IMAGEM: INTERNET

* Carlos Bertholdi

Embora tenha sido esperado com certo receio pela maioria das empresas,
2016 chegou trazendo com ele desafios que podem impulsionar mudanças
realmente positivas para os negócios. Sabemos que o atual cenário
econômico exige atenção e jogo de cintura para todo mundo. E por
isso, a fim de conter custos, muitas empresas colocaram um ponto final
no ano passado estabelecendo ações conservadoras, que trazem pouca –
ou nenhuma – inovação para os negócios. Acredito que esse é um
grande equívoco que pode, inclusive, refletir em perda de boas
oportunidades.



Vou explicar melhor. Indo na contramão da retenção econômica, o
mercado de tecnologia continua a todo vapor. As empresas perceberam que
a multicanalidade veio para ficar e vêm apostando em soluções que
permitem a criação de laços mais fortes com seus parceiros e
consumidores. Soma-se a isso o crescimento da necessidade de se
estabelecer pontes com públicos de interesse. Atribuir bons canais de
relacionamento se tornou um diferencial competitivo e que visivelmente
impacta os negócios. Ou seja, se pararmos para analisar, TI nunca foi
tão estratégica como agora. Portanto, vale a pena deixar de lado
investimentos de uma área que pode gerar melhores resultados?

Por isso penso que inovação é a palavra-chave para quem quer crescer
e se sobressair às intempéries do cenário econômico. Mesmo que a
adoção de novas soluções e estratégias envolvam um investimento
inicial, os benefícios que vêm a seguir compensam e tendem a trazer
grandes ganhos para a organização, melhorando a produtividade interna
– o que consequentemente reflete em diminuição de custos – e
oferecendo melhores serviços aos clientes e parceiros.



Por falar em aumento da produtividade, esse com certeza é um dos
tópicos mais abordados nos últimos meses pelas empresas. A adoção de
estratégias que possibilitam operações mais rápidas, com linguagem
prática e que não exigem a ampliação da força de trabalho para sua
manutenção impactam diretamente os resultados. Acredito que sempre
devemos considerar que o investimento que deixamos de fazer por querer
economizar pode ser o mesmo investimento realizado pela concorrência e
que resultará no seu destaque no mercado.

Em meio a tudo isso, a retenção de clientes também aparece como uma
importante meta para esse ano. Muitas verticais, como o varejo, mercado
de créditos, entre outros, encontram-se em retração. Como fazer
então para evitar que meus parceiros procurem fornecedores mais
baratos? Além de inovar nos serviços oferecidos, como citei, penso que
é fundamental apostar em estratégias que melhorem o relacionamento a
partir de métricas que mostrem o real valor do serviço prestado.

Por fim, vale ressaltar que tempos de crise também podem representar
uma oportunidade de crescimento. Tudo depende de como lidamos com as
oportunidades e expectativas do mercado. As empresas devem, mais do que
nunca, advogarem em prol de suas marcas. E a tecnologia com certeza é
um forte aliado nessa jornada, que impacta diretamente os resultados e a
percepção dos clientes. Então, pesquise e avalie qual é a melhor
estratégia para inovar, surpreender e gerar melhores resultados para os
negócios.

* CARLOS BERTHOLDI, PRESIDENTE DA AVAYA BRASIL


Comente

Comentários