Empreendedorismo Feminino: Conheça algumas empresárias brasileiras que conseguiram o seu espaço no mercado

0

Conhecido como o Dia do Empreendedorismo Feminino, a data de 19 de novembro marca um importante movimento de transformação para as mulheres. Isso porque o dia definido pela Organização das Nações Unidas (ONU) se trata de uma homenagem ao espaço cada vez maior do gênero feminino no cenário econômico, que ao longo dos anos vem assistindo as mulheres sendo cada vez mais donas dos próprios negócios e, consequentemente, de suas próprias vidas ao conquistar a independência financeira, situação que antigamente era de responsabilidade majoritariamente masculina.

Segundo pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada em 2019, o Brasil conta com mais de 24 milhões de empreendedoras ativas, número que está apenas a 1 milhão abaixo dos homens que somam 25 milhões ao todo.

Apesar da quantidade quase igualitária, os salários entre os dois gêneros seguem desiguais expondo, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), um cenário em que as mulheres seguem ganhando repetidamente 22% menos que empresários do sexo masculino desde 2015.

Apesar de transformações já serem notadas no mercado empreendedor, a data segue sendo importante fonte de inspiração, união e força para as 53% das mulheres brasileiras que já são empreendedoras e que fazem da crença de “fazer a diferença no mundo” a motivação para empreender dando seguimento a uma luta que segue sem previsão de acabar.

A fim de incentivar aquelas que têm o sonho do negócio próprio, apresentamos, abaixo, algumas empresárias brasileiras que conseguiram o seu espaço no mercado e que buscam transformar o mundo e ajudar outras mulheres por meio de seus negócios e trabalho.

Marisa Melo

Marisa é artista, curadora artística e idealizadora de uma galeria de arte itinerante, a UP Time Art Gallery. 

Seu trabalho reúne artistas do Brasil e de países da Europa para apresentar ao mundo o que há de melhor na arte e, consequentemente, alcançar o seu objetivo como empreendedora de disseminar a arte para todos os públicos. “Acredito que desde sempre a arte é o elo da relação entre o homem e o mundo.

Existe o lado pessoal, íntimo, psicológico, que tem e sempre terá um espaço em quadros ou poemas.

Mas, a partir do momento em que essa introspecção caminha para causas como liberdade e justiça, a arte se reveste de um caráter social importantíssimo”, conta. Atualmente, a empresária que durante a pandemia conquistou o espaço mundial por meio de exposições online, trouxe a São Paulo a Campanha Solidária, exposição que visa arrecadar 30% das vendas das obras de cada artista para o Projeto Partager, órgão que ajuda os mais vulneráveis na pandemia.

Aberta gratuitamente para todos os interessados, a exposição ficará presente na cidade até o dia 29 de novembro no Le’Bou Food Art, templo de arte e gastronomia localizado no Itaim Bibi.

Luciana Araújo

A educadora, neuropedagoga e empresária, mais conhecida como Tia Lu, é natural de Olinda, cidade de Pernambuco, e atua há mais de 10 anos com crianças na primeira infância por meio do seu próprio método, o Tia Lu de Educação.

“A minha vontade de empreender surgiu do sonho de fazer algo diferente para o outro e para a sociedade.

Acredito que a minha missão seja a de cuidar do próximo e fazer algo que acrescente valor para a humanidade”, explica a profissional que atualmente também é diretora e proprietária do Espaço Tia Lu do Ser Integral, local voltado especificamente para a educação do ser integral (corpo, mente, intelecto e espírito) através das modalidades esportivas.

Sua meta agora é transformar o sistema educacional do país por meio do projeto “Cuidar do Cuidador”, rede de apoio aos professores, pais e principais responsáveis por cuidar e educar as crianças, ou seja, o futuro da nação.

Camila Silveira

“Mulheres possuem o dom do julgamento e questionamento, o que torna o desafio de empreender muito mais saboroso”, aponta a empresária brasileira e atual diretora da Câmara de Comércio Angola Brasil, Camila Silveira, que com sua formação em Negócios internacionais e Comércio exterior e expertise na área criou um voluntariado de capacitação com diversos temas que ajudam a formar empreendedores de qualidade em todo o mundo.

Entre os cursos oferecidos está o de empreendedorismo feminino, área que já especializou mais de 2 mil mulheres que querem impulsionar ou abrir o próprio negócio. “Ver cada mulher conseguindo desapegar das amarras do passado e se libertar para um futuro de realizações é realmente impagável.

Elas passam a entender que não precisam ser a famosa ‘mulher maravilha’, para serem perfeitas, mas que são exatamente incríveis com tudo que lhes falta”, completa Camila.