Luiz Carlos Hauly, economista e professor, ex-deputado voltado a matérias de ordem tributária, comenta em live da ROIT Consultoria e Contabilidade projeto de criação da Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS).

Ex-deputado federal por sete legislaturas consecutivas (1991 a 2019), em mandatos dedicados especialmente a matérias de ordem tributária, o economista e professor Luiz Carlos Hauly vê como insuficiente o projeto de reforma apresentado até aqui pelo Governo Federal.

Hauly considera importante a substituição do PIS e Cofins por uma contribuição única, a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS).

No entanto, ele discorda da forma fatiada com que o processo vem sendo conduzido.

Hauly conversou sobre o tema em live promovida pela ROIT Consultoria e Contabilidade.

Accountech com sede em Curitiba, a empresa é especializada no atendimento a empresas optantes pelo Lucro Real, regime tributário que, com a reforma, deverá ser o preferencial para boa parte das organizações.

A conversa foi conduzida pelo sócio-diretor da ROIT, Lucas Ribeiro.

Hauly é autor de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que está em tramitação em uma Comissão Mista do Senado e Câmara dos Deputados, a PEC 110/2019.

Até o envio, em julho, pelo governo federal à Câmara dos Deputados, do projeto de lei que substitui o PIS e o Cofins pela Contribuição sobre Bens e Serviços, a PEC 110/2019 era a principal proposta de reforma tributária em discussão.

Com o projeto de lei do Executivo (PL 3887/2020), a medida do governo passou a ser o foco dos debates.

Enquanto a PEC 110/2019 apresenta profundas modificações no sistema tributário brasileiro, o projeto de lei do governo trata, pontualmente, da criação da CBS, para substituir o PIS/Cofins.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem afirmado que outras modificações serão propostas em projetos futuros.

É o que o economista e professor Hauly classifica como fatiamento da reforma, estratégia adotada pelos governos desde a Constituição de 1988 e que, na concepção dele, em regra não foi bem sucedida.

“Nos últimos 30 anos, foram 17 ‘reformas fatiadas’.

A carga tributária aumentou de 22% para 34%, 35% [sobre o Produto Interno Bruto] no período.

E o sistema tributário continua sendo o maior empecilho ao desenvolvimento brasileiro”, sublinha Hauly, avaliando que apenas duas propostas, nessas três décadas, foram exitosas: a criação do regime Super Simples (2007) e a desoneração de ICMS para exportação de commodities (1996).

piramide
Reforma Tributária

Tributar a renda

O especialista defende uma reforma que promova de fato maior tributação de renda, e menor tributação do consumo, colocando o sistema tributário brasileiro em similaridade com o dos países que compõem a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Hauly compara a proporção da carga tributária sobre o consumo no Brasil e a dos Estados Unidos para ilustrar como o modelo brasileiro atual está distante desse ideal.

“Nos Estados Unidos, 34% dos tributos incidem sobre a renda, e 32% sobre o consumo.

No Brasil, 50% da carga tributária está sobre o consumo, enquanto 21% sobre a renda.

O ideal é que fosse pelo menos 35% a 35%”, exemplifica o ex-parlamentar.

Hauly observa ainda os encargos sobre a folha de pagamento como também entraves ao desenvolvimento econômico, problema que uma proposta de reforma tributária precisa atacar.

“Assunto da década”

Para o economista, a reforma tributária deve ser encarado como o “assunto mais importante da década” no Brasil, “um assunto que o Brasil precisa enfrentar.

Hauly compara a evolução do crescimento econômico nas últimas décadas com períodos anteriores a 1980, e aponta a elevação da carga tributária como decisiva para a degradação verificada.

“Até os anos 80, a média de crescimento econômico do Brasil era de 6,3% ao ano.

Depois dos anos 80, baixou para 2,2% ao ano.

Se pegarmos só os últimos dez anos, é uma média de apenas 1% ao ano.

Nos últimos cinco anos, ainda pior: -0,5%.

A reforma tributária deve ser a ‘mãe e o pai’ de todas as reformas”, declara.

O sistema tributário, explica Hauly, é responsável pela formação de preços no mercado, pelo impacto nos salários, no poder de compra das famílias e na geração de empregos.

Uma reforma promovia mudanças nesse cenário, estabelecendo, conforme as palavras do ex-deputado, “um circulo vicioso, para que o Brasil volte a crescer”.

MAIS INFORMAÇÕES

• A live completa pode ser conferida neste link:

DICA EXTRA JORNAL CONTÁBIL: Imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

O nosso parceiro Viver de Contabilidade criou um programa completo que ensina tudo que um contador precisa saber no dia a dia, Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa da Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por ROIT Consultoria e Contabilidade