Financiamento imobiliário: o que acontece se o pagamento for atrasado?

Para ajudar os compradores de imóveis inadimplentes, a CrediHome traz o passo a passo para ajudá-los a sair dessa situação e evitar prejuízos

O financiamento é um ótimo aliado para quem não dispõe de uma grande quantia de dinheiro para alcançar determinados objetivos. Geralmente ele é usado na compra de um imóvel ou no investimento de um negócio. Mas algumas dúvidas surgem quando se trata do pagamento das parcelas mensais. Nesse contexto, a CrediHome, plataforma de crédito imobiliário, lista algumas dúvidas em relação ao que acontece se o contratante atrasar ou deixar de pagar o financiamento. 

Antes de tudo, vale salientar que o financiamento funciona de forma semelhante a um empréstimo. Porém, é preciso informar ao banco o destino do dinheiro para que o crédito seja aprovado. Dessa forma, não é possível pedir financiamento para, por exemplo, comprar roupas ou fazer uma viagem. Geralmente, os financiamentos envolvem um capital alto e são direcionados para a compra de imóveis, carros ou a abertura de uma empresa.

Na compra de um imóvel com financiamento, é possível desfrutar desse bem mesmo antes de pagar as parcelas, o que se torna um grande benefício. Além disso, o proprietário pode até vendê-lo mesmo antes de pagar todas as parcelas, negociando a dívida restante com o próximo comprador.

A seguir, confira os principais questionamentos em relação ao atraso de parcelas no financiamento, selecionadas pela CrediHome:

Como funciona o limite de inadimplência?

Uma das grandes dúvidas sobre o financiamento é o que acontece quando ocorre atraso na parcela e como funciona o limite de inadimplência. O máximo de atraso que pode acontecer representa o não pagamento de três parcelas. A partir disso, o proprietário deve receber uma notificação extrajudicial para quitar toda a dívida ou fazer uma negociação com o seu banco em até 15 dias.

Depois disso, se ele não tomar alguma atitude para solucionar a situação, o banco tem o direito de ser o dono da propriedade, podendo leiloá-la para quitar a dívida. Em resumo, é preciso levar muito a sério o pagamento mensal das parcelas do financiamento, já que o risco de se perder o imóvel em caso de inadimplência é muito grande.

É possível perder o imóvel em caso de atraso?

Como dito acima, é possível perder o imóvel se houver persistência de atraso acima de três parcelas. No caso de dificuldades financeiras, é recomendado entrar em contato com o banco para avaliar as opções disponíveis para solucionar a situação.

O proprietário também pode recorrer à Justiça, caso se sinta lesado ou acredite que o banco tenha agido de má-fé. Mas é preciso ficar atento de que o principal documento é o contrato assinado por ambos e que a falta de pagamento é de responsabilidade do comprador. Em um cenário de atraso nas parcelas, existem algumas opções de ação para evitar a perda do imóvel.

Tente renegociar o pagamento

Primeiramente, é preciso tentar renegociar a dívida é uma opção é solicitar um prazo maior ou taxas de juros mais baixas. Os bancos preferem um pagamento com atraso do que a inadimplência. Por isso, o proprietário precisa fazer um planejamento financeiro e negociar os prazos, conforme a sua situação econômica, para evitar novamente o atraso nas parcelas.

Organize as finanças

Antes de tudo, faça uma reorganização das finanças. A parcela do financiamento deve ser uma das suas prioridades mensais, assim como as contas de luz e água . Ou seja, é preciso ficar atento aos gastos desnecessários, como  compras supérfluas, viagens e passeios, enquanto as parcelas estão em atraso. 

Hoje em dia, existem aplicativos que ajudam a controlar os gastos por meio de um planejamento financeiro pessoal estruturado. É possível traçar metas e até receber notificações quando um gasto ultrapassar o limite mensal definido.

Portabilidade de dívida

Outra possibilidade é verificar a portabilidade da dívida. Isso é vantajoso quando outra instituição financeira oferece condições melhores do que as impostas pelo banco em que foi celebrado o financiamento. Então, neste caso, é possível migrar esta dívida para obter uma condição de pagamento melhor. No entanto, é preciso lembrar de que isso terá custos extras, como as despesas com o cartório para formalização do negócio. Além disso, o novo banco escolhido fará uma avaliação do imóvel, e ela pode diferir da realizada anteriormente, alterando o valor do bem.

Uma grande vantagem é que no caso da portabilidade é que muitos bancos melhoram as condições de pagamento com maiores prazos ou menores taxas na tentativa de manter o cliente antigo. Assim, o comprador também pode observar se isso acontecerá para não precisar fazer todo o trâmite da portabilidade.

Busque outras formas de obter a quantia necessária

Além de todas as opções, o proprietário pode buscar outras formas de obter a quantia necessária para o pagamento das parcelas mensais. Ele pode procurar um empréstimo, por exemplo, se a taxa de juros dele for menor que a do financiamento. Algumas opções são o empréstimo com garantia de veículo ou o empréstimo pessoal.

Outra opção é buscar uma renda extra mensal para conseguir o capital necessário. Quando se fala em financiamento, é possível também usar o FGTS para quitar a dívida. Porém, deve verificar se o caso em questão se enquadra nas regras do programa.

A CrediHome é uma plataforma digital de crédito imobiliário que conecta o cliente interessado no financiamento imobiliário ou home equity a todos os bancos de maneira gratuita, online, prática e sem burocracia, provendo ainda uma assessoria completa desde a aprovação do crédito até a liberação do recurso.

Comentários estão fechados.