Todos os anos, uma boa parcela da população nacional precisa realizar sua declaração de . Metade dessa mesma parcela a faz com o auxílio de um contador, enquanto a outra encara o desafio por conta própria.

Fazer parte dessa última categoria não é tão difícil quanto parece, mas, por outro lado, a declaração feita desse modo deve ser realizada com cuidado. Caso contrário, é provável que o declarante caia na da .

Ficou nervoso? Calma! Estamos aqui para te ajudar e, para isso, preparamos cinco dicas para você realizar a sua declaração por conta própria, sem correr nenhum risco.

Além disso, trouxemos um breve passo a passo de como declarar seu , te lembrando dos principais pontos a serem preenchidos e do que você não pode deixar de fazer para declarar seu imposto de maneira eficiente. Acompanhe:

Como declarar sozinho?

Antes de qualquer coisa, é preciso corir se você precisa, realmente, declarar Imposto de Renda. Os balizadores, para quem deve ou não realizar a declaração, são os seguintes:

  • quem recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70;
  • contribuintes que receberam rendimentos isentos acima de R$ 40.000;
  • aqueles que tiveram, em qualquer mês do ano a ser declarado, um ganho de capital na venda de bens ou realizaram operações na Bolsa de Valores;
  • optou pela isenção de imposto na venda de um imóvel residencial para comprar outro dentro de 180 dias;
  • aqueles que, até o último dia do ano a ser declarado, tinham posses somando mais de R$ 300 mil;
  • pessoas que alcançaram receita bruta acima de R$ 142.798,50 em atividades ru;
  • todos aqueles que passaram a morar no Brasil em qualquer mês do ano a ser declarado.

    Você se encaixa em algum desses pontos? Se a resposta for sim, pegue uma caneta ou abra um bloco de notas, porque chegou o momento de anotar o que será preciso para declarar seu .

1.  Reunir documentos necessários

Nesse momento, você deve reunir nomes e CPF/CNPJ de dependentes e fontes pagadoras, assim como comprovantes anuais de rendimentos e comprovantes de gastos dedutíveis (educação e saúde, por exemplo).

Esses documentos, ainda, devem ser preparados com antecedência, pois, caso você tenha algum imprevisto, poderá solucioná-lo a tempo, combinado?

Ah, e lembre-se: também é importante que você guarde todos os comprovantes e recibos que comprove as movimentações realizadas referente ao ano a ser declarado.

2.  Baixar o gerador da

Há uma única forma de preencher a declaração do e essa forma é baixando o gerador da Receita Federal.

3.  Preencher os dados básicos

O próximo passo é preencher os dados básicos solicitados pelo gerador, como nome, CPF, número do título eleitoral e ocupação principal.

4.  Incluir dependentes e alimentandos

Além dos seus dados, caso você tenha dependentes e alimentandos, como cônjuge e filhos, é necessário preencher, também, os dados destes.

5.  Declarar rendimentos

Será necessário declarar todos os rendimentos recebidos no ano referente à declaração. É necessário ser cuidadoso nessa parte e declarar, verdadeiramente, todos os rendimentos.

Nesse momento, você poderá declarar tributáveis recebidos de pessoa jurídica, física/exterior, isentos e não tributáveis, além de recebidos acumuladamente.

6.  Declarar pagamentos

Além de declarar seus rendimentos, será necessário declarar os pagamentos que você efetuou no ano referente à declaração.

Este é o momento de declarar despesas dedutíveis e também não dedutíveis, pois, quanto mais informações o declarante fornecer, menos chances de cair na malha fina terá.

Além disso, também será necessário declarar, neste item, as despesas gastas com dependentes e alimentandos.

7.  Não esquecer de declarar bens, direitos, dívidas e bônus

Também será necessário preencher os campos: “bens e direitos” e “dívidas e ônus”, pois, mesmo que essas informações não influenciem no valor devido de Imposto de Renda, as mesmas deverão estar discriminadas no documento, evitando, portanto, pendências futuras com a .

8.  Finalizar e entregar a declaração

Quando estiver finalizando a declaração, não esqueça de checar as informações anexadas, assim como corir se há alguma pendência sendo sinalizada pelo próprio sistema. Após corir as informações, entregue a declaração.

Depois disso, caso haja imposto devido, será preciso imprimir o boleto referente ao imposto, disponível no próprio sistema, e pagá-lo em seu banco de preferência.

Agora vamos às dicas para quem vai declarar o sozinho:

1.  Informe-se sobre o assunto

Quando nos predispomos a fazer algo, devemos estar preparados. Não é diferente com a declaração do , por isso pesquise e se informe.

Tire suas principais dúvidas sobre o assunto, assista tutoriais feitos pela e leia blogs de especialistas no tema, como o da Leoa.

2.  Fique atento ao prazo de envio da declaração

Essa é, certamente, uma das dicas mais importantes, pois, caso você não entregue a sua declaração no prazo, poderá receber uma multa que será aplicada já no valor do imposto ou, ainda, descontado na sua restituição de IR. Por isso, fique de olho nas datas, combinado?

Além de tudo, fazer sua declaração de logo nos primeiros dias pode ser uma oportunidade, pois, dessa forma, é possível que você receba sua restituição, também, logo nos primeiros lotes de pagamento.

3.  Descomplique os termos

É natural que você tenha dificuldades em preencher sua declaração. No entanto, note que, muitas vezes isso acontece porque a linguagem utilizada pelo site não é muito clara e os termos, por essa razão, parecem ilegíveis.

Por isso, dedique uns minutinhos do seu tempo para descomplicar os termos. Uma dica simples, mas eficiente, é deixar uma aba de um dicionário online ou o site sinônimos aberto em seu computador ou smartphone, certo?

4.  Declare seu IR com atenção

Apenas fazendo sua declaração com tempo e atenção será possível fazê-la bem feita. Preste atenção a todos os detalhes e, se tiver alguma dúvida no meio do caminho, não continue de qualquer modo, pare e pesquise a respeito.

Aliás, é bom notar que você não precisa realizar sua declaração em um só momento, a ação poderá ser pausada e continuada depois. Portanto, fique tranquilo. Mas, lembre-se: cuidado com os prazos.

5.  Faça uso de aplicativos que facilitem o processo

Por último, saiba que existem plataformas e aplicativos disponíveis para te ajudar no processo, como é o caso da Leoa.

Por isso, respire fundo, pois tudo dará certo se você levar a declaração de a sério, como ela deve ser encarada.

Não pule nenhuma etapa e declare seu IR com tempo e atenção, não deixando nada para última hora e, é claro, caso algo não saia como o desejado, saiba que você tem a opção de contar com plataformas especializadas no assunto, disponíveis no mercado para facilitar todo o processo para você.

Ok, agora que você já sabe como declarar sozinho, siga atentamente as cinco dicas que preparamos, elas serão úteis para que a declaração seja tranquila e você não tenha que fazer retificação ou, ainda, corra o risco de cair na .

Dica Extra: Aprenda a fazer Declaração de Aprenda tudo de IR em apenas um final de semana.

Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber sobre IR.

No curso você encontra:

  • Conteúdo detalhado, organizado e sem complexidade.
  • Videoaulas simples e didáticas.
  • Passo a passo de cada procedimento na prática.

Tudo a sua disposição, quando e onde precisar

Não perca tempo, clique aqui e aprenda a fazer a declaração do .



Conteúdo original Leoa