Os candidatos à Presidência da República: Álvaro Dias (Podemos), Henrique Meirelles (MDB), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Lula (PT), Jair Bolsonaro (PSL), Guilherme Boulos (PSOL), Cabo Daciolo (Patriota), Marina Silva (REDE), João Amoêdo (NOVO), João Goulart Filho (PPL), Eymael (DC), e Vera Lucia (PSTU) (TSE/Divulgação)

Terminado o prazo para o registro de candidaturas à Presidência da Repúblicano Tribunal Superior Eleitoral (TSE), às 19h da quarta-feira, 15, a corrida pelo Palácio do Planalto de 2018 tem, oficialmente, 13 candidatos. É o maior número em eleições presidenciais no Brasil desde 1989, a primeira da redemocratização, quando foram 22 os presidenciáveis.

Além de PT e PSDB, que polarizam as disputas pelo Planalto desde 1994, a eleição de 2018 terá um candidato do MDB após 24 anos, um do PDT depois de 12 anos e a estreia da Rede Sustentabilidade, criada em 2015, no cenário nacional.

Também estarão representados na urna com cabeças de chapa o PSOL, que vem lançando candidatos à Presidência em todos os pleitos desde 2006, PSL, PPL e PSTU, além de partidos que aderiram à tendência de abolirem siglas como nome: Podemos, Novo, Democracia Cristã e Patriota.

Líder nas pesquisas de intenção de voto, embora preso e enquadrado na Lei da Ficha Limpa por ter sido condenado em segunda instância na Operação Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de 72 anos, foi oficializado na corrida presidencial nesta quarta, último dia do prazo. Eleito em 2002 e reeleito em 2006, Lula teve registrado como candidato a vice-presidente o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, de 55 anos.

Com o provável indeferimento do registro da candidatura do ex-presidente pelo TSE, o que deve ocorrer até, no máximo, o dia 17 de setembro, Haddad deve ser o candidato do PT à sucessão do presidente Michel Temer (MDB). A vice, neste caso, será a deputada estadual pelo Rio Grande do Sul Manuela D’Ávila, do PCdoB, que abriu mão de sua candidatura à Presidência para aguardar a decisão da Justiça Eleitoral sobre o titular da chapa petista. Além dos comunistas, o PT tem em sua coligação o PROS.

Jair Bolsonaro (PSL)

Capitão da reserva do Exército, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), de 63 anos, é o representante do conservadorismo e da direita com maior potencial eleitoral na disputa deste ano. Sem Lula entre os candidatos, é ele quem lidera as pesquisas de intenção de voto à Presidência, com 19% da preferência, conforme pesquisa VEJA/Ideia Big Data divulgada no final de julho.

Depois de três negociações frustradas pela indicação de seu companheiro de chapa – com o senador Magno Malta (PR-ES), a advogada Janaina Paschoal e o “príncipe” Luiz Philippe de Orleans e Bragança – formou-se uma chapa puro-sangue militar, com o general da reserva Hamilton Mourão, de 65 anos, na vice de Bolsonaro. O partido de Mourão, o nanico PRTB, é o único aliado do candidato do igualmente diminuto PSL na eleição.

Eleições 2018: o que você precisa saber sobre Jair Bolsonaro pré-candidato a presidência do Brasil

Marina Silva (Rede)

Em sua terceira tentativa de chegar à Presidência – foi derrotada ainda no primeiro turno em 2010 e 2014 – a ex-ministra e ex-senadora Marina Silva(Rede), de 60 anos, disputará a primeira eleição ao Palácio do Planalto liderando a Rede Sustentabilidade, partido que ela idealizou e ganhou vida em 2015. Nos pleitos anteriores, ela estava filiada a PV e PSB, respectivamente.

Leia Também:  Presidente Jair Bolsonaro suspende o uso de radares móveis em Rodovias Federais

Com o chamado “recall” das eleições anteriores, Marina aparece logo abaixo de Bolsonaro nas pesquisas eleitorais. No levantamento VEJA/Ideia Big Data, ela marcou 11% das intenções de voto sem Lula no páreo. Seu vice é o médico Eduardo Jorge, de 68 anos, filiado ao único partido aliado à Rede de Marina Silva, o PV. Jorge disputou a Presidência em 2014.

Ciro Gomes (PDT)

O ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes, 60 anos, está de volta à disputa pela Presidência após 16 anos. Filiado ao PDT, depois de passar por seis partidos, Ciro havia concorrido ao Planalto em 1998 e 2002, pelo PPS, e não chegou ao segundo turno em nenhuma das duas ocasiões. Com 7% das intenções de voto no cenário sem Lula, conforme a pesquisa VEJA/Ideia Big Data, o pedetista pode ter sua candidatura “esvaziada” à esquerda, sobretudo no Nordeste, com a confirmação de que Fernando Haddad será o candidato apoiado por Lula.

Aliado apenas ao nanico Avante – o PSB, que ele cortejava, declarou-se neutro, em acordo com o PT – Ciro Gomes vai para a campanha com uma chapa pura do PDT. Sua vice é a senadora Kátia Abreu (TO), 56 anos, que tem a trajetória parlamentar ligada ao agronegócio e já passou por PFL, DEM, PSD e MDB, do qual foi expulsa por criticar o governo de Michel Temer.

Proposta de Ciro para retirar nomes de cadastros de inadimplentes (como o SPC) abrange pequena e média empresa

Geraldo Alckmin (PSDB)

Governador de São Paulo por quatro vezes, Geraldo Alckmin (PSDB), 65 anos, disputará pela segunda vez a Presidência da República – ele foi derrotado por Lula em 2006, quando teve menos votos no segundo turno do que no primeiro.

O tucano patina nas pesquisas de intenção de voto, tem 6% da preferência, conforme o levantamento VEJA/Ideia Big Data, e aposta no amplo arco de alianças que costurou para crescer. Alckmin recebeu o apoio dos cinco que compõem o chamado Centrão (PP, DEM, PRB, PR e Solidariedade), além de PTB, PPS e PSD, e terá cerca 40% do tempo da propaganda eleitoral em rádio e TV. Sua vice, avalizada pelo Centrão, é a senadora Ana Amélia (PP-RS), de 73 anos.

Leia Também:  Presidente Jair Bolsonaro suspende o uso de radares móveis em Rodovias Federais

Alvaro Dias (Podemos)

Ex-governador do Paraná e senador em terceiro mandato, Alvaro Dias(Podemos), 73 anos, concorrerá à Presidência pela primeira vez. Apostando no discurso de “refundar a República” e na promessa de que convidará o juiz federal Sergio Moro para ser seu ministro da Justiça, Dias tem como principal força a região Sul do país. Conforme a pesquisa VEJA/Ideia Big Data, ele lidera na região, com 23% das intenções de voto. Pouco conhecido nas demais regiões, Dias tem 4% da preferência no país, segundo o levantamento.

O vice de Alvaro Dias é o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Paulo Rabello de Castro (PSC), de 69 anos. Além do partido de seu companheiro de chapa, a coligação encabeçada por Dias inclui os nanicos PRP e PTC.

Henrique Meirelles (MDB)

Depois de 24 anos, o MDB voltará a ter um candidato à Presidência da República. O nome escolhido pelo partido, um neoemedebista, é o do ex-presidente do Banco Central e ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, 72 anos, filiado ao partido em abril.

Em campanha, Meirelles terá como principal obstáculo sua ligação com o impopular presidente Michel Temer, reprovado por 82% da população, conforme o Datafolha, e de cujo governo ele foi ministro entre maio de 2016 e abril de 2018. Com 2% das intenções de voto na pesquisa VEJA/Ideia Big Data, Meirelles tentará, por outro lado, ressaltar que foi o economista escalado tanto por Lula quanto por Michel Temer para postos-chave em momentos delicados da economia. Aliado apenas ao nanico PHS, o ex-ministro terá como vice o ex-governador do Rio Grande do Sul Germano Rigotto (MDB), de 68 anos.

Guilherme Boulos (PSOL)

O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, 36 anos, mantém a tradição do PSOL em lançar candidatos à Presidência da República desde que o partido foi criado, em 2004, a partir de dissidências do PT. Antes dele, concorreram pela legenda Heloísa Helena, em 2006, Plínio de Arruda Sampaio, em 2010, e Luciana Genro, em 2014.

Com 1% na pesquisa VEJA/Ideia Big Data, Boulos entra na disputa com uma chapa puro-sangue psolista e tem a líder indígena Sônia Guajajara, 44 anos, como vice.

Os nanicos

No pelotão de nanicos da eleição presidencial de 2018 estão o sempre presente José Maria Eymael (Democracia Cristã), candidato em 1998, 2006, 2010 e 2014; o deputado federal Cabo Daciolo (Patriota); o ex-banqueiro João Amoêdo (Novo); o escritor João Goulart Filho (PPL), filho do ex-presidente João Goulart; e Vera(PSTU).

Quem é João Amoêdo? Pré-candidato à Presidência que declarou um patrimônio de R$ 425 milhões

 

Via Veja

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.