Como já é de conhecimento de todos, o sistema tributário brasileiro é complexo e possui uma enorme variedade de arrecadações municipais, estaduais e federais. Tanto é que uma das principais promessas de uma possível reforma tributária é a unificação de até cinco tributos em um imposto único, o que facilitaria um pouco a vida dos empresários do país.

Porém, enquanto esse dia não chega, as empresas precisam estar atentas para evitar confusões e erros que podem custar caro.


De olho no ICMS/ST

Dentro da nossa enorme variedade de tributos, taxas e arrecadações, um dos que certamente exige atenção redobrada das companhias é o ICMS/ST. O motivo dessa cautela é que, apesar de ser um imposto relativamente simples, ele gera diversas dúvidas.

Sua sigla significa Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços/Substituição Tributária. E, como o próprio nome já diz, é um tributo que incide sobre a circulação de produtos, como alimentos, cosméticos, eletrônicos, transporte intermunicipal e interestadual, entre outros.

Entretanto, sua complicação começa na hora de calcular a alíquota cobrada, uma vez que ela varia de estado para estado, assim como de acordo com o tipo de produto ou serviço envolvido. Logo, as empresas devem conferir, sempre que realizarem uma venda ou operação interestadual, se há a aplicação da Substituição Tributária para aquele caso e qual é a porcentagem devida.

Para isso, é preciso saber informações como: estado de origem e estado de destino, qual é a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) do produto, regime tributário, tipo de estabelecimento, destino e valores da mercadoria, e Margem de Valor Agregado (MVA).

Em linhas gerais, o ICMS/ST é dividido em três tipos:

– Substituição Tributária Simples, onde o contribuinte é substituído por outro dentro da mesma cadeia de negócio;


– Substituição Tributária para Frente, onde o ICMS/ST é recolhido antes mesmo da realização do pagamento, usando um cálculo presumido como base; e

– Substituição Tributária para Trás, na qual o a última empresa da cadeia de negócio fica responsável por pagar o tributo.

Prejuízos para o negócio

Por fim, é preciso destacar o principal motivo do porque as empresas devem ter todo o cuidado com o ICMS/ST: qualquer erro pode custar caro!

O controle feito pela Receita Federal sobre esse imposto é rigoroso e erros no seu recolhimento frequentemente geram autuações fiscais. Além disso, as punições podem envolver a retenção do produto em questão (interrompendo toda a cadeia de negócio da empresa) e multas. Portanto, o ICMS/ST precisa fazer parte do planejamento tributário de todas as empresas, e o seu cálculo precisa ser confiado a profissionais qualificados.

Dica especial para contadores iniciantes ou com pouca experiência

Atenção você contador ou estudante de contabilidade, conheça nosso treinamento voltado para contadores iniciantes, ensinando na prática procedimentos contábeis que todo contador precisa saber, mas que não se ensina na faculdade.

Tudo que você precisa saber para abrir, alterar e encerrar empresas, além da parte fiscal de empresas do Simples Nacional, Lucro Presumido e MEIs, Contabilidade, Imposto de Renda. Quer saber mais? Então clique aqui e não perca esta oportunidade!

Conteúdo original Escritório Prado