado em intimação.

Não descarte essas informações 

Pelo prazo de 5 (cinco) anos, contado da data da apresentação da Dirf 2019 à Receita Federal do Brasil, os declarantes deverão manter todos os documentos contábeis e fiscais relacionados com o imposto sobre a renda ou contribuições retidos na fonte e as informações relativas a beneficiários de rendimentos que não tenham sido objeto de retenção na fonte do imposto sobre a renda ou de contribuições. 

Pois estes documentos deverão ser apresentados a autoridade fiscalizadora quando forem solicitados.

É muito importante estar sempre atualizado com a legislação vigente para enviar as informações corretamente, pois conforme já foi informado, a Receita Federal do Brasil tem o prazo de 5 anos para fiscalizar a empresa e num momento em que não se espera uma notificação poderá chegar.

Um abraço,

Marileisa Gonçalves – Assistente de Conteúdo Nith Treinamentos.

É hora de se capacitar e se especializar em departamento pessoal e eSocial

Como você pode perceber, o eSocial traz muitas mudanças importantes e é preciso ter atenção redobrada para estar preparado, ainda mais agora com os prazos de implantação do programa se aproximando.

Sendo assim gostaríamos que conhecessem nosso treinamento completo e totalmente na prática de departamento pessoal e eSocial para contadores. Aprenda todos os detalhes do departamento pessoal de forma simples e descomplicada. Saiba tudo sobre regras, documentos, procedimentos, leis e tudo que envolve o setor, além de dominar o eSocial por completa. Essa é a sua grande oportunidade de aprender todos os procedimentos na prática com profissionais experientes e atuantes no segmento, clique aqui acesse já e comece 2019 com o pé direito!