Imposto de Renda: Descubra agora como fazer o cálculo do IRPF 2019

Você sabe como fazer o cálculo do Imposto de Renda em 2019? Realmente não é uma tarefa fácil, afinal, é necessário levar várias questões em consideração no momento de descobrir o valor exato a ser pago desse tributo.

Os descontos mensais do INSS, os ganhos mensais da pessoa e outros fatores influenciam na alíquota a ser paga. Por causa disso, muita gente tem dúvidas sobre o quanto deve pagar de IRPF neste ano.

Então, caso você também esteja com dúvidas em relação ao cálculo desse imposto, continue a leitura deste post. Aqui explicamos o impacto dos descontos do INSS na definição do valor a ser pago do IRPF, apresentamos a tabela de alíquota do tributo e explicamos como fazer a simulação.

Dessa forma você vai descobrir o quanto precisará desembolsar para ficar em dia com o Leão. Acompanhe!

Como são feitas as deduções no cálculo do Imposto de Renda?

Na maioria das vezes, o tributo é calculado já de acordo com uma base de cálculo que dificilmente corresponderá ao salário bruto do contribuinte. Além do desconto do INSS, há outras deduções que ajudam a reduzir a quantia a ser paga do tributo.

Quem investe em saúde e educação, por exemplo, reduz a base de cálculo do IRPF e consegue diminuir o valor do tributo a ser pago em 2019.

É importante destacar que os descontos podem variar de acordo com vários fatores. Entre eles estão os investimentos na Previdência Privada e o número de dependentes da família.

Na sequência do artigo, abordaremos como essas questões interferem no cálculo.

Impacto dos descontos mensais do INSS

Todos os trabalhadores que estão sobre o regime da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) são obrigados a contribuir com a Previdência Social. O valor da contribuição varia conforme a faixa salarial da pessoa, e isso influencia na maneira de calcular o tributo a ser pago.

A parcela a ser paga ao INSS é descontada na base do cálculo do Imposto de Renda (IR). O valor a ser deduzido para a previdência pública varia, por exemplo:

  • salário de até R$1.693,72, 8% de alíquota do INSS;
  • R$1.693,73 a R$2.822,90, 9% de alíquota;
  • mais de R$2.822,90, 11% de alíquota.

Para facilitar o entendimento, vamos a um exemplo. Supondo que uma pessoa tenha um salário bruto de R$ 3 mil, qual será o valor a ser pago do IRPF? Primeiramente, é necessário saber o valor de contribuição do INSS. Pela tabela, a alíquota é de 11%, ou seja, a dedução da previdência pública é de R$ 330.

Dessa maneira, a base de cálculo do IR será de R$ 2.670. De acordo com a tabela do tributo, a alíquota é de 7,5%. Nessa situação, o contribuinte pagará R$ 200,25 por mês, ou R$ 2.403 por ano.

Impacto da Previdência Privada no cálculo do Imposto de Renda

Quem investe no PGBL (Plano Gerador de Benefícios Livres) consegue abater até 12% da renda tributável. Caso tenha, por exemplo, ganhos anuais de R$ 40 mil e deseje aplicar R$ 4.800 (12% da renda) no plano, paga-se imposto apenas sobre R$ 35.220 (R$ 40 mil – R$ 4.800). Dessa maneira, a pessoa adia o pagamento do tributo.

Impacto do número de dependentes no cálculo do IRPF

A dedução por dependente no IR é retida na fonte sobre o valor de R$ 189,59 por indivíduo. Dessa maneira, quem tem dependentes acaba pagando menos imposto. Para efeito do IRPF, é considerado dependente:

  • companheiro(a) com quem a pessoa tenha filho ou viva há mais de 5 anos, ou cônjuge;
  • filho(a) ou enteado(a) de até 21 anos ou, em qualquer idade, quando for incapacitado para o trabalho, seja fisicamente ou mentalmente;
  • filho(a) ou enteado(a) de até 24 anos, caso esteja em uma escola técnica ou matriculado em uma instituição de ensino superior;
  • nenhum dos dependentes pode ser declarante do IRPF.

Qual é a tabela de alíquota do IRPF?

tabela do Imposto de Renda 2019 define os valores de pagamento do tributo por parte dos contribuintes. A quantia a ser paga varia conforme a renda de cada pessoa.

As alíquotas referem-se aos percentuais de imposto que incidirão sobre os ganhos do indivíduo. Elas são utilizadas pela Receita Federal com a intenção de definir o quanto cada contribuinte deverá pagar de IRPF.

Vale ressaltar que as alíquotas variam de forma progressiva e de acordo com a renda do trabalhador. Elas oscilam entre 0 e 27,5% dos rendimentos do contribuinte. A tabela é a seguinte:

Renda anualAlíquotaParcela a deduzir
Até R$ 22.847,76
De R$ 22.847,77 até R$ 33.919,807,5%R$ 1.713,58
De R$ 33.919,81 até R$ 45.012,6015%R$ 4.257,57
De R$ 45.012,61 até R$ 55.976,1622,5%R$ 7.633,51
Acima de R$ 55.976,1627,5%R$ 10.432,32

Como fazer a simulação do tributo a ser pago?

Primeiramente, você entrará na página da calculadora do Imposto de Renda, da Receita Federal. No item número 1 será preciso informar todos os rendimentos tributáveis que você teve no mês. Alguns exemplos são o salário e o recebimento de aluguel. Faça o cálculo dos seus ganhos mensais totais e informe o valor na página.

Após fazer esse procedimento, será necessário indicar o valor do INSS, o número de dependentes, os investimentos em previdência privada e outras informações que ajudarão você a pagar menos tributos. No fim dessa parte, aparecerá o valor total das deduções declaradas.

Depois disso, aparecerão algumas informações na página, como a base de cálculo, o demonstrativo de apuração do tributo e a alíquota efetiva de acordo com os dados inseridos. A partir daí será possível saber o quanto deverá ser pago na declaração do imposto em 2019.

Além disso, o valor a ser pago do IRPF varia de acordo com vários fatores, como os rendimentos mensais do indivíduo e as deduções que cada pessoa pode ter. Entre os principais fatores que podem gerar descontos estão as deduções do INSS, os investimentos em previdência privada e o número de dependentes.

Conteúdo original via IR sem Erro


Dica: Atenção você contador ou estudante de contabilidade, conheça nosso treinamento voltado para contadores iniciantes, ensinando na prática procedimentos contábeis que todo contador precisa saber, mas que não se ensina na faculdade.

Tudo que você precisa saber para saber para abrir, alterar e encerrar empresas, além da parte fiscal de empresas do Simples Nacional, Lucro Presumido e MEIs, Contabilidade, Imposto de Renda. Quer saber mais? Então clique aqui e não perca esta oportunidade!