A aposentadoria especial é um benefício concedido a quem atuou em trabalho prejudicial à saúde ou à integridade física. No entanto, não basta ter prestado serviços nessas condições, é preciso comprovar a situação junto à Previdência Social ou ao Poder Judiciário.

Não por acaso, muitas pessoas têm dúvidas sobre quais documentos devem ser preservados da época dos serviços. Isso acontece, principalmente, quando não houve o reconhecimento pelo INSS no momento da atividade.

Sendo assim, logo abaixo, reunimos as principais informações sobre aposentadoria especial e listamos os documentos que podem comprovar a exposição a agentes nocivos. Continue lendo e tire suas dúvidas!

O que é aposentadoria especial?

A modalidade corresponde à aposentadoria em que os anos de serviço contam com um peso maior, reduzindo-se o tempo de contribuição necessário para obter o benefício. Para isso, o trabalhador deve ter prestado serviços com exposição a agentes nocivos à saúde ou à integridade física de forma contínua e ininterrupta.

Nesse sentido, conta a presença em função que expõe a riscos acima dos níveis previstos na legislação, como profissionais da saúdemetalúrgicos e eletricistas. Por exemplo, o auxiliar de escritório que se dirige ao setor de produção para transmitir informações apenas eventualmente não estará enquadrado.

Além disso, o interessado deve ter atuado nas condições desfavoráveis por um total de, pelo menos, 180 meses. Aqui, não é preciso que o período seja comprovado na mesma empresa, mas a soma deve ultrapassar o patamar mínimo.

Como fica com a Reforma da Previdência?

A aposentadoria está dividida em três faixas conforme o potencial de dano da exposição. Nesse sentido, basta alcançar o tempo de serviço correspondente para requerer a aposentadoria:

  • 15 anos para atividades de alto risco;
  • 20 anos para médio risco;
  • 25 anos para baixo risco.

No entanto, com a Reforma da Previdência, todos os segurados da Previdência Social estarão submetidos a alguma regra de idade mínima. No caso da aposentadoria especial, além de somar o tempo de contribuição, é preciso completar o seguinte:

  • 55 anos para alto risco; 
  • 58 para médio risco;
  • 60 para baixo risco.

Quem já se encontra próximo da aposentadoria pode utilizar as regras de transição. Para isso, é preciso somar o tempo de contribuição com a idade e alcançar os seguintes resultados:

  • 66 pontos para alto risco;
  • 76 pontos para médio risco;
  • 86 pontos para baixo risco.

A regra de transição também prevê um aumento da dificuldade em 1 ponto para cada ano posterior a 2020. Logo, ano a ano, a exigência aumenta até o momento em que todos estarão incluídos nas novas normas.

Como conseguir a aposentadoria especial?  

O procedimento exige a comprovação das três situações mencionadas: atividade especial contínua e ininterrupta, 180 meses de carência e contribuição por 15, 20 ou 25 anos, a depender do agente nocivo. O requerimento é feito, inicialmente, no INSS, mas pode ser necessário o ingresso com medida judicial se o órgão não conceder o benefício.

Para isso, o primeiro passo é verificar se o período de atividade especial consta no CNIS. Caso esteja correto, será necessário agendar o atendimento no momento da aposentadoria com os documentos que comprovam a situação. Porém, se não constar ainda, a melhor medida é agendar imediatamente e requerer a atualização junto ao órgão público. Veja os documentos.

Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP)

Quanto aos documentos para comprovar a atividade especial, o principal é o PPP, que pode ser obtido junto à empresa. Trata-se de um formulário preenchido com a descrição detalhada dos riscos à saúde ou integridade física presentes no ambiente de trabalho, forma de exposição, responsável pelo laudo etc.

Laudo Técnico das Condições de Trabalho (LTCAT) 

Em conjunto com o PPP, é necessário fornecer a cópia da avaliação do ambiente, realizada por médico do trabalho ou engenheiro de segurança do trabalho. O LTCAT é o embasamento do PPP e atua como um complemento.

Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)

Para demonstrar a prestação de serviços, o INSS também exige a cópia da Carteira de Trabalho do período em que houve a prestação de serviços. 

Documentos até abril de 1995

Nos requerimentos sobre período anterior a abril de 1994, basta comprovar a profissão exercida, como minerador ou metalúrgico, para requerer o benefício. Logo, o PPP e o LTCAT facilitam o processo, mas não são essenciais.

Documentos entre abril de 1995 e dezembro de 2003

Para comprovar esse período, como o PPP ainda não era o padrão, o INSS exige os formulários que, na época, as empresas utilizavam para realizar comunicações à Previdência Social sobre a exposição a riscos, insalubridade e agentes nocivos, como DIRBEN-8030, DSS-8030, DISES BE 5235 e SB-40. 

Além disso, é preciso complementar a prova com o LTCAT ou, se não houver, com pelo menos uma das opções abaixo:

  • Programa de Prevenção de Riscos Ambientais;
  • Programa de Gerenciamento de Riscos;
  • Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção;
  • Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional.

Documentos posteriores a dezembro de 2003

As regras mais atuais exigem a apresentação do PPP para comprovação da exposição aos agentes prejudiciais à saúde. Logo, é preciso solicitar a documentação junto à empresa para requerer o benefício.

Outros documentos

Muitas vezes, o interessado não conta com todos os documentos exigidos pelo INSS ou as informações estão incompletas. Aqui, é preciso consultar um advogado para buscar meios alternativos para comprovar a atividade especial ou esclarecer pontos em que haja dúvidas, quase sempre, em processo judicial. Entre outros, podem contribuir com a prova das condições:

  • laudos trabalhistas realizados na empresa;
  • comunicações de acidentes de trabalho (CAT);
  • comprovantes de recebimento do adicional de insalubridade;
  • perícias judiciais no local de trabalho;
  • anotações na carteira de trabalho;
  • testemunhas.

Qual é a importância do advogado?

O ideal é sempre consultar um advogado antes de tomar qualquer decisão relacionada ao requerimento. Afinal, cada período exige um tipo de comprovação específica, além da necessidade de enquadrar tecnicamente a atividade conforme os níveis de risco apresentados.

Também pode ocorrer de o laudo técnico ou PPP não terem sido realizados ou apresentarem informações incorretas. Nesse caso, o profissional habilitado pode requerer alterações pela via judicial, sem as quais não é possível obter o benefício da maneira correta.

Vale ressaltar que o profissional pode ser acionado sempre que o benefício tenha sido negado pelo INSS, com o objetivo de propor as medidas legais cabíveis. Contudo, o auxílio também pode ocorrer antes de requerer a aposentadoria, principalmente para quem vem enfrentando dificuldades para obter documentos junto aos empregadores atuais ou antigos.      

Sendo assim, agora que você já entende um pouco mais sobre aposentadoria especial, não deixe a consulta a um advogado para última hora. O procurador esclarecerá as opções disponíveis e tomará as medidas cabíveis para comprovar o tempo de atividade especial.

Dica extra do Jornal Contábil: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social. Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana? Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática: Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.

Fonte: Advocacia Marly Fagundes