Dívidas declaradas na DCTF: saiba como parcelar

0
Photo by @klingsup / freepik
Photo by @klingsup / freepik

Se você possui dívidas que tenham sido declaradas através da DCTF (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais), saiba que é possível fazer o parcelamento.

Também podem ser incluídas as multas lançadas que tenham sido lançadas por auto de infração. Para isso, existem duas opções de parcelamento: a primeira delas é voltada às dívidas e multas que estão sob responsabilidade da Receita Federal.

Neste caso, pedido deve ser encaminhado diretamente a este órgão. Mas para aquelas que já tiverem sido enviadas para inscrição em Dívida Ativa da União, o parcelamento deve ser solicitado junto à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. 

Então, se você possui dívidas e quer saber como fazer o parcelamento e quais as regras, continue acompanhando este artigo. 

O que é DCTF?

Esta é uma obrigação voltada às empresas que são enquadradas no regime de Lucro Real e Lucro Presumido. Deve ser enviada mensalmente, sendo utilizada pela Receita Federal para verificar os tributos e contribuições que são feitas pelo empreendimento. 

As empresas que estão obrigadas a fazer a entrega mensal, devem reunir as seguintes informações sobre as contribuições e tributos: 

  • IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica);
  • IRRF (Imposto de Renda Retido na Fonte);
  • IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados);
  • CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido);
  • CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira);
  • PIS/Pasep (Programa de Integração Social e para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público);
  • COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social);
  • CPSS (Contribuição do Plano de Seguridade Social do Servidor Público);
  • Cide-Combustível (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e álcool etílico combustível);
  • Cide-Remessa (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico destinada a financiar o Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa para o Apoio à Inovação);
  • CPRB (Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta);
  • IOF (Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários);
Photo by @klingsup / freepik
Photo by @klingsup / freepik

Modalidades

Antes de solicitar o parcelamento, saiba ainda que existem duas modalidades que devem ser escolhidas pelo contribuinte. São elas:

  • Modalidade simplificada: pode ser escolhida se o valor total devido e parcelado não chegar a R$5.000.000,00
  • Modalidade ordinária: é voltada para o parcelamento de valor superior a R$5.000.000,00. Neste caso, é necessário verificar ainda as vedações do art. 14 da Lei 10.522/2002.

Regras do parcelamento

O parcelamento da dívida declarada através da DCTF, pode ser feito em até 60 vezes, observando os valores mínimos para as parcelas. Fica da seguinte forma:

  • parcela mínima para pessoas físicas: R$ 100,00 
  • parcela mínima para pessoas jurídicas, ou pessoas físicas equiparadas a jurídicas: R$ 500,00

As dívidas que já foram parceladas podem ser reparceladas, além dos contribuintes poderem incluir novas dívidas. Para este caso, a primeira parcela será calculada da seguinte forma: 

  • 10% do total da dívida; 
  • 20% do total da dívida, caso algum débito já tenha sido reparcelado antes.

Como parcelar?

Os contribuintes que são pessoas jurídicas e querem solicitar o parcelamento na modalidade simplificada, precisam acessar o site da Receita Federal e buscar por esta opção de parcelamento.

Também deverá gerar um código de acesso específico, através do próprio sistema. Para parcelar na modalidade ordinária, você precisará acessar o Portal e-CAC utilizando certificado digital. Depois disso, solicite selecione os débitos que deseja parcelar.

Assim, você deverá preencher os dados que forem solicitados e escolher o número de parcelas. Feito isso, basta emitir o DARF para pagar a primeira parcela.

Para garantir a efetivação do parcelamento, é necessário fazer o pagamento da primeira parcela, cujo vencimento geralmente ocorre em 10 dias, que são contados a partir do início da negociação.

Vale ressaltar que esse prazo pode ser alterado nos casos em que haja redução, ou para o último dia útil do mês; o que ocorrer primeiro.

Atendimento presencial

Caso você prefira fazer o pedido de parcelamento de forma presencial, é necessário agendar atendimento nas agências da Receita Federal.

Para isso, utilize o aplicativo “Agendamento RFB”, depois, é só escolher o tipo de serviço e fazer o agendamento do atendimento para a coleta de dados. Neste caso, também será necessário apresentar os seguintes documentos: 

  • Documento de Identificação do contribuinte;
  • Requerimento de parcelamento; 
  • Requerimento de parcelamento por estado, Distrito Federal ou município, se for o caso;
  • Autorização para Débito em Conta Corrente;
  • Documento que comprove a condição de representante legal, se for o caso;

Lembre-se ainda que é necessário manter o pagamento das parcelas em dia, caso contrário o parcelamento será cancelado e os débitos serão enviados para inscrição em Dívida Ativa da União.

Isso pode ocorrer se não forem pagas três parcelas, seguidas ou não; duas parcelas estando todas as demais pagas ou duas parcelas estando vencida a última.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.
Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Samara Arruda