Por causa da pandemia do novo coronavírus, o Enem 2020 tiveram suas provas remarcadas para o ano que vem. Isso só aconteceu, depois de uma forte pressão. Para realização do exame, alguns protocolos tiveram que ser colocados, já que ainda não existe uma vacina para proteger a população.

Os alunos se sentiram prejudicados para fazer o exame do Enem, depois que as aulas foram suspensas e não se sentiram seguros com o ensino à distância por vários motivos como Internet de baixa qualidade, conteúdo fraco, dificuldade para tirar dúvidas, etc.

Com a pressão popular, as provas que aconteceriam em novembro deste ano, foram transferidas para janeiro de 2021.

Enem 2020, veja as datas

Provas impressas: 17 e 24 de janeiro de 2021, para 5,7 milhões inscritos
Prova digital: 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2021, para 96 mil inscritos
Reaplicação da prova: 24 e 25 de fevereiro (para pessoas afetadas por eventuais problemas de estrutura)
Resultados: a partir de 29 de março

Protocolos de segurança devido a pandemia

O aluno que não estiver de máscara no dia da prova não poderá entrar para fazer o exame. A regra está numa retificação no Edital ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), quando o Ministério da Educação, acrescentou a regra exigindo que os candidatos usem máscara obrigatoriamente, do início ao fim da realização da prova.

O acessório de proteção terá que ser usado durante todo o tempo de permanência do candidato no local de prova, tanto na prova digital como na impressa.

Será permitido que os candidatos poderão levar mascaras extras para trocar durante a duração da prova. Se o candidato se recusar a usar poderá ser eliminado do exame. As novas determinações foram publicadas no dia 31 de julho de 2020, no Diário Oficial da União.

Se inscreveram para o ENEM 2020 5,8 milhões de candidatos, sendo que 96 mil optaram por fazer a prova digital.

O edital, além de exigir o uso de máscaras, cita o respeito ao distanciamento quando o candidato for se apresentar na sala de aplicação de prova.