A legislação brasileira prevê diferentes formatos jurídicos para as empresas. Entre os formatos mais populares, estão o Empresário Individual, o Microempreendedor Individual, a Empresa Individual de Responsabilidade Limitada e as Sociedades Limitada e Anônima. Os três primeiros são indicados para quem não possui sócio, ou seja, quem atua sozinho na sociedade. Já os outros dois, como o próprio nome sugere, são exclusivos para quem atua de forma conjunta com sócios.

Neste artigo, vamos focar nos formatos jurídicos de empresas que não possuem sócio, ou seja, o Empresário Individual, o Microempreendedor e a Eireli. Além de entender os principais conceitos, você descobrirá as diferenças, as obrigações, os benefícios, as responsabilidade tributária e os limites de cada um deles. Acompanhe!

Empresário Individual — EI

Muitas pessoas causam certa confusão na hora de falar sobre o Empresário Individual. Isso acontece, pois ainda há quem acredite que MEI é a mesma coisa que EI, mas esse pensamento está equivocado.

A grande diferença entre eles diz respeito a três fatores: faturamento, quantidade de obrigações acessórias e restrição de atividades.

O Empresário Individual é uma pessoa que trabalha por conta própria e não há limite de faturamento, como acontece no MEI. Lembrando-se de que, se o faturamento for até o R$ 4,8 milhões , ele é considerado uma Empresa de Pequeno Porte, por outro lado, se o faturamento anual não ultrapassar os R$ 360.000,00, uma Microempresa. E, ultrapassando o limite da EPP, considera-se o porte Demais.

Vale destacar que o formato jurídico não se confunde com o porte da empresa e o regime tributário. A organização empresária pode ter três classificações dentro da categoria porte: Microempresa, Empresa de Pequeno Porte ou Demais.

Além disso, nenhuma dessas classificações está atrelada ao regime tributário, que deverá ser definido com o auxílio de um contador, nos casos em que houver necessidade. Hoje, os regimes mais conhecidos são: Simples Nacional, Lucro Real e Lucro Presumido.

Mas, voltando ao conceito de Empresário Individual, ele nada mais é do que uma pessoa física exercendo em nome próprio uma atividade empresarial. Isso significa que o seu patrimônio pessoal responde pelas dívidas da empresa, diferentemente do que acontece na Eireli, conforme veremos adiante.

Financeiramente, o único requisito legal para se tornar um Empresário Individual é ter a quantia mínima de R$ 1.000,00 em caixa.

Microempreendedor Individual — MEI

Microempreendedor Individual, também conhecido como MEI, é um profissional autônomo e/ou microempresário que tem suas atividades legalizadas. O MEI foi criado em julho de 2008, com o propósito de incentivar a regularização dos profissionais que atuavam na informalidade.

Desde então, milhões de brasileiros tornaram-se microempreendedores e passaram a ter um CNPJ, emitindo notas fiscais e tendo a possibilidade de contratar até um funcionário em regime de registro via CLT. Outro benefício é que esses profissionais passaram a contribuir com o INSS, o que lhe assegurou a garantia de acesso a direitos, como auxílio-doença, aposentadoria e salário maternidade.

Para se tornar MEI, é preciso exercer uma atividade que esteja autorizada pela lei. É possível consultar a lista de atividades no Portal do Empreendedor. Também é necessário atentar para o faturamento anual, que não pode ultrapassar R$ 81.000,00. Essas regras são válidas em 2019 e sofrem alterações periodicamente. Por isso, é preciso consultar os valores em vigor antes da abertura do seu negócio.

O MEI é enquadrado obrigatoriamente no regime do Simples Nacional. Por isso, ele está isento do pagamento de tributos federais, como o Imposto de Renda, PIS, Imposto sobre Produtos Industrializados, Cofins e CSLL.

Sua obrigação tributária está limitada ao pagamento de um valor fixo mensal, que varia de acordo com a atividade da empresa. Sendo R$ 49,90 pago a título de INSS e mais R$ 1,00 referente ao ICMS ou mais R$ 5,00 pertinente ao ISS, bem como mais R$ 6,00 se houver concomitantemente atividades sujeitas ao ISS e o ICMS.

O valor é recolhido mensalmente em uma guia específica e destinado ao pagamento da Previdência Social, ICMS e/ou ISS. Os valores são atualizados anualmente e estão atrelados ao salário mínimo.

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada — Eireli

A Empresa Individual de Responsabilidade Limitada, também conhecida como Eireli, é constituída por um único sócio. Ele é detentor de todo o capital social que, nesse caso, não pode ser inferior a cem vezes o salário mínimo.

Diferentemente do que acontece com o Empresário Individual, na Eireli, o sócio não responde pelas dívidas da empresa, o que significa que apenas o patrimônio da pessoa jurídica poderá ser utilizado para o pagamento de dívida.

O EI e o Eireli diferenciam-se com relação ao capital inicial, a segregação de bens da pessoa física e jurídica e o nome empresarial.

Enquanto o EI pode abrir uma empresa sem exigência de capital mínimo, a Eireli  precisa integralizar o mínimo de cem salários mínimos para abrir o negócio. Isso representa aproximadamente um capital de R$ 100.000,00.

Com relação à segregação de bens, muito embora o EI responda com seus bens de pessoa física, e o Eireli teoricamente não, não é incomum encontrar decisões judiciais nas quais o juiz autorizou bloqueio de bens de pessoa física mesmo em dívidas de Eireli.

Isso ocorre porque muitas vezes na análise da responsabilidade, é verificado que o sócio age com excesso de poder, dolo ou até mesmo infringindo alguma lei, razão que determina a quebra da blindagem patrimonial pessoal e ocorre a desconsideração da personalidade jurídica.

Com relação ao nome, a regra também é diferente para o Empresário Individual e a Eireli. Enquanto o EI utiliza o próprio nome para se referir  à pessoa jurídica, a Empresa Individual de Responsabilidade Limitada pode utilizar o seu nome ou escolher outro nome.

Como você pode ver, existem diferenças significativas entre o Microempreendedor Individual, o Empresário Individual e a Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Para definir qual é a melhor opção para o seu negócio, é imprescindível contar com o apoio de um profissional com expertise na área tributária, contábil e fiscal.

O apoio de um contador contribuirá tanto para a definição do formato jurídico, quanto para o porte da empresa e o regime tributário aplicável a ela.



DICA EXTRA: O primeiro passo para contadores

Atenção você contador ou estudante de contabilidade, o trabalho para seguir com sucesso na carreira profissional é árduo, inúmeros são os desafios que vamos precisar superar nessa jornada. Mas tenha em mente que o conhecimento é o maior bem que você pode ter para conseguir conquistar qualquer que seja os seus objetivos.

Exatamente por isso apresentamos para você o curso CONTADOR PROFISSIONAL NA PRÁTICA, curso este aprovado por inúmeros alunos e que vem gerando uma revolução no conhecimento e na carreira de profissionais contábeis.

O curso é sem enrolação, totalmente prático, você vai aprender todos os processos que um contador experiente precisa saber. Aprenda como abrir, alterar e encerrar empresas, além da parte fiscal de empresas do Simples Nacional, Lucro Presumido e MEIs. Tenha todo o conhecimento sobre Contabilidade, Imposto de Renda e muito mais. Está é uma ótima opção para quem deseja ter todo o conhecimento que um bom contador precisa ter, quer saber mais? Então clique aqui e não perca esta oportunidade que com certeza vai impulsionar sua carreira profissional!



Conteúdo original LAFS Contabilidade

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.