Entenda como fazer um financiamento imobiliário

0

Fazer um financiamento imobiliário pode ser um bicho de sete cabeças sem a orientação necessária. Quer tirar suas dúvidas? Leia este conteúdo e fique por dentro!

Certamente milhares de brasileiros almejam algum dia realizar a conquista da tão sonhada casa própria.

No entanto, este sonho requer um bom planejamento e estudo prévio das possibilidades para conseguir realizá-lo de forma segura.

Quer saber como fazer seu planejamento financeiro? Baixe grátis nossa planilha e assuma o controle do seu dinheiro. É só clicar aqui.

Dentro dessas possibilidades, o financiamento imobiliário é uma das mais buscadas pela população brasileira.

O que preciso saber para fazer financiamento imobiliário?

Esse tipo de financiamento consiste basicamente em um empréstimo, realizado geralmente por bancos, onde o comprador tem a opção de pagar em várias parcelas dentro de um determinado período de tempo.

Tudo vai depender basicamente do:

  • valor do imóvel;
  • a quantidade de parcelas;
  • o valor dado como entrada;
  • as taxas de juros, entre outros fatores.

Por se tratar da realização de um sonho para a maioria das pessoas que tomam essa decisão, é preciso ter cuidado com o entusiasmo e a pressa, pois eles podem ser grandes inimigos de uma boa decisão.

Para isso, separamos algumas dicas que podem lhe ajudar nesse processo de tomada de decisão para a realização desse grande objetivo pessoal!

1) Planeje-se

A decisão da compra de um imóvel deve, sem dúvidas, ser muito bem ponderada em vários aspectos, já que não se trata de uma compra simples.

Pelo contrário, fazer um financiamento imobiliário trata-se de uma compra complexa tanto no sentido da tomada da decisão em si, como para encontrar a melhor forma de pagamento daquela propriedade.

Um bom planejamento é a palavra chave para tirar esse sonho do papel. O processo de planejamento envolve também a tomada de decisão.

Dessa forma, é preciso se planejar bem para entender se esse é realmente seu melhor momento para realizar um financiamento imobiliário, já que se trata de uma dívida que você pagará em um largo horizonte de tempo.

2) Entenda seu perfil e atual situação financeira

É essencial entender a fundo seu atual momento de vida. Esse entendimento vai desde seu perfil pessoal até a atual situação da sua vida financeira.

Por exemplo, é importante ponderar que tipo de imóveis lhe agradaria mais, uma casa ou um apartamento, decorado ou para decorar, etc.

Além dessas questões relacionadas ao imóvel, é importante compreender como anda seu orçamento, qual seria o preço médio que você estaria disposto(a) a pagar no imóvel, para, a partir disso, começar a buscar as melhores opções para você.

3) Pesquise

É muito importante buscar um imóvel que seja compatível com sua renda. Assim, você evita inadimplência e problemas futuros com o pagamento das prestações.

Quer saber tudo sobre inadimplência? Clique aqui e tire suas dúvidas.

O velho ditado que diz que a pressa é inimiga da perfeição se encaixa perfeitamente aqui.

Será necessário dedicar tempo e esforço nessa busca para que o imóvel escolhida atenda a todas suas necessidades e caiba no seu orçamento sem comprometer muito sua renda mensal.

4) Simule investimentos

Existem calculadoras disponíveis no mercado que podem lhe auxiliar a calcular mais rapidamente como ficaria o valor das parcelas com base na taxa de juros que será cobrada, valor de entrada e horizonte de tempo.

Essa simulação pode lhe direcionar melhor a entender qual opção de financiamento pode ser mais vantajosa para seu atual momento econômico.

5) Poupe para a entrada

O valor de entrada é uma parte importante que deve ser considerada de forma cuidadosa.

Praticamente todas as financiadoras requerem um valor de entrada para o financiamento.

Quanto maior esse valor, mais em conta ficará o financiamento para você, pois menor será o tempo pagando o restante das parcelas e menores serão os juros cobrados.

Elimine o excesso de compromissos financeiros e poupe o máximo que puder tanto para juntar um bom valor de entrada, como para pagar as demais parcelas sem muito aperto.

Além disso, é essencial realizar um bom planejamento financeiro para que tudo corra bem durante todo o caminho até a quitação do seu imóvel.

6) Tenha uma conta no banco que você pretende pedir o financiamento

Quanto mais o banco conhecer seu perfil financeiro, melhor. Uma das melhores opções para que isso aconteça é você tendo alguma relação com a instituição financeira que você pretende realizar o financiamento.

Dessa forma, eles saberão quanto dinheiro circulou na sua conta nos últimos tempos e se você tem um bom perfil de pagador(a), ficando mais fácil demonstrar que você terá condições de arcar com o empréstimo.

7) Separe a documentação necessária

Você também irá precisar de alguns documentos importantes para conseguir seu financiamento.

Geralmente, entre esses documentos estão:

  • documentação pessoal;
  • o seu comprovante de renda;
  • extratos bancários;
  • holerites;
  • e a declaração do Imposto de Renda.

Essa documentação pode variar de acordo com cada instituição financeira, por isso é importante ter sempre o básico adiantado para otimizar seu tempo e a sua espera no financiamento imobiliário.

8) Verifique a situação do seu CPF

O que muitos consumidores esquecem ao pensar em fazer um financiamento imobiliário é verificar a situação do seu CPF.

Fazer a consulta do seu CPF é essencial para ter noção de como está a situação do seu nome perante os órgãos de proteção ao crédito (como SPC e Serasa).

Normalmente, a primeira informação ao solicitar um financiamento imobiliário junto ao seu banco ou construtora é a consulta do CPF e pontuação do score.

Logo, para fazer um financiamento, seu nome não pode estar negativado ou com dívidas ativas.

Ou seja, se ao consultar seu CPF o banco ou a construtora descobrir que seu nome está sujo, seu pedido de financiamento provavelmente será negado de imediato.

Então posso ter meu pedido de financiamento imobiliário negado?

Infelizmente sim! Caso haja algum débito pendente em seu nome ou se seu score não estiver bom, a financiadora poderá negar seu financiamento.

Quer saber como aumentar seu score em 5 passos? Clique aqui e receba o passo a passo gratuito!

Se você tiver passando por uma situação de negativação do CPF, é necessário negociar a dívida com a empresa para que seu nome volte a ficar limpo novamente.

Normalmente, é possível fazer a negociação da dívida de maneira 100% online, através da Blue365.

Quer negociar seus débitos sem sair de casa? Clique aqui e receba as melhores ofertas!

E se a dívida que impediu meu financiamento imobiliário não for legítima?

Infelizmente, pode acontecer do seu nome ficar negativado indevidamente. Ou seja, uma empresa cometer o erro de inscrever seu nome nos órgãos de proteção ao crédito.

Estar com uma inscrição indevida pode acontecer por uma conta já paga, golpes ou fraudes, dívidas vencidas ou mesmo quando você nunca teve vínculo com a empresa.

De toda forma, o consumidor com o nome negativado indevidamente será prejudicado na hora de fazer seu financiamento imobiliário.

Porém, isso não quer dizer que você não poderá realizar seu sonho da casa própria!

Nessa situação, você deve buscar seus direitos enquanto consumidor, uma vez que nome negativado indevidamente é considerado uma prática abusiva e, em muitos casos, é seu direito que a empresa te compense financeiramente pelo erro, além de limpar seu nome.

Se você está negativado indevidamente, não deixe de exigir seus direitos. Quer saber como resolver seu problema? Clique aqui e verifique grátis agora mesmo.

A Resolvvi possui um serviço especializado em nome negativado indevidamente

Acessando o nosso site você pode conferir seu CPF e registrar um pedido de indenização caso tenha passado por isso.

Gostou das nossas dicas para financiar um imóvel sem muito aperto?

Um bom planejamento e uma boa pesquisa são as bases para que você tome a melhor decisão e realize o sonho da tão sonhada casa própria.

Não deixe de acompanhar o Blog da Resolvvi para continuar lendo conteúdos e dicas incríveis sobre seus direitos como consumidor(a)!

Por: Luan Moreira

Fonte: Resolvvi

Imagem: resolvvi