Home Chamadas Imposto de Renda: Como declarar ações judiciais

Imposto de Renda: Como declarar ações judiciais

Como aposentado do INSS que ganhou processos contra Previdência deve preencher declaração do IR com valores recebidos por RPV ou precatório

820
Imposto de Renda

Não se Enrole como o Fisco

Aposentados e pensionistas do INSS que ganharam ações judiciais contra a Previdência ao longo do ano passado precisam acertar as contas com o Leão do Imposto de Renda em 2019. Os valores recebidos em processos de revisão e concessão de benefícios têm que ser informados à Receita Federal. Somente em 2018, 39,2 mil segurados embolsaram R$ 617 milhões por meio de Requisições de Pequeno Valor (RPVs), que são dívidas limitadas a 60 salários mínimos. Ações acima deste patamar são liberadas pela Justiça Federal em créditos chamados de precatórios.

Para evitar que o segurado do INSS se enrole com o Fisco, O DIA mostra como atrasados recebidos devem ser informados na declaração do Imposto de Renda. A temporada de prestação de contas começou no último dia 7 e termina em 30 de abril as 23h59.

Como o prazo deste ano é curto, o contribuinte deve manter atenção redobrada devido às alterações no preenchimento, como a obrigatoriedade de informar o CPF de dependentes de qualquer idade.

E fazer a declaração com as informações de RPVs/precatórios não é um bicho de sete cabeças: no campo fonte pagadora, deverá ser indicada a instituição financeira que pagou os valores, se na Caixa Econômica Federal ou no Banco do Brasil, com o respectivo CNPJ: da Caixa (00.360.305/0001-04) e BB (00.000.000/0001-91).

Para os contribuintes que já enviaram a declaração com CNPJs diferentes dos informados, é possível retificar mesmo após a data final. Os beneficiários que, no momento do saque, foram tributados na forma de Rendimentos Recebidos Acumuladamente (RRA) deverão declarar o valor recebido na ficha de mesmo nome.

Estão sujeitos à tributação na forma de RRA os beneficiários de precatórios e RPVs cujos créditos sejam referentes aos rendimentos do trabalho e os provenientes de aposentadoria, pensão, transferência para a reserva remunerada ou reforma de benefício pagos pela Previdência.

Na hipótese em que a retenção do IR não tenha se dado na forma do RRA, ocasionando retenção indevida ou maior, o beneficiário pode promover o ajuste específico na Declaração Anual, na forma disciplinada na Instrução Normativa 1.310, de 28/12/2012, da Receita Federal. A simulação para verificar se é vantajoso ou não esse ajuste poderá ser feita na própria declaração do IR.

A contadora e professora Paolla Hauser, do Centro Universitário Internacional Uninter, alerta sobre os recebimentos: Para declarar certinho tem que ter a sentença em mãos que constam os valores e número de meses a que se referem. Caso ainda não tenha recebido, pode colocar na ficha de bens e direitos com código de créditos a receber”.

Quem quiser esclarecer pontos específicos da declaração pode contar com o mutirão de dúvidas da Uninter dia 25 de abril, com transmissão ao vivo no Facebook: https://www.facebook.com/grupoeducacionaluninter/.

É preciso estar atento às alterações na declaração

É sempre bom ressaltar que são obrigados a declarar IR todos os contribuintes que tiveram rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70 ou ainda rendimentos não-tributáveis superiores a R$ 40 mil no ano passado. Quem obteve ganho de capital na alienação de bens ou direitos, ou ainda fez operações na bolsa de valores, também é obrigado a entregar a declaração.

Também ficou mais fácil doar parte do imposto devido ao Fundo da Criança e do Adolescente. A ficha de doação agora encontra-se em um local de evidência, no bloco chamado “Fichas da Declaração”. Até 2018, só era possível acessá-la no Resumo da Declaração.

A Ficha de Rendimentos Recebidos está mais clara para quem recebe pensão alimentícia e para quem tem dependentes. A coluna “Outros” passou a ser nomeada “Pensão Alimentícia e Outros”. Da mesma forma, a coluna “Dependentes” se chama “Quantidade de Dependentes”.

A última novidade é em relação à verificação das informações. “Depois de 24 horas da entrega, o contribuinte já poderá verificar se existe divergência entre o que está em sua declaração e o que foi declarado por outras pessoas. Com isso, pode retificar informações discrepantes”, afirma a professora Paolla Hauser.

Receita atualiza sistema de recebimento da Dirf

Desde a última terça-feira, dia 12, os contribuintes contam com uma atualização do programa de preenchimento da declaração do Imposto de Renda de 2019. A Receita informou que o contribuinte que já instalou o programa no computador não precisa baixá-lo novamente. A atualização é automática. Basta que o computador esteja conectado à internet.

Quem já enviou a declaração do IR 2019 para a Receita não tem com que se preocupar. Não há necessidade de enviar a declaração novamente devido à atualização. O prazo para entrega termina às 23h59 do dia 30 de abril.

E ficar ligado nessa data é imprescindível: quem não entregar no período terá de pagar multa de 1% sobre o imposto devido ao mês. O valor mínimo é de R$ 165,74 e o máximo é de 20% do imposto devido. A expectativa é que 30,5 milhões de contribuintes entreguem a declaração este ano.