FGTS pode render quase o dobro da poupança com a queda dos juros

0

O Copom (Comitê de Politica Monetária) do Banco Central cortou na quarta-feira 17 de junho, a taxa básica de juros (Selic) em 0,75 ponto percentual, de 3% para 2,5% ao ano.

Com a baixa do juros, a poupança irá render menos (graças a uma regra criada em 2012). Quando a Selic está acima de 8,5% ao ano, a rentabilidade da poupança é de 6,17% ao ano (0,5% ao mês) mais TR (Taxa Referencial), mas, quando a Selic é igual ou menor que 8,5%, a poupança passa render 70% da Selic + TR (fonte UOL).

Sendo assim, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) poderá render o dobro da poupança.

Com a liberação do Saque emergencial do FGTS, muitas pessoas não sabem se vale a pena retirar o dinheiro agora.

Rendendo mais que a poupança

coronavoucher

Com a nova Selic em 2,5%, a mudança afetará algumas significativamente outros tipos de investimentos e também o FGTS.

No caso do FGTS, o dinheiro disponível nas contas vinculadas do Fundo terão quase o dobro de rendimento da poupança e até mesmo de outras aplicações em renda fixa. Isso porque o FGTS tem rendimento anual de 3%.

O que aumenta o rendimento do FGTS em comparação à poupança é a distribuição de lucros do Fundo todos os anos aos cotistas. Entretanto, por causa da crise criada em 2020 pelo coronavírus, não se sabe ao certo se haverá o repasse, a confirmação deverá acontecer em julho ou agosto.

Rendimentos do FGTS nos últimos anos

Levando em conta os dados dos últimos três anos, a rentabilidade do FGTS foi:
7,14% a.a em 2017;
5,59% a.a em 2018;
6,18 a.a em 2019.

Será vantajoso sacar o FGTS neste momento?

Tudo vai depender do momento econômico do beneficiário. Se for para ter uma renda, o saque será uma ótima alternativa.

Agora, se o desejo é sacar o FGTS para investir em aplicações de renda fixa, o melhor é deixar o valor sem movimentações, visto que o Fundo renderá mais que outros tipos de investimentos.