Com operação, o Bradesco encosta em seu maior concorrente, o Itaú, maior banco privado do país com ativos de R$ 1,20 trilhão.

De acordo com comunicado do Bradeso, com a aquisição, o banco assumirá todas as operações do HSBC no Brasil, incluindo varejo, seguros e administração de ativos, bem como todas as agências e clientes.

O HSBC manterá sua presença no Brasil para as grandes empresas.

O Bradesco informa que os clientes do HSBC continuarão a ser atendidos “da forma habitual” e, após a conclusão da operação, passarão a contar com todos os produtos, serviços e comodidades oferecidos pelo Bradesco.

“A aquisição proporcionará vários benefícios para os clientes de ambas as instituições, tais como o aumento da cobertura e da rede de atendimento em todo território nacional e acesso aos produtos distribuídos pelas duas instituições”, afirma comunicado do Bradesco.



A venda ao Bradesco de sua filial “constitui uma etapa importante na execução das medidas anunciadas aos acionistas em 9 de junho”, afirma o HSBC em um comunicado.

O presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, havia anunciado em 17 de junho que o banco faria uma oferta vinculante pela unidade brasileira do HSBC em julho. Segundo a Reuters, a disputa pelo HSBC no Brasil avançou rapidamente desde que os planos da instituição foram anunciados.

A operação ainda terá de ser aprovada pelos órgãos reguladores.

HSBC
O HSBC conta hoje com 5 milhões de correntistas e está instalado em 529 cidades. São 851 agências, 464 postos de atendimento, 669 postos de atendimento eletrônico, 1.809 ambientes de autoatendimento e 4.728 caixas eletrônicos.
No primeiro semestre, o HSBC registrou um lucro líquido de US$ 9,618 bilhões, 1,31% a menos que no mesmo período de 2014. No segundo trimestre, o lucro líquido caiu 3,8%, a US$ 4,359 bilhões.

A queda do lucro foi provocada principalmente pelos custos totais de operação, que no primeiro semestre aumentaram 5% na comparação com o mesmo período de 2014, a 19,187 bilhões de dólares.

O HSBC atribuiu o aumento aos “investimentos para o crescimento futuro” e aos gastos legais para enfrentar os litígios com as autoridades de regulação no Reino Unido e outros países.

Além disso, os impostos pagos pelo HSBC na Grã-Bretanha alcançaram US$ 2,9 bilhões, um aumento de 44% em ritmo anual. (Com Agência Reuters e G1)