Fluxo de caixa operacional: quais os componentes e como calcular

Se você quer saber quais elementos considerar no cálculo do fluxo de caixa operacional, siga a leitura até o final e descubra.

A análise do fluxo de caixa operacional faz parte do conjunto de estratégias gerenciais que todo gestor deve adotar.

Afinal, não há como administrar um negócio sem o registro detalhado das entradas e saídas do caixa em diferentes janelas de tempo.

Se você quer saber quais elementos considerar no cálculo do fluxo de caixa operacional, siga a leitura até o final e descubra.

Fluxo de caixa operacional: o que é?

Para facilitar a compreensão do que é fluxo de caixa operacional, primeiro vamos revisar o conceito de fluxo de caixa.

Em administração e finanças, fluxo de caixa é a movimentação de entradas e saídas de dinheiro de uma empresa em determinado período de tempo. 

As entradas podem ser provenientes das vendas de produtos e serviços, mas também de rendimentos de aplicações ou restituições tributárias, por exemplo. 

O mesmo raciocínio se aplica às saídas: incluem o pagamento de insumos, salários, conta de água e luz, juros de empréstimos, etc. 

Esclarecido o conceito geral, fica fácil entender que o fluxo de caixa operacional (FCO) é o registro das entradas e saídas de caixa provenientes apenas das operações da empresa.

  • Todo o dinheiro proveniente da comercialização dos produtos, mercadorias ou serviços conta como “entrada” no fluxo de caixa operacional
  • Todo o dinheiro usado para pagar fornecedores, mão de obra e outros custos relacionados à operação conta como “saída” do fluxo de caixa operacional.

As receitas e despesas financeiras (juros recebidos ou pagos), por exemplo, não entram na conta, bem como a depreciação, já que não alteram o caixa operacional.

Por que conhecer seu fluxo de caixa operacional?

resultado do fluxo de caixa operacional é a base para avaliar a rentabilidade bruta da empresa, ou seja, o quanto de caixa ela consegue gerar considerando apenas a operação.

Para entender melhor a importância do caixa operacional, é preciso diferenciar outros dois conceitos importantes: 

  • Regime de competência: registra todas as operações ocorridas na empresa, mesmo as que não foram pagas/recebidas
  • Regime de caixa: considera apenas os acontecimentos que, de fato, alteraram o caixa da empresa. 

Uma venda a prazo, por exemplo, entra no regime de competência, mas não no de caixa. 

Uma DRE (Demonstração de Resultado de Exercício) é elaborada pelo regime de competência, logo, o lucro contabilizado pode ou não ter caído efetivamente no caixa. 

O fluxo de caixa, por outro lado, considera os recursos que entraram/saíram de fato da empresa, por isso tem importância fundamental, principalmente para as decisões de curto prazo.

Componentes do fluxo de caixa operacional

Para descobrir os componentes do fluxo de caixa operacional, precisamos recorrer à Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC).

Uma DFC geralmente é dividida em três grandes áreas:

  1. Atividades operacionais
  2. Atividades de investimento
  3. Atividades financeiras.

Como estamos tratando apenas do fluxo de caixa operacional, nosso interesse se concentra nos componentes do primeiro item (Atividades operacionais), que podem ser resumidos em: 

  • (+) Receita com venda de produtos e serviços 
  • (-) Pagamento de fornecedores
  • (-) Outros custos e despesas relacionados à operação 
  • (=) Saldo operacional.

Com essa informação, você sabe o quanto sua empresa gerou de caixa apenas com as atividades operacionais. 

Como calcular o fluxo de caixa operacional

O cálculo do fluxo de caixa operacional pode ser feito por meio de planilhas ou sistemas automatizados, inclusive com relatórios em infográficos.

Há também algumas fórmulas de cálculo, como:

  • FCO = EBIT – IR + Depreciação

Ou:

  • FCO = Lucro Líquido + Juros + Depreciação. 

Vamos aplicar a segunda fórmula a um exemplo para simplificar o entendimento. 

Qual o fluxo de caixa operacional (FCO) de uma empresa que registrou em determinado período um lucro líquido de R$ 10 mil, pagou R$ 3 mil de impostos e contabilizou R$ 1,5 mil de depreciação?

Ao aplicar os valores à fórmula, teremos o seguinte resultado:

  • FCO = 10.000,00 + 3.000,00 + 1.500,00
  • FCO = R$ 14.500,00. 

Contabilidade completa e online com a Contabilix

Viu como o fluxo de caixa operacional ajuda você a administrar o seu negócio e tomar decisões muito mais assertivas?

Se você precisa de um pacote completo de serviços contábeis para crescer de maneira organizada e sustentável, a Contabilix pode te ajudar. 

Oferecemos diversas soluções, como cálculo e emissão de guias de impostos, entrega de obrigações acessórias, relatórios e demonstrativos, conciliação bancária e muito mais.

Pensando em trocar de contador?

Então, venha para a Contabilix e garanta o primeiro mês grátis!

Caso você ainda não tenha uma empresa registrada, cuidamos disso também.

Abrimos seu CNPJ gratuitamente, sem burocracia e sem a necessidade de você sair de casa.

Fonte: Contabilix

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Comentários estão fechados.