Estudos apontam que 88% das planilhas apresentam erros

0

O Microsoft Excel facilita qualquer tipo de processamento de números. Mas o software de planilhas mais vendido do mundo também contribuiu para a proliferação de uma matemática “ruim”.

Segundo estudos feitos em 2008, cerca de 88% das planilhas contém erros.

“As planilhas, mesmo depois de um planejamento cuidadoso, contém erros em 1% ou mais de todas as células de fórmulas”, escreve Ray Panko, professor de gerenciamento de TI da Universidade do Havaí e autoridade em práticas inadequadas de planilhas.

“Em grandes planilhas com milhares de fórmulas, haverá dezenas de erros não detectados”, disse.

Tais problemas não levam apenas a erros de cálculos em orçamentos familiares ou em balanços distorcidos em pequenas empresas, mas também podem resultar em decisões questionáveis ​​para a política fiscal global, como ocorrido no caso do estudo de economia de Harvard que continha um erro matemático.

Ao não incluir algumas células da planilha em seus cálculos, o estudo dos economistas Carmen Reinhart e Kenneth Rogoff exagerou ao apresentar o impacto em que os encargos de uma determinada dívida têm no crescimento econômico de um país.

O problema é tão generalizado que foram criados alguns grupos que são dedicados a acabar com os problemas de planilhas, como o Grupo de Interesse para Riscos de Planilhas, sediado na Europa.

“Não há dúvidas de que a planilha é uma ferramenta poderosa e essencial para o funcionamento do mundo moderno”, disse o presidente do grupo, Patrick O’Beirne.

“As motosserras também são ferramentas muito boas, mas quem usaria sem o equipamento adequado?”, diz ele.

“As pessoas não tomam medidas para garantir que seu trabalho esteja correto. De fato, em muitos casos, tudo o que seria necessário para detectar esses erros é ter, apenas, um segundo olhar”, completa.

Embora poucos publiquem um livro ou artigo sem editá-lo primeiro, as planilhas, muitas vezes, são usadas no formato de rascunho, diz O’Beirne.

“A revisão por pares é um procedimento padrão nas pesquisas acadêmicas e pode ser também a melhor autoproteção para usuários corporativos de planilhas”, diz ele.

Há uma crescente conscientização sobre o problema nos últimos anos e agora existem vários programas de certificação projetados para garantir que as melhores práticas sejam seguidas ao criar uma planilha.

Mas mesmo aqueles que não têm alguém para verificar suas planilhas podem tomar medidas extras para minimizar erros, diz O’Beirne.

“Tecnicamente, o erro de Harvard poderia ter sido detectado por testes simples, como pressionar Ctrl + [ em uma fórmula para mostrar o que as células alimentam no total”, diz ele.

“Existem também muitas ferramentas de software, como o XLTest, para apontar falhas estruturais”, conclui.

Plataformas de Automação

Erros aritméticos simples podem ser comuns, mas o uso de planilhas provavelmente continuará como antes, alerta Panko em seu artigo.

“Apesar dessas evidências de longa data, a maioria das empresas prestaram pouca atenção à perspectiva dos erros graves de planilha”, diz ele.

VISÃO DATTOS

Com a tecnologia contida nas plataformas de automação, os processos manuais feitos em planilhas podem reduzir consideravelmente.

Os prazos apertados e os esforços gastos excessivamente para encontrar eventuais inconsistências nos relatórios deixarão de existir.

Além disso, utilizando plataformas de automação, as organizações podem: reduzir os esforços e os riscos de erros manuais, melhorar os controles internos e redirecionar o foco das tarefas para análises de eventuais erros.

RISCOS COM EXCEL

✔ Passível de erros de processamento

✔ Planilhas lentas

✔ Difícil de supervisionar tarefas

✔ Riscos de governança e conformidade

✔ Complexo para tarefas em equipe

GANHOS COM AUTOMAÇÃO

✔ Regras padronizadas e transparentes

✔ Garantia de qualidade de informações

✔ Processos automatizados e rápidos

✔ Gerenciamento integrado de tarefas

✔ Fácil e prático para grandes equipes

Por Jeremy Olshan, editor do MarketWatch

Traduzido por Dattos