Festival religioso “Lag BaOmer” em Israel termina em desastre com a morte de 44 pessoas

Uma enorme confusão no denso e lotado local de peregrinação judaica na noite de quinta-feira feriu mais de 150 pessoas.

0

A confusão em Lag BaOmer deixou os observadores religiosos temerosos por suas vidas e preocupados com a possibilidade de morrerem, disseram testemunhas e participantes no local do festival religioso.

Um homem conhecido apenas como Dvir disse à Rádio do Exército de Israel “Achei que fosse morrer” quando foi pego pela multidão no festival judaico superlotado no norte de Israel, que tirou a vida de 44 pessoas.

“Muitas pessoas foram empurradas para o mesmo canto e um vórtice foi criado”, disse Dvir, à Rádio do Exército de Israel. Ele descreveu uma visão aterrorizante quando a primeira fila de pessoas caiu.

Ele disse que estava na próxima fila de pessoas que tropeçaram.

Uma enorme confusão no denso e lotado local de peregrinação judaica na noite de quinta-feira feriu mais de 150 pessoas no evento perto do Monte Meron pela manhã, com equipes de resgate enfrentando multidões caóticas enquanto tentavam evacuar os feridos.

A confusão foi causada depois que alguns foliões escorregaram nos degraus, relatou o Haaretz, fazendo com que dezenas de outras pessoas caíssem, de acordo com fontes policiais.

“Éramos 20 amigos da Yeshivá. Estávamos perto do túmulo do Rabino Shimon Bar Yochai e, de repente, um pai começou a gritar que seu filho estava preso”, disse ao Haaretz um homem conhecido como Arik, que estava no Monte Meron na momento.

“As pessoas gritavam: ‘Não consigo respirar, não consigo respirar’. Este menino começou a gritar: ‘Pai, não consigo respirar’”, disse ele.

“Uma pessoa vomitou em mim e estava sufocando. Uma pessoa estava deitada na minha perna e gritei para ele se mexer, mas estava totalmente inconsciente.”

Testemunhas disseram que as garrafas de água foram jogadas na multidão durante os esforços para tirar as pessoas de lá.

Um oficial de emergência que atendeu aos feridos no local disse que a situação estava “caótica”.

“Há mais de 30 crianças aqui agora… Cujas mães e pais não estão atendendo ao telefone”, disse ele ao The Times of Israel.

Outras seis pessoas estavam em estado crítico e 18 em estado grave, de acordo com o serviço nacional de ambulâncias, Magen David Adom.

É um dos desastres civis mais fatais do país em tempos de paz.

Dezenas de milhares se reuniram perto da tumba de renome do Rabino Shimon Bar Yochai, um sábio talmúdico do segundo século, onde principalmente judeus ultraortodoxos se reúnem para marcar o feriado de Lag BaOmer.

O festival foi o maior encontro público durante a pandemia do coronavírus e 5.000 policiais foram colocados para garantir o evento.

Israel suspendeu a maioria das restrições à pandemia Covid-19 devido à sua rápida campanha de vacinação, e o festival foi realizado legalmente.

Na noite de quinta a sexta-feira, a cobertura de telefone celular ao redor do Monte Meron caiu por horas e as linhas diretas de emergência ficaram sobrecarregadas com ligações.

Na esmagadora cidade ultraortodoxa de Bnei Brak, perto de Tel Aviv, as autoridades estavam trabalhando com profissionais de saúde para conectar as famílias dos desaparecidos.

Uma emissora de TV publicou as fotos de sete meninos e adolescentes e pediu ajuda para localizá-los.

Em uma corrida contra o tempo, os funerais deveriam ser realizados antes do pôr-do-sol da sexta-feira, o início do sábado judaico, quando os enterros não acontecem.

Zaki Heller, porta-voz do serviço de resgate Magen David Adom, disse à Rádio do Exército de Israel que “ninguém jamais sonhou” que algo assim pudesse acontecer.

“Em um momento, passamos de um evento feliz para uma imensa tragédia”, disse ele.

O Ministério da Justiça disse na manhã de sexta-feira que o departamento de investigações internas da polícia estava iniciando uma investigação sobre uma possível conduta criminosa cometida por policiais.

O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, chamou a confusão de “grande tragédia” e disse que todos estavam orando pelas vítimas.

Conteúdo traduzido da fonte iNews por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil