outplacement pode ser definido como um processo de demissão humanizado, em que o empregador oferecer uma série de treinamentos e aconselhamentos ao profissional com o objetivo de diminuir os impactos do desligamento.

Esse suporte orienta, traz apoio emocional e ampara o colaborador, possibilitando uma autorreflexão sobre a carreira e, consequentemente, o autodesenvolvimento.

Para garantir esses benefícios aos profissionais, CONTaremos neste post como ele pode ser aplicado na empresa. Confira!

Defina como será o desligamento

Para que o outplacement realmente possa configurar um processo de demissão humanizado, é preciso que o desligamento do colaborador seja planejado.

Demitir um profissional deve considerar diversos aspectos, como os impactos que a sua ausência pode causar para o setor, qual a melhor época para se fazer isso e a abordagem mais adequada para dar a notícia.

Como o processo de outplacement deve ser comunicado junto ao desligamento, é preciso que tudo esteja bem alinhado — desde os argumentos para a demissão até o calendário completo de recebimento das verbas rescisórias e encontros, sejam eles para assinatura de documentos, sejam para cumprir com o programa.

CONTribua para a recolocação profissional

Para grande parte das pessoas, a possibilidade de ficar desempregado é assustadora.

Por isso, o anúncio de desligamento pode gerar conversas bastante acaloradas.

Considere o momento de tensão vivido pelo colaborador e esteja aberto a ajudá-lo com a recolocação profissional.

Nessa perspectiva, é possível:

  • dar orientações para aqueles que desejam mudar de profissão;
  • ensinar o profissional a atualizar seu currículo, organizando as informações de maneira objetiva;
  • entrar em CONTato com empresas parceiras antes do anúncio de demissão e perguntar se há vagas disponíveis para o perfil do colaborador;
  • fazer testes de perfil comportamental que identifiquem as principais aptidões, para que o colaborador possa usar a seu favor nas próximas seletivas de emprego;
  • oferecer cursos e treinamentos para que o profissional se capacite e torne seu currículo mais competitivo;
  • revelar quais portais de busca de empregos oferecem vagas na cidade ou região em que o profissional mora.

Traga informações úteis ao profissional

Ao estruturar o programa de outplacement, é importante pensar em ações que realmente possam ajudar o profissional a dar os próximos passos. 

Dito isso, a empresa pode:

  • conceder apoio psicológico e de educação financeira para melhorar o gerenciamento das finanças enquanto não encontra uma nova oportunidade;
  • entregar um passo a passo sobre o que ele deve fazer para sacar suas verbas rescisórias, informando onde precisar ir, os prazos, como dar entrada no seguro-desemprego, entre outros;
  • oferecer palestras relacionadas à carreira e ao mercado;
  • utilizar os testes de perfil comportamental para fazer um mapeamento do que deve ser melhorado ou desenvolvido.

Os programas de outplacement podem ser individuais e coletivos.

O primeiro tem como foco CONTribuir com a recolocação do profissional e ocorre em um curto espaço de tempo.

Já o segundo, costuma ser aplicado em empresas que estão passando por processos que exigem a demissão de uma grande leva de colaboradores.

Fonte: WeCont