Entenda o motivo de gigantes da tecnologia buscarem o setor financeiro

Depois de se consolidar como líder absoluto em seus setores, as gigantes de tecnologia (Google, Apple, Facebook e Amazon) buscam entrar cada vez mais no mercado financeiro. A Apple possui seu cartão de crédito, o Facebook está tentando implementar sua própria moeda virtual – a Libra – e o Google planeja oferecer serviço de conta corrente para seus usuários. Mas, por que as gigantes de tecnologia estão oferecendo serviços associados aos bancos se esse setor é muito menos lucrativo do que seu core business? 

O gráfico abaixo compara o Retorno sobre Patrimônio Líquido (ROE) médio dos principais bancos mundiais contra o das chinesas BAT (Baidu, Alibaba e Tencent) e das americanas GAFA (Google, Amazon, Facebook e Apple).

A resposta é… acesso a mais dados! Quando a Apple, Google ou Facebook processam um pagamento, eles descobrem muita coisa sobre você. O que comprou, onde, em que dia, horário e por quanto. Estas são informações muito valiosas para os anunciantes e ajudam a direcionar mais ainda a publicidade online.

Segundo pesquisa realizada pela Financial Stability Board (FSB), as maiores empresas de tecnologia já oferecem cerca de 50 serviços financeiros, divididos em nove setores diferentes, sendo os principais Wealth Management, Asset Management, Crédito, Pagamentos e Seguros.

Projeções de analistas apontam que o Google Pay tenha 100 milhões de usuários em 2020 e a Apple, 227 milhões. Em pesquisa realizada pela consultoria McKinsey, mais da metade dos consumidores confiariam no Google e na Apple para gerenciar suas finanças (58% e 56%, respectivamente), mas apenas 35% no Facebook.

Além da questão dos dados, a migração para o setor financeiro é uma forma de diversificar as receitas e gerar mais valor ao cliente, complementando e reforçando as principais atividades comerciais das gigantes de tecnologia, aumentando a base de usuários, o engajamento com o ecossistema e a lealdade a ele.

Essas empresas alcançaram escala nos serviços financeiros rapidamente, em parte, devido à grande base de clientes e ao alto grau de reconhecimento de marca associado aos seus principais negócios existentes.

Há muitas sinergias com os negócios atuais, pois os dados coletados de seus core business podem complementar e aprimorar as atividades de seus serviços financeiros.

Os dados das plataformas de comércio eletrônico podem, por exemplo, contribuir para pontuação de crédito, aprimorando os preços e o gerenciamento de riscos da atividade de empréstimo. As informações provenientes das mídias sociais, ou de pesquisa na internet, podem ajudar a comercializar, distribuir e precificar serviços financeiros para esses usuários.

DICA EXTRA  DO JORNAL CONTÁBIL : MEI saiba tudo o que é preciso para gerenciar seu próprio negócio.  Se você buscar iniciar como MEI de maneira correta, estar legalizado e em dia com o governo, além de fazer tudo o que é necessário para o desenvolvimento da sua empresa, nós podemos ajudar. Já imaginou economizar de R$ 50 a R$ 300 todos os meses com contador e ainda ter a certeza que está fazendo suas declarações e obrigações de forma correta. E o melhor é que você pode aprender tudo isso em apenas um final de semana. Uma alternativa rápida e eficaz é o curso MEI na prática. Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que um MEI precisa saber para ser autônomo e nunca mais passar por dificuldades ao gerir o seu negócio. Quer saber mais? Clique aqui e mantenha sua empresa MEI em dia!

Comentários estão fechados.