DME: O que é essa obrigação acessória?

0

Uma nova obrigação fiscal foi instituída e deve ser cumprida pelas empresas, trata-se da Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie (DME). 

Esta obrigação reúne informações referentes a pagamentos em espécie liquidados total ou parcialmente, prestação de serviços, aluguel, transferência de bens e direitos, entre outras operações. 

Quando a DME deve ser entregue?

A DME é direcionada às pessoas físicas ou jurídicas residentes no Brasil que, no mês de referência tenham recebido um valor igual ou superior a R$ 30 mil, ou até mesmo, equivalente a uma outra moeda similar.

Vale ressaltar que o limite será aplicado por operação caso seja realizada entre o declarante e mais de uma pessoa física ou jurídica, independentemente do recebimento de cada pessoa.

Por exemplo, se uma pessoa física possui várias casas de aluguel e, a soma dos recebimentos em espécie no mês foi igual ou superior a R$ 30 mil, a DME precisará ser enviada, contendo dados detalhados sobre cada pessoa envolvida nas transações.

Como a declaração da DME é feita?

Os dados serão transmitidos através de um formulário eletrônico, no campo “apresentação “DME” hospedado no portal do Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC) integrado ao site da Receita Federal do Brasil (RFB).

O único meio de preencher esse formulário é virtualmente através de um certificado digital, por sua vez, este precisa ser emitido por uma entidade credenciada pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil), além disso, é preciso ter a assinatura digital da pessoa física, representante legal ou procurador.

Na declaração deve conter:

  • Os dados completos da pessoa física e jurídica que efetuou o pagamento. Nome ou razão social e número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). No caso de pessoa no exterior que não possui os documentos citados, será necessário o Número de Identificação Fiscal (NIF). Deve constar no formulário todos os envolvidos na operação;
  • O código que consta na tabela de bens, direitos, serviços ou operação referente ao recebimento. É possível verificar através dos Anexos I e II disponíveis no material no site da RFB;
  • A descrição dos bens, direitos, serviços ou operações dos valores recebidos;
  • O valor líquido em espécie real, assim como a moeda usada na operação. Em caso de moeda estrangeira, o Banco Central do Brasil irá apurar o valor em real com base no dia útil anterior ao recebimento;
  • A data da operação.

O manual com as normas complementares que dispõe sobre a apresentação da DME está disponível no site da DME.

Uma série de providências necessárias à implementação pela Coordenação-Geral de Programação e Estudos (Copes) e a Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação (Cotec), foram adotadas.

Imposto de renda

Até quando é necessário declarar?

A DME pode ser enviada até o final do último dia do mês subsequente ao do recebimento dos valores em espécie.

Como retificar a DME?

Mediante a DME retificadora, há a possibilidade de realizar as devidas correções de erros e omissões que foram apurados após a entrega, contudo, é essencial apresentar dados prestados na DME retificada, tal como as exclusões, alterações e inclusões. 

Multa por atraso ou não entrega

Caso a DME não tenha sido declarada ou, tenha sido entregue fora do prazo, a pessoa física ou jurídica estará sujeita a pagar multas. 

Observe as situações e valores: 

No caso da pessoa jurídica, a multa é de R$ 500,00 por mês de atraso, caso a empresa esteja no início da atividade, imune, isenta, seja optante pelo Simples Nacional ou tenha apurado o imposto pelo Lucro Presumido na última declaração apresentada. 

As demais empresas, aquelas enquadradas no Lucro Real, por exemplo, devem arcar com uma multa no valor de R$ 1.500,00, direcionada também à omissão de informações, documento incompleto ou inexato, situações que resultam na incidência de 3% sobre o valor da operação. 

Já a pessoa física pagará uma multa de R$ 100,00 por mês de atraso e, caso haja a omissão de dados, apresentação incompleta ou inexata, será possível aplicar uma multa de 1,5% do valor da operação. 

Qual o objetivo da DME?

A DME foi instituída logo após a Lava Jato e, foi impulsionada mediante os escândalos de corrupção e sonegação fiscal que atingiram o país. 

Na época, uma série de tentativas de lavagem de dinheiro utilizando moeda em espécie foram identificadas.

Hoje, o Governo Federal está apto a conferir as transações realizadas através de transferências bancárias, vendas à prazo ou cartão de crédito.

Porém, ainda não consegue controlar os valores em espécie, sendo assim, com o auxílio da DME, será possível analisar todas essas operações intensificando a fiscalização. 

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Laura Alvarenga