Saber a definição correta de custo direto e custo indireto pode ser um diferencial importante na sua empresa. Afinal, compreendendo de que forma o seu capital é gasto, é perfeitamente possível estimar se há falhas, e ainda aprimorar as aplicações realizadas.

Quanto à categorização de custos, devemos considerar duas possibilidades: a primeira diz respeito ao volume, diferenciando fixos e variáveis. A segunda diferencia o produto, devido ao custo ser direto ou indireto.


Pois é: antes de focarmos nos custos direto e indireto, é necessário entender seu conceito para não haver dúvidas. Então, interessado? Continue lendo este post e saiba diferenciá-los de uma vez por todas!

O que são custos?

Entende-se como custos, por exemplo, todos os produtos produzidos por uma indústria, a quantidade de mercadorias que uma loja coloca à venda ou o total de serviços que uma empresa presta por um determinado período.

Grosso modo, são todo tipo de gasto que uma organização precisa realizar em função da sua produtividade. Assim, é essencial levar em conta a natureza dos custos nas operações empresariais, pois eles precisam ser diminuídos para que a organização possa aumentar sua lucratividade.

A classificação mais comum leva em conta o seu volume, diferindo os custos fixos dos variáveis.

Nela, todo o custo que se mantém constante, independentemente da quantia fabricada, é considerado como um custo fixo, e todo o custo que varia conforme o número de produtos fabricados é tido como variável.

Essa classificação, contudo, não deve ser generalizada, pois existem empreendimentos nos quais o custo pode ser melhor avaliado quando o estudo é feito de acordo com a unidade vendida, por exemplo. Logo, é preciso mesmo entender as diferenças entre custo direto e custo indireto.


O que são custos diretos?

Trata-se dos custos destinados diretamente para o produto vendido, por meio de um valor ou uma proporção pré estabelecida. Ou, melhor, são gastos que podem ser medidos de maneira bastante objetiva e precisa.

Consideremos, por exemplo, uma fábrica que atua na produção de calçados.

Ela não produz todos os componentes que estarão no produto final — cadarços, couros, amortecedores —, que serão vendidos ao cliente.

Assim, é preciso comprar alguns desses itens separadamente, a fim de usá-los em sua produção para montar os calçados e entregá-los prontos para as lojas.

Da mesma forma, se estivéssemos nos referindo a uma fábrica de lapiseiras, a quantidade exata de grafite inserida em cada uma também poderia ser classificada com um gasto direto, por ser estabelecida durante o processo de produção.

Enfim, nesse caso, o gasto efetuado com a compra de componentes é considerado um gasto direto, pois é visível e está embutido no produto final. Vejamos mais alguns exemplos bem comuns:

Matéria-prima

Normalmente, a empresa sabe, de antemão, qual é a quantidade necessária de matéria-prima para produzir uma unidade do seu produto. Sabendo-se o preço dos componentes, o custo daí resultante está relacionado diretamente ao produto.

Mão de obra direta

Trata-se dos custos com os colaboradores utilizados na produção ou na prestação de um serviço. Assim, ao saber quanto tempo cada um trabalhou e o valor de sua remuneração, é possível associá-lo diretamente ao produto ou ao serviço.

Energia elétrica

Em algumas indústrias, é possível saber quanta energia foi consumida na produção de cada item, graças à utilização de um medidor. Com ele, mede-se de maneira precisa o gasto exato de energia para fazer um produto ou realizar um serviço.

O que são custos indiretos?

Quanto aos custos indiretos, estamos falando de situações em que não existe um número exato de gastos com produtos ou serviços, ou quando é impossível medi-los em função de cada unidade produzida.

Geralmente, isso se dá pelo simples fato de serem valores que não podem ser calculados de maneira tão simples quanto ocorre com os custos diretos — é o caso, por exemplo, das despesas com luz elétrica.

Retomemos o exemplo anterior da indústria de fabricação dos calçados, e consideremos o seu gasto de energia.

Sabemos que, ainda que seja possível saber como houve aquele gasto e quanto ele atingiu as finanças da empresa, não há como determinar, com precisão, a quantia exata de energia gasta com cada calçado produzido.

Assim, a solução para esse caso é utilizar o critério de rateio — definir uma quantidade aproximada, com o intuito de calcular o custo de cada item produzido. Para entendê-los melhor, veja mais alguns exemplos de custos indiretos:

  • depreciação de equipamentos e máquinas que são usadas na produção de mais de um produto, ou na prestação de mais de um serviço;
  • salários das equipes de administração e dos supervisores;
  • aluguel da empresa, gastos com limpeza/higienização e energia elétrica, que não pode ser associada com precisão ao produto/serviço.

Por que é importante conhecer o custo direto e o custo indireto?

Sem dúvida, saber controlar os custos da empresa é fundamental para empresários e gestores que desejam melhorar a gestão financeira dos negócios.

Afinal, independentemente da modalidade utilizada — seja considerando o produto ou o volume — o fato é que, sem parâmetros, os gastos tendem a perder o controle sem que o responsável pelo financeiro perceba.

Nesse sentido, quando sabe avaliar tanto o custo direto quanto o custo indireto — conhecendo, assim, os valores reais que compõem cada unidade dos itens que fabrica — o gestor pode usar esse conhecimento como ferramenta para obter uma série de vantagens, como:

  • estipular com maior precisão o preço de comercialização dos seus produtos;
  • realizar um melhor controle da contabilidade da empresa;
  • planejar com melhor eficiência as próximas etapas da organização, observando os gastos;
  • saber em quais casos é possível fazer o rateamento para calcular o custo de cada unidade.

Por fim, como vimos, conhecer os princípios contábeis, assim como saber aplicá-los da maneira correta, é algo que afeta positivamente na gestão de qualquer empreendimento. Assim, é possível analisar com exatidão sua saúde financeira, além de possuir novos meios para contribuir nas tomadas de decisão.

Então, compreendeu quais são as principais diferenças entre custo direto e custo indireto? São mesmo dois conceitos importantíssimos para quem deseja ser um empreendedor de sucesso e quer garantir a prosperidade dos negócios!

E agora, se gostou do nosso post, aproveite para compartilhá-lo com seus amigos nas redes sociais!

Conheça o eGestor, o sistema de gestão empresarial totalmente fácil e online!

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.