O governo acabou com a exclusividade da Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil no pagamento do seguro-desemprego e abono salarial.

A ideia é leiloar o serviço para bancos privados, assim como é feito com a folha de pagamento do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Além de levantar recursos, a equipe econômica quer economizar algo em torno de R$ 160 milhões por ano.

A abertura do pagamento de abono salarial e seguro-desemprego para instituições financeiras privadas está prevista a medida provisória nº 905, divulgada pelo governo na segunda-feira para incentivar a criação de novos empregos para jovens entre 18 e 29 anos.

Com desoneração da folha e outros incentivos ao empregador, o governo pretende criar 1,8 milhão de empregos entre 2020 e 2022. Os benefícios são bancados pela taxação do seguro-desemprego.

Brasília: Prédio da Caixa Econômica Federal. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Segundo o secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, a permissão vai possibilitar que o governo tenha uma receita com os pagamentos.

O leilão desse serviço deve acontecer apenas após aprovação da medida provisória pelo Congresso Nacional. “Mas Caixa e BB continuarão sendo participantes importantes devido à capilaridade”, frisou Dalcolmo, acrescentando que há interesse do mercado em atuar com esse tipo de seguro.

Navegue por palavras Chaves

APOSENTADORIA auxilio-doença CAIXA carreira clt CNPJ Cofins contabilidade contador contadores CONTRIBUINTE cpf CSLL declaração DINHEIRO EFD-REINF EMPRESA Empresas esocial FGTS FISCO ICMS IMPOSTO IMPOSTO DE RENDA impostos INSS IRPF IRPJ lucro presumido lucro real MEI negócios Nota Fiscal PIS previdência social RECEITA receita federal Reforma da Previdência reforma trabalhista SALÁRIO simples nacional sped trabalhador TRABALHO tributos