Dúvidas frequentes a respeito da abertura de um negócio próprio ou de franquias

Ter um negócio próprio tem se tornado um sonho para muitos brasileiros. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), publicados no ano passado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que o Brasil já tem 24,5 milhões de trabalhadores autônomos.

Junto com esse desejo, sempre surgem dúvidas que são inevitáveis quando você se depara com esse tipo de investimento, como, por exemplo, como dar os primeiros passos para começar essa jornada de empreendedorismo e tocar o seu próprio negócio.

Pensando em esclarecer as dúvidas mais comuns a respeito da abertura de um negócio próprio ou de franquias, Caio Gazin, CEO da Gazin Semijoias – marca de acessórios focados em enaltecer a beleza feminina, por meio de produtos de alta qualidade, e que hoje é a maior atacadista de semijoias do Brasil, além de ter 40 mil revendedoras e ter conseguido, nos últimos dois meses, bater recordes nas vendas de franquias home based no Brasil e no mundo -, que também passou pelo processo de planejamento e incertezas ao abrir o seu próprio negócio, lista, abaixo, quatro dicas para você ir em frente e tirar os seus planos de abrir uma empresa do papel, mostrando que todas as dificuldades, preocupações e inseguranças são naturais no início, mas facilmente contornáveis.

Confira:

1. Faça uma pesquisa de mercado 

Primeiro de tudo, faça buscas sobre a sua concorrência dentro do mercado escolhido, listando os seus pontos fortes e fracos.

“Trace também o perfil de seus clientes e dos seus fornecedores, além dos produtos e serviços que poderão ser ofertados dentro do seu negócio”, explica Caio.

O melhor jeito de fazer isso é visitando presencialmente os lugares, buscando na internet ou fazendo uma consultoria com empresários que são especialistas no ramo.

2. Defina o modelo de negócios 

Depois de pesquisar sobre o mercado, é hora de determinar o que faz mais sentido para você e o que se encaixa melhor no seu plano de ideias.

Existem prós e contras, tanto para abrir uma empresa própria, como para abrir uma franquia de negócios.

“A principal diferença é a de que abrindo um negócio próprio, você terá mais autonomia, flexibilidade e liberdade para criar dentro da empresa. Já com a franquia, você contará com mais suporte e segurança em relação ao lucro e sua empresa já nascerá com um nome conhecido”, ressalta o empresário.

3. Monte um plano de negócios

O plano de negócios nada mais é do que colocar no papel tudo o que você está pensando, a fim de organizar todas as ideias.

“É um planejamento onde você descreverá o seu negócio, os objetivos que você criou e o que deve ser feito para alcançá-los”, explica Caio.

Quando você for criar o plano de negócios da sua empresa, deverá responder perguntas como “Qual é o motivo da criação da empresa?”; “Qual ramo a empresa atua?”; “Quais são os diferenciais da empresa no mercado?”; e “Quanto será investido no projeto?”, entre outras.

“Com um bom plano em mãos, o empreendedor consegue antecipar-se aos possíveis erros e conhecer todos os pontos fortes e fracos do negócio, permitindo que ele chegue ao mercado com mais segurança e conhecimento”, afirma Caio.

4. Tenha um bom posicionamento de marketing

Designed by @pressfoto / freepik
Designed by @pressfoto / freepik

Nos dias de hoje, o marketing é essencial para que sua empresa progrida e gere lucros.

O posicionamento de marketing consiste nas estratégias e ações adotadas pela empresa com o objetivo de fazer divulgações dos produtos ou serviços oferecidos por ela, a fim de posicionar a marca de maneira assertiva e clara no mercado.

“Marque presença nas redes sociais e use-as a seu favor. Produza conteúdo para o seu público, divulgando o que você tem para oferecer e tentando estabelecer uma confiança com ele por meio da internet”, orienta o CEO.

No caso de franquias, por exemplo, esse posicionamento faz com que as pessoas tenham segurança na hora de vir para a marca.

“Então, seja na hora de abrir um negócio próprio ou uma franquia, ter um bom investimento no branding da marca, ou seja, em sua imagem, fará com que as pessoas tenham uma visão positiva sobre ela e queiram adquirir os produtos ou serviços que ela vende”, reverbera. 

Em abril, Caio resolveu expandir os negócios da Gazin e investir no modelo de franquias, com foco no home based.

O CEO explica que um dos pilares da marca é o baixo investimento e a alta rentabilidade, e isso também foi levado para o modelo de franquias.

A Gazin disponibiliza quatro modelos de franquias, com investimentos iniciais entre R$2.000 e R$30.000, que podem ser revertidos em compras mensais de R$1.000 a R$25.000, dependendo do modelo escolhido.

Além disso, ao se tornar uma franqueada, a cliente ganha, sem custo adicional, acesso às Plataformas de Ensino e Gestão da Gazin, com aulas semanais ao vivo, além do Clube de Pontos, com prêmios que vão desde vouchers Gazin, até viagens para todo o Brasil, EUA e até Maldivas.

“Este é o modelo ideal para o momento que estamos vivendo, onde trazemos a oportunidade e incentivamos as mulheres a mudarem suas vidas, mesmo com a crise, e proporcionamos empoderamento a elas”, explica Caio Gazin.

Assim, a empresa superou as expectativas de vendas em apenas dois meses, no Brasil e em vários países do mundo, como Estados Unidos, França, Portugal, Suíça, México, Canadá, Reino Unido, Japão, Bolívia, Colômbia, Chile, Paraguai, Panamá, Cabo Verde e Nicarágua.

“Todos esses resultados são fruto da transparência da Gazin, uma empresa honesta e sincera com seus consumidores e colaboradores e que, por isso, se destaca frente às outras”, finaliza o CEO da Gazin, que cresceu 93% em 2020, mesmo com a crise da Covid-19

Sobre a Gazin Semijoias

Nascida e com a matriz sediada em Limeira (SP), a capital da joia folheada, a Gazin Semijoias atende o atacado com condições especiais em todo o Brasil, com unidades distribuídas por todos os estados.

Comentários estão fechados.