Financiar ou alugar? Queda nas taxas de investimento e alta nos alugueis tem impacto sobre a escolha

0

O déficit habitacional no Brasil segue atingindo recordes. Segundo um estudo conduzido pelo economista Robson Gonçalves, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), a pedido da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), o número de pessoas sem casa própria deve gerar uma demanda para mais 30,7 milhões de novos domicílios até 2030. 

Em meio ao desejo latente de um lar, uma dúvida é recorrente. O que vai mais a pena: financiar um imóvel ou alugar?

A resposta, por mais óbvia que pareça, depende do perfil, visto não existe uma única realidade ou um único caminho.

Porém, ao considerar o cenário atual, o especialista no setor imobiliário, Rafael Scodelario explica que financiar um imóvel pode ser uma saída mais segura. 

Com a pandemia, a taxa básica de juros, a famosa Selic, caiu para cerca de 2%, o que motivou uma movimentação de investimentos e principalmente uma maior competitividade por parte dos bancos que passaram a oferecer taxas mais atrativas.

“Esse estímulo é o que faz, atualmente, o financiamento se sobressair ao aluguel, visto que um dos principais argumentos para a opção por esse tipo de moradia é poder trabalhar em fundos para compras à vista. Porém, isso não é mais vantajoso”, explica. 

Outro ponto é que a inflação sobre os alugueis atingiu o maior IGP-M em 17 anos, representando uma alta de quase 21% em 12 meses.

Segundo o especialista, nenhuma aplicação atualmente se sobressai a vantagem de um patrimônio sólido, que com o tempo só tende a valorizar.

“Essa redução de juros torna o financiamento mais atrativo. A pessoa que possui, por exemplo, 100 mil em aplicações e com esse montante dá entrada em um financiamento tem um aproveitamento maior do dinheiro, já que ela pode reaver essa quantia ao vender ou alugar o imóvel por exemplo”.

Para o especialista, mesmo a pessoa que não deseja morar no imóvel tende a ganhar na escolha. “A vantagem de ter um patrimônio é a segurança e o fato de que é um dinheiro investido e não um sem retorno como o do aluguel.

A pessoa pode, por exemplo, financiar e alugar o local, de forma que o imóvel se pague e o fator solidez ainda é presente”, aponta.