O Governo conseguiu uma vitória, um acordo para que a medida provisória 946, que se refere aos saques do Fundo de Garantia do tempo de Serviço (FGTS), fosse retirada da pauta da Câmara nesta terça-feira, 4 de agosto e, perdesse a sua validade (o prazo termina nesta quarta-feira, 5 de agosto).

Foram 294 votos a favor da retirada de pauta e 148 contra. A estratégia do governo foi antecipada nesta segunda-feira, 3, pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

A derrubada da MP teve amplo apoio dos partidos do Centrão, mas também de legendas como DEM, MDB e PSDB. A oposição foi contra a derrubada da medida.

Rodrigo Maia, presidenta da Câmara dos Deputados, disse que há um acordo para que seja apresentado um projeto de lei:

Maia

“Conversei com Vitor Hugo e temos dois caminhos, primeiro um decreto legislativo regulamentando os efeitos da MP até o dia de hoje, garantindo o saque daqueles que tem benefício e direito e depois a possibilidade de um projeto de lei, naquilo que tem acordo para que possamos votar o mais breve possível”.

“Votamos a urgência amanhã e vota o projeto na próxima quarta-feira, 12, organizando os efeitos da medida provisória”, finalizou Maia.

Major Vitor Hugo (PSL – GO), líder do governo na Câmara, não escondeu a alegria e comemorou a derrubada:

“Vamos ter chance de debater a garantia do saque para todos os que precisarem em um projeto de lei a parte”, disse.