Eufemismos Fiscais e o aumento do ICMS em São Paulo

0

Eufemismo é uma “expressão que atenua uma idéia desagradável, grosseira ou indecente” (Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, 2001).

E um bom exemplo em matéria fiscal é a “complementação de alíquota” do ICMS para alguns setores da economia, que vigorará a partir do dia 15 de janeiro do próximo ano, em razão do Decreto Estadual nº 65.253/2020.

Referido decreto dispõe que (a) a alíquota interna do ICMS de 7% aplicável na venda de preservativos, certos tipos de ovos e suas embalagens “fica sujeita a uma complementação de 2,4% (…)” (ou seja, passa de 7% a 9,4%) e (b) a alíquota interna de 12% aplicável na venda de diversos produtos (por exemplo, pedra/areia, ferro/aço, maquinas industriais e agrícolas, veículos, etanol e diesel combustíveis, refeição, medicamentos genéricos, móveis e colchões, dentre outros) “fica sujeita a um complemento de 1,3% (…)”(passando de 12% a 13,3%).

Vejam bem, o eufemismo “complementação” de alíquota, neste caso, acoberta duas variantes: evitar o politicamente desagradável termo “aumento da tributação”; esconder a face juridicamente “indecente” de se promover o aumento por meio de mero decreto estadual e, portanto, sem lei.

Quando a Constituição Federal de 1988 (CF/88) impõe a regra de que aumento de tributo já existente se dê por lei, o que se quer é que a majoração da carga tributária do ICMS seja discutida pela Assembleia Legislativa, sob uma perspectiva plural (vários partidos e visões de mundo), até se chegar – ou não – ao consenso da maioria sobre a pertinência de se aumentar um tributo.

É isto que dá legitimidade – jurídica e política – à norma que obrigará pessoas e empresas a pagar mais tributos, o que é muito (mas muito) diferente desta mesma obrigação provir da vontade e canetada unilateral do chefe do Poder Executivo.

Eis a beleza da regra constitucional de limitação do poder de tributar inerente ao Estado Brasileiro.

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Real, dinheiro, moeda / Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Nem se diga que o artigo 22 da Lei Estadual nº 17293/20 dá suporte legal para o decreto estadual “complementar” alíquotas de ICMS, pois nele se encontra outro eufemismo, desta vez mais maquiavélico, de que a “para efeitos deste lei, equipara-se a benefício fiscal a alíquota fixada em patamar inferior a 18%”.

Ora, as alíquotas internas de ICMS são fixadas em lei e não há qualquer hierarquia entre elas. Desta forma, alíquota inferior a 18% não é “benefício fiscal”: é (e sempre foi) simplesmente a alíquota incidente na venda dos produtos previstos na lei!

E, se assim é, apenas outra lei, com o crivo parlamentar, poderá majorá-las, nos termos do artigo 150, I da CF/88 e da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por: Fabio Cunha Dower, Advogado e Consultor Tributário da Miguel Silva & Yamashita Advogados