INSS: Aumente sua aposentadoria em 25%. Veja quem tem direito

0

O INSS anunciou um aumento de 25% no valor de alguns benefícios, como na aposentadoria por invalidez, esta mudança é devida ao auxílio-acompanhante.

Este adicional foi criado com o objetivo de complementar a aposentadoria dos beneficiários que precisam de cuidados de terceiros, este aumento é um valor de 25% para cobrir o auxílio para atividade diárias. 

Todos os aposentados que recebem a aposentadoria por invalidez, devem ser inaptos para realizar atividades laborais, se o idoso tem a necessidade de ter um acompanhante, o responsável pela ajuda pode ser uma pessoa da família, não precisa ser alguém contratado (enfermeiro).

O que é aposentadoria por invalidez?

A aposentadoria por invalidez é um benefício concedido pelo INSS para os segurados que se encontram incapacitados de forma total e permanente de exercer suas atividades laborais. 

Como solicitar o aumento de 25%?

INSS

Para as pessoas que já são aposentadas por invalidez e não recebem este auxílio, o mesmo pode ser solicitado pelo aplicativo Meu INSS ou pelo telefone 135.

OBS: A maioria dos benefícios já é concedido junto ao processo de aposentadoria. 

Quais as documentações necessárias?

  • RG ( do solicitante e do representante, ou procurador);
  • CPF;
  • Termo de representação legal ou procuração; 
  • Documentos médicos ( que comprovem a dependência de terceiro);

Dica Extra do Jornal Contábil: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social. 

Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana? Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática

Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. 

Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.

Por Laís Oliveira