Saiba como MEI e Autônomo devem declarar o Imposto de Renda

Empreender, no Brasil, não é tarefa para os fracos! A carga tributária brasileira está entre as mais altas do mundo, o que acaba desanimando muita gente que quer ter seu próprio negócio. Por isso, só cresce quem prefere abrir uma microempresa individual (MEI) ou atuar como autônomo. Daí, fica a dúvida: como fazer para declarar o imposto de renda?

Conforme será visto adiante, a declaração do imposto de renda para MEI e autônomo vai depender dos rendimentos percebidos e da fonte pagadora. Ainda, é interessante observar que declarar seus rendimentos não é sinônimo de impostos a pagar! Pelo contrário, pode significar facilidades para abrir financiamentos e conseguir empréstimos.

A seguir, veja todos os detalhes pertinentes à declaração de imposto de renda para MEI e autônomo, incluindo procedimentos a tomar no programa da Receita Federal.

O autônomo é obrigado a declarar imposto de renda?

Ao contrário de trabalhadores formais, para os quais é compulsória a declaração do imposto de renda, os autônomos não o são, a depender a situação. Apenas empreendedores com renda tributável superior a R$ 28.123,91 ou não tributáveis superior a R$ 40 mil. No entanto, mesmo empreendedores isentos devem ficar atentos ao Fisco.

Isso porque suas arrecadações também são fiscalizadas, pois a Receita precisa receber provas de que a renda do contribuinte é compatível com não-declaração que foi documentada. Logo, artistas, professores particulares, ambulantes, freelancers e artesãos devem declarar, formalmente, a renda auferida no intuito de evitar problemas futuros.

Muita gente foge da declaração do imposto de renda sob a justificativa de impostos a pagar. Ocorre que, ao preencher o formulário de maneira adequada, uma determinada instituição financeira terá maior facilidade para analisar a movimentação monetária do autônomo, facilitando uma concessão de crédito, por exemplo.

Como declarar o imposto de renda para autônomo?

A declaração dos rendimentos no programa do imposto de renda depende da forma como o trabalhador atua junto à fonte pagadora. Se o autônomo é um prestador de serviços para pessoa jurídica, o procedimento é o mesmo do seguido por assalariados. O declarante pede o informe de rendimentos a cada empresa para a qual prestou serviços.

A partir do documento, o contribuinte insere seus rendimentos, detalhando os dados da fonte pagadora (nome e CNPJ), além do imposto de renda retido na fonte e o INSS recolhido. É importante frisar que a PJ deve recolher o IR na fonte, quando falamos do serviço prestado, usando a tabela progressiva de tributação como base.

Quando o autônomo recebe os rendimentos de pessoa física, os valores são declarados na ficha de Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoa Física/Exterior. É o que ocorre com médicos, psicólogos e alguns freelancers. Aí, é o autônomo quem recolhe o IR mensalmente, através do carnê-leão, que calcula o imposto e emite a GRU de pagamento.

O DARF, como é chamada a guia de recolhimento, leva o código 190, lembrando que o IR deve ser pago até o último dia útil do mês seguinte ao pagamento recebido. Ao preencher os dados no programa de declaração, os valores são importados do carnê-leão. Porém, se o prazo para pagamento do DARF não é respeitado, outro procedimento é tomado.

O contribuinte acessa o Sicalc, programa criado pela Receita para pagamento de DARF. Através dele, o contribuinte vai emitir outra guia para o DARF, incluindo juros e multa calculados sobre o valor do imposto devido. É bom lembrar, ainda, que profissionais como médicos e advogados devem informar o CPF dos clientes ao realizar a declaração.

Dedução para autônomos

Os profissionais autônomos, ao emitir seus recibos, pode deduzir as despesas tidas como imprescindíveis para que o trabalho seja realizado. Nesse “bolo”, entram gastos com aluguel, luz, água, material de escritório, entre outros. Para facilitar, pode ser aberto um livro-caixa que registre todas as despesas.

Nele, também entram gastos com limpeza e benfeitorias do imóvel, pelas quais o locatário não recebe reembolso por parte do proprietário. Investimentos em palestras, seminários, publicações, marketing e tudo aquilo que configure especialização e atualização também podem ser abatidos, desde que essenciais para geração de receita e serviços.

E se o autônomo não declarar o imposto de renda?

Sendo bem realistas, o número de autônomos e profissionais liberais que preferem omitir seus rendimentos e não declarar o imposto de renda é grande! No entanto, em vez de uma vantagem, como muita gente pensa, isso acaba prejudicando seriamente o profissional. Quer ver por que?

Recentemente, a Receita passou a cobrar pagamento em atraso referente à contribuição dos autônomos e profissionais liberais. Isso inclui quem declarou rendimentos recebidos de pessoas físicas, mas não recolheram a contribuição previdenciária. Na verdade, isso configura sonegação destes impostos.

A multa variou entre R$ 165,74 (para quem tinha os outros impostos em dia) até o cálculo de 1% de juros, ao mês, sobre o valor do imposto pendente, o que chegou ao máximo de 20%. Também estão previstas penalidades criminais e administrativas, cuja gravidade é proporcional ao delito.

O MEI é obrigado a declarar imposto de renda?

Sim, qualquer Pessoa Jurídica deve declarar o imposto de renda, uma vez que trata-se de uma obrigação, mesmo para entidades com fins não lucrativos. Sem sua emissão, o microempreendedor individual perde benefícios, tais como pedidos de financiamento, solicitação de crédito e o próprio cadastro.

É importante esclarecer que o MEI é obrigado a pagar um valor fixo mensal que inclui ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) ou ISS (Imposto sobre Serviços) e a contribuição à Previdência. Também deve fazer uma declaração anual, chamada Declaração Anual do Simples Nacional do MEI (DASN-SIMEI), com entrega até 31 de maio.

Nela, informa quanto o MEI faturou no ano anterior. Ainda, se o microempreendedor, como pessoa física, se enquadrar em uma das condições de obrigatoriedade para entrega da declaração, deve prestar contas ao Fisco e incluir os rendimentos como MEI em sua declaração anual.

Como declarar o imposto de renda para MEI?

Na hora de preencher os dados no programa, são tantas opções que o microempreendedor pode ficar confuso. No formulário, por exemplo, existem as fichas para rendimentos isentos, tributáveis e não-tributáveis. Isentos e não-tributáveis incluem caderneta de poupança, indenizações recebidas de seguradoras e auxílio-desemprego.

Não há recolhimento sobre eles. Sobre todos os demais, o Imposto de Renda é recolhido diretamente na fonte, ou seja, a instituição faz o pagamento da quantia. Pagamentos a funcionários, aluguel ou arrendamento de imóvel, 13º salário, prêmios em concursos e gratificações fazem parte dos rendimentos tributados.

Facilitando o entendimento, tudo que aumenta a renda do contribuinte é tributado, visto que o imposto é cobrado sobre a arrecadação do trabalhador. Para calcular os rendimentos, basta somar os valores brutos e descontar as parcelas chamadas de indenizatórias (auxílios saúde, alimentação, etc). O resultado mostra a parcela do rendimento a ser tributada.

Existe, porém, fatores passíveis de dedução que dão uma modificada na equação acima. São elas dependentes, pensões alimentícias, previdência social, FAPI, previdência privada e outras alternativas de pensão para declarantes com idade superior a 65 anos. Daí, é necessário fazer as deduções sobre o rendimento tributável.

E quanto aos rendimentos não-tributáveis? Mesmo que eles não estejam sujeitos à cobrança de imposto, tais rendimentos precisam ser declarados. Para facilitar seu entendimento, considera-se como rendimento não-tributável tudo aquilo que não é originado de atividades comerciais.

Para calcular, basta fazer uma soma dos rendimentos não tributáveis e inseri-los no programa da Receita para a emissão da declaração de imposto de renda para MEI. Em suma, o MEI deve declarar seu imposto de renda, tanto pelo Simples Nacional quanto de pessoa física. O prazo para envio da Declaração Anual do Simples Nacional do MEI (DASN-SIMEI) tem prazo entre 02 de janeiro e 31 de maio para ser finalizada. Frisando, esta é documentação referente à pessoa jurídica.

Para emitir a declaração, que é gratuita, o MEI acessa o Portal do Simples Nacional informando os seguintes dados:

  • informação se há empregados contratados
  • valores obtidos por meio de venda ou revenda de produtos
  • faturamento do ano anterior

A partir daí, é só seguir o passo a passo adiante:

  • Acesse o site do Simples Nacional e clique na opção Cálculo e Declaração na aba referente ao Simei
  • Em seguida, clique no link DECLARAÇÃO ANUAL SIMPLIFICADA PARA O MEI, selecionando o ano referente à declaração (sempre anterior ao ano corrente).
  • Aí, você deve selecionar Original, se estiver iniciando a declaração, ou Retificadora, se realizar uma correção. Esta, inclusive, só deve ser acessada se for necessário alterar o valor informado.
  • Clique em continuar e vá inserindo os dados solicitados, como a Receita Bruta Total.

Ao contrário de PJ`s, o MEI não paga imposto mediante a declaração anual. Basta seguir com o limite de faturamento no valor de R$ 81 mil previstos no enquadramento. No entanto, se não apresentar dentro do prazo estipulado, está sujeito à cobrança de multa, além do impedimento de gerar a guia DAS, referente à contribuição mensal obrigatória do MEI.

Dúvidas frequentes sobre declaração para MEI e autônomo

  • Tenho carteira assinada e MEI, mas os rendimentos como MEI foram zerados, tendo apenas registro de compras no CNPJ com valor inferior a R$ 3 mil. Preciso declarar?

Se os rendimentos com carteira assinada forem superiores ao limite estabelecido na tabela do imposto de renda, deve declará-los normalmente como assalariado. Quanto ao MEI, se os rendimentos não forem superiores ao limite estabelecido, a apresentação de declaração é voluntária.

  • Há diferença entre MEI com e sem escrituração contábil?

Sim, o MEI sem escrituração contábil tem sua empresa sujeita à regra do lucro presumido. Como não há contabilidade na empresa, um cálculo é feito para estimar o seu lucro, baseado no faturamento e ramo de atividade. O lucro presumido é isento de tributação e deve ser declarado na ficha de rendimentos isentos e não tributáveis.

A diferença superior ao cálculo é sujeita à tributação, devendo ser incluída na ficha de rendimentos tributáveis recebidos de pessoa jurídica. Já o MEI com escrituração contábil não tem limite máximo para o lucro isento, então, todos os lucros podem ser lançados como rendimentos isentos e não tributáveis.

Dica: Atenção você contador ou estudante de contabilidade, conheça nosso treinamento voltado para contadores iniciantes, ensinando na prática procedimentos contábeis que todo contador precisa saber, mas que não se ensina na faculdade.

Tudo que você precisa saber para saber para abrir, alterar e encerrar empresas, além da parte fiscal de empresas do Simples Nacional, Lucro Presumido e MEIs, Contabilidade, Imposto de Renda. Quer saber mais? Então clique aqui e não perca esta oportunidade!

Fonte: Edital de Concursos Brasil