Elisão fiscal: veja como pagar menos impostos dentro da lei

0

O pagamento de altos valores em impostos costuma ser uma das principais reclamações dos gestores de empresas brasileiras.

Assim, os empresários devem dar maior atenção ao planejamento tributário, o que pode ajudar a pagar menos impostos e manter a empresa regular perante os órgãos fiscalizadores. 

Através desse planejamento é possível colocar em prática a elisão fiscal e assim, diminuir os impostos que devem ser pagos.

Mas atenção: não vá confundir esse termo com a evasão fiscal, pois, neste caso teremos muitos problemas com o Fisco.

Por isso, elaboramos este artigo para te explicar o que é a elisão fiscal e como ela pode te ajudar a diminuir a carga tributária da sua empresa. Acompanhe! 

Porque pagar impostos?

O pagamento de impostos é uma das obrigações das empresas brasileiras.

O pagamento tem como objetivo fazer com que o cidadão contribua financeiramente com serviços que utiliza frequentemente, dentre eles estão, saúde, educação e transporte público, por exemplo.

Diante disso, o empreendimento permanece regular e pode contar com os benefícios oferecidos de acordo com cada tipo de regime tributário. 

Vale ressaltar que a empresa que deixa de pagar os impostos no prazo, pode sofrer uma série de prejuízos, como a cobrança de multas, juros, além de outras penalidades por estar em situação de inadimplência.

Para te ajudar com os devidos cálculos ou planejamento das contas a pagar ao Fisco, você pode ainda contar com a ajuda de um contador que poderá te orientar quanto à forma de pagamento desta obrigação. 

Entenda a elisão fiscal 

Esta prática se refere a um conjunto de estratégias que podem ser realizadas para diminuir o valor de impostos pagos em conformidade com a legislação.

Essa estratégia depende do completo entendimento da legislação, a fim de evitar qualquer erro que possa ser considerado como sonegação. Para isso, deve ser feita uma análise dos seguintes dados:

  • Faturamento mensal, 
  • Despesas, 
  • Custos;
  • Lucro, 
  • Pró-labore;

Isso te ajudará a saber quais são as obrigações da empresa, além do que deve ser pago e o que foi pago de forma indevida.

Sendo assim, poderá saber se o regime de tributação escolhido é adequado às necessidades do empreendimento ou se é necessário migrar para outro. Para isso, veja as principais características dos regimes tributários: 

  • Simples Nacional: voltado para empresas de pequeno porte, o faturamento máximo anual poderá ser  de 4,8 milhões. Quem fatura até R$ 81 mil reais anuais tem ainda a opção de escolher o MEI (microempreendedor individual);
  • Lucro Presumido: a tributação é feita sobre o faturamento de acordo com o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL). Para saber o valor recolhido, é necessário calcular o faturamento trimestral, fazer a aplicação da margem de lucro presumida e apurar o tributo levando em consideração a alíquota da atividade desenvolvida. 
  • Lucro Real: os impostos são cobrados sobre o lucro. Devem optar por esse regime as empresas com receita bruta superior a R$ 78 milhões de reais, e as organizações de alguns setores específicos, como por exemplo, o setor financeiro. 

Evasão Fiscal 

A Evasão Fiscal, por outro lado, se refere ao pagamento de menos impostos, mas de forma ilícita. Ela está relacionada à sonegação de impostos, o que é crime e resulta em multas e outras penas conforme a Lei 4.729/65. São elas:

  • Quando se tratar de criminoso primário, a pena será reduzida à multa de dez vezes o valor do tributo.

Pena: Detenção, de seis meses a dois anos, e multa de duas a cinco vezes o valor do tributo.

  • Quando se tratar de criminoso primário, a pena será reduzida à multa de dez vezes o valor do tributo;
  • Se o agente cometer o crime prevalecendo-se do cargo público que exerce, a pena será aumentada da sexta parte;
  • O funcionário público com atribuições de verificação, lançamento ou fiscalização de tributos, que concorrer para a prática do crime de sonegação fiscal, será punido com a pena aumentada da terça parte, com a abertura obrigatória do competente processo administrativo.

Para que você entenda melhor, a principal diferença entre a elisão fiscal e a evasão fiscal se refere ao momento da ação que é tomada pelo gestor.

No primeiro caso, a empresa adota medidas dentro da lei antes da ocorrência do fato gerador da obrigação tributária.

Mas, no caso da evasão fiscal essa ação é tomada após a ocorrência, através de situações como deixar de declarar uma venda ou não emitir nota fiscal, por exemplo. 

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.
Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Samara Arruda