Consultor empresarial e especialista em governança corporativa, Marcelo Camorim, afirma que companhias, sejam elas grandes ou pequenas, precisam reduzir custos já e acompanhar em tempo real evolução dos cenários macro e microeconômicos. Porém, ele ressalta que momento é de alerta e não de pânico, e critica efeito das fake news que só geram temor desnecessário

O coronavírus tem feito muito mais vítimas do que as mais de 150 mil pessoas infectadas e os seis mil mortos no mundo, contabilizados até o momento pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Aliás, o temor da doença está fazendo um enorme estrago na economia mundial. Nas últimas semanas os mercados internacionais estão dando uma clara ideia de como a epidemia, aliada a outras questões, como guerra comercial do petróleo entre Rússia e Arábia Saudita, pode ampliar ainda mais o seu impacto na vida das pessoas e das .

Neste mês de março, o Ibovespa registrou três quedas históricas, as maiores em 22 anos. No dia 9 de março, baixa de 12,17%, e dois dias depois um tombo de 14,78%, e por fim no último dia 16, queda de 13,92%, com o dólar fechando pela prira vez no câmbio oficial acima do patamar de R$ 5. Isso fez com que a Bolsa brasileira, por três vezes num único mês, acionasse o chamado ‘circuit breaker’, um mecanismo que faz com que a instituição interrompa seus trabalhos, assim que ultrapassa uma queda superior a 10%. Até então essa manobra só havia sido usada duas vezes em toda a história da Bolsa brasileira.

precisam amenizar estragos causados pelo coronavírus

De acordo com o consultor empresarial e especialista em governança corporativa, Marcelo Camorim, tal como um organismo humano a forte queda nas bolsas, alta do dólar, baixo consumo em grandes centros do mundo como China e Europa são os sintomas, de um mal do qual o mundo já sofreu durante surtos de outras doenças. “Para as pessoas a doença é o coronavírus, ou Covid-19, mas para a economia, a grande doença é o medo e a incerteza em relação às economias dos países e do mundo. E os principais sintomas disso são o baixo consumo das famílias, em especial de bens de grande valor, queda brusca na produtividade das , e consequentemente forte retração nos seus investimentos, o que numa economia global é um efeito dominó devastador”, explica o especialista.

O consultor afirma que as medidas de contingenciamento adotadas pelos países, como fechamentos de fronteiras, cancelamentos de voos para diversos países e cancelamentos de grandes eventos, embora necessárias para conter a disseminação do vírus, desaceleram as grandes economias e inevitavelmente a economia do mundo. “As grandes , que têm peso decisivo nesta economia globalizada, todas montaram seus respectivos comitês para acompanhar o desenrolar desta crise. E esses comitês acompanham, não só os números do dólar, do petróleo, mas também o sobe e desce das principais bolsas do mundo, os preços das commodities, do ouro, ou seja, tudo que demonstra o grau de nervosismo dos mercados e para onde as devem ou não ir”, diz Camorim.

Acompanhar e reduzir

Mas e as médias e pequenas , que embora não tenham o mesmo poder de manobra das grandes corporações, também serão igualmente afetadas pelos efeitos da crise econômica gerada pela pandemia? Para o consultor, as menores precisam também, dentro de suas respectivas proporções, montar seus comitês de monitoramento para acompanhar a situação, tanto no cenário micro como macro econômico, e planejar as inevitáveis reduções de custos. “Essa é uma hora em que o controle dos números da empresa é fundamental para evitar o mínimo de perdas ou até mesmo para empresa sobreviver. Porque você sabe que haverá uma queda na receita devido ao baixo consumo e depois da crise haverá o período de recuperação e os investimentos deverão estar retraídos por muito tempo ainda”, explica o especialista em governança corporativa.

Camorim lembra que uma das priras medidas tomadas pelas , sejam elas grandes ou pequenas, é a suspensão das admissões e avaliação de desligamentos. “As companhias precisam ficar de olho nos seus custos, isso em tempo real, e reduzir onde é possível, fazendo novas negociações com fornecedores, revendo a necessidade de compra ou expansão de maquinário e, infelizmente, avaliar a necessidade de demissões”, destaca o especialista.

Para Marcelo Camorim, as neste momento precisam manter uma produtividade mínima necessária e com isso ter tempo de acompanhar e se adaptar ao desenrolar das variações econômicas, sejam elas micro ou macroeconômicas. “É preciso ter em mente que o momento é de alerta, sim, mas não de pânico”, frisa.

Fake news

Apesar de entender que uma pandemia como a do coronavírus irá sim afetar fortemente a economia do mundo, Marcelo Camorim avalia que a atual crise tem sido, indevidamente, potencializada pelo fenômeno das fake news. “As notícias falsas sobre o Covid-19 também têm trazido um enorme estrago às economias, pois além de colocar em risco a vida das pessoas com informações inverídicas, gera um medo excessivo nas pessoas, que às vezes beira ao desespero e à fantasia. Já ouvi e já li, por exemplo, fakes news que dizem que a China criou o coronavírus para que as caíssem em 20% 30% e eles [os chineses] comprarem as ações na baixa e vendessem na alta. Um absurdo que traz um excessivo e desnecessário temor aos mercados”, conta Camorim.

No caso do Brasil, o especialista acrescenta um outro agravante ao cenário econômico que pode fazer com que investimentos privados e públicos se retraiam ainda mais, que é a questão política. “Estamos num ano de eleição, no caso municipais, e isso por si só já gera ruídos na economia da País. Mas o efeito político mais impactante na economia brasileira continua a disputa de poder entre os poderes, em especial entre o Executivo e o Legislativo. Essa disputa trava o andamento de reformas que ainda se fazem necessárias, como a tributária e a administrativa”, explica Camorim.