Hepatite aguda: quais sintomas os pais devem ficar atentos

Embora os vírus da hepatite A, B ou C sejam tipicamente associados à hepatite aguda, os casos recentes de hepatite aguda em crianças são incomuns, na medida em que os médicos não determinaram sua causa.

As autoridades de saúde em todo o mundo estão em alerta máximo desde o início de abril, pois crianças pequenas e saudáveis ​​​​de repente começaram a desenvolver casos de hepatite aguda sem causa conhecida.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), muitos casos em todo o mundo relataram sintomas gastrointestinais, incluindo dores de estômago, diarreia e vômitos. Ressalta-se que a febre não foi relatada como sintoma.

Muitos sintomas de hepatite podem ser confundidos com gripe estomacal, mas os pais devem estar atentos a “descoloração amarela da pele e descoloração amarela do branco dos olhos”, ambos sinais de icterícia.

A icterícia é uma indicação de que algo está errado com o fígado, e o médico deve ser procurado imediatamente.

Os médicos recomendam que os pais observem os sintomas que também incluem urina escura, perda de apetite e fezes claras.

“A maioria das crianças se recuperou espontaneamente, disse a Dra. Deirdre Kelly, professora de hepatologia pediátrica da Universidade de Birmingham”, uma importante universidade britânica 

QUAIS SÃO AS CAUSAS POTENCIAIS?

Embora os vírus da hepatite A, B ou C sejam tipicamente associados à hepatite aguda, os casos recentes de hepatite aguda em crianças são incomuns, na medida em que os médicos não determinaram sua causa.

As investigações atuais sugerem uma ligação a um adenovírus, de acordo com a OMS.

Os adenovírus são muito comuns e podem se espalhar de pessoa para pessoa, causando uma série de doenças, incluindo resfriados, conjuntivite e gastroenterite.

Quase metade dos casos de hepatite, incluindo os dos EUA, foram associados a um adenovírus, com exames laboratoriais indicando que algumas crianças foram infectadas com o tipo 41 associado a gastroenterite, causando diarreia e vômito. Pelo menos 19 casos também envolveram uma co-infecção por COVID-19.

A OMS descartou hipóteses relacionadas aos efeitos colaterais das vacinas COVID-19, pois a grande maioria das crianças afetadas não recebeu a vacinação COVID-19, disseram eles.

EXISTEM MEDIDAS PREVENTIVAS?

As medidas cautelares para prevenir casos são difíceis de prescrever porque a causa é desconhecida. Também permanece incerto por que alguns casos em todo o mundo levaram a transplantes de fígado e por que, em outros casos, as crianças se recuperaram rapidamente.

A OMS diz que as medidas comuns de prevenção para o adenovírus e outras infecções comuns envolvem a lavagem regular das mãos e a higiene respiratória.

Os pais preocupados com sintomas inconsistentes devem levar seus filhos para um exame de sangue imediatamente, diz a OMS.

Avaliação de risco da OMS

Existe um aumento inesperado e significativo de casos de hepatite aguda grave de origem desconhecida em crianças jovens, geralmente previamente saudáveis. Um aumento inesperado desses casos já foi relatado por vários outros países.

Embora o adenovírus seja atualmente uma hipótese como causa subjacente, ele não explica totalmente a gravidade do quadro clínico. A infecção com adenovírus tipo 41, o tipo de adenovírus implicado, não foi previamente associada a tal apresentação clínica. Os adenovírus são patógenos comuns que geralmente causam infecções autolimitadas.

 Eles se espalham de pessoa para pessoa e mais comumente causam doenças respiratórias, mas, dependendo do tipo, também podem causar outras doenças, como gastroenterite (inflamação do estômago ou intestinos), conjuntivite (olho rosa) e cistite (infecção da bexiga) . Existem mais de 50 tipos de adenovírus imunologicamente distintos que podem causar infecções em humanos.

O adenovírus tipo 41 geralmente se apresenta como diarreia, vômito e febre, muitas vezes acompanhados de sintomas respiratórios.

Fatores como aumento da suscetibilidade entre crianças pequenas após um nível mais baixo de circulação de adenovírus durante a pandemia de COVID-19, o potencial surgimento de um novo adenovírus, bem como a coinfecção por SARS-CoV-2, precisam ser mais investigados.

 As hipóteses relacionadas aos efeitos colaterais das vacinas COVID-19 não são suportadas atualmente, pois a grande maioria das crianças afetadas não recebeu a vacinação COVID-19. Outras explicações infecciosas e não infecciosas precisam ser excluídas para avaliar e gerenciar completamente o risco.

Matéria Produzida pela Redação do Jornal Contábil, com informações da OMS. (Pode haver novas atualizações constantes desta matéria)

Comentários estão fechados.