Futuro: Onde e como seu filho vai viver em 2029?

Proponho ao leitor um exercício simples e rápido: voltar no tempo, 10 anos atrás, para 2009, e lembrar o que era o mundo e o Brasil há uma década. Em 2009, o brasileiro mais rico era Eike Batista, o juiz mais famoso era Joaquim Barbosa, o ex-presidente Lula tinha 70% de aprovação, o Orkut era a nossa principal rede social e o Facebook era apenas uma aposta entre os brasileiros, o Uber não tinha estreado como aplicativo no mundo e o Brasil bateu recorde de carros vendidos naquele ano, mais de 3 milhões de unidades.

Só de olhar as referências do passado fica evidente o quanto mudamos e a velocidade que transformamos nossos hábitos e valores. Eike Batista não desfila mais na lista dos mais ricos, Sérgio Moro tomou o posto de juiz mais popular do país, o ex-presidente Lula foi condenado e preso, o Orkut fechou as portas e abriu espaço para o Facebook se tornar a maior rede social do país, o Uber mudou a relação do brasileiro com a mobilidade, e o carro, que era símbolo de status, se tornou símbolo de desperdício.

Acompanho de perto como todas essas transformações também mudaram nossa maneira de morar. Nesses 10 anos, mudamos a nossa relação com o espaço físico e adotamos o lema da escola Bauhaus: menos é mais. Menos trânsito é mais qualidade de vida; menos espaço é mais organização; menos burocracia é mais tempo livre. É por isso que os apartamentos compactos já representam mais da metade dos lançamentos em São Paulo e essa tendência é irreversível. Estamos trocando metro quadrado por qualidade de vida ao quadrado.

Os números não mentem. Dados do Departamento Nacional de Trânsito mostram que, de 2014 a 2017, a emissão da Carteira Nacional de Habilitação para jovens de 18 a 21 anos caiu 20,61%. Essa é uma tendência e ela é fundamental para entender como os jovens da Geração Z vão morar daqui a 10 anos. O roteiro está traçado, e as transformações para o mercado imobiliário são disruptivas.

Em uma década o carro deixou de ser um ativo. Nos próximos 10 anos, nossa aposta é que o imóvel também vai deixar de ser uma poupança para os jovens brasileiros. A ideia do apartamento como reserva de valor está com os dias contados. A economia compartilhada oferece a essa geração uma série de oportunidades para que ela redirecione os seus investimentos futuros.

Não há na cabeça de quem nasceu na década de 1990 para cá a necessidade de ter a segurança ilusória de uma escritura como garantia de estabilidade na vida. Pelo contrário: o jovem quer empreender e arriscar, quer ser livre e independente. A Geração Z respira e vive os veículos autônomos, as casas automatizadas, a inteligência artificial e o compartilhamento.

A economia compartilhada veio para quebrar inúmeros paradigmas. Primeiro foram os automóveis; vieram os bancos digitais; empresas de logística; até vestuário está virando compartilhado. A moradia não foge à regra e talvez seja o exemplo mais bem acabado dos impactos desta revolução. Compartilhamos quartos, cômodos, casas e camas com desconhecidos. A disrupção forçou as redes hoteleiras a se reinventarem. O sonho não é mais da casa própria. O sonho é da independência financeira e da liberdade de transitar, viver e ser feliz.

A Geração Z é mais cautelosa e frugal. Não gasta sem necessidade e não acumula posses. Discos, livros, quadros e documentos estão nas nuvens. Um apartamento pequeno e confortável, com espaço para os gadgets tecnológicos e meia dúzia de peças de roupas é mais prático e confortável do que as enormes e disfuncionais casas de seus pais. Os jovens preferem morar perto e sem carro e buscar independência financeira a ter um carro poluidor e um imóvel próprio financiado.

Pesquisa do instituto Alexandria.ai, encomendada pela Vitacon, mostra que 62,8% das pessoas entre 18 e 44 anos concordam com a frase “o verdadeiro privilégio é ter tempo e não precisar ter carro”. Mais: 40,9% deles rejeitariam uma oferta de trabalho se tivesse que usar o carro todos os dias. Para 38,3% dos entrevistados, ter carro atrapalha mais do que facilita a vida. E 44,4% concordam que o “sonho é não precisar usar o carro no dia a dia”.

No começo deste artigo pedi ao leitor para voltar a 2009 e ver como mudamos em 10 anos. Agora, vamos voltar a 1565, data da fundação do primeiro cartório do Brasil. Arrisco em dizer que a Geração Z vai enterrar de vez a burocracia e a cultura cartorial do país. Vamos viver com menos burocracia e espaços menores, mas viveremos com mais qualidade de vida e seremos uma sociedade mais rica e justa.