INSS para autônomo: Veja como contribuir para garantir sua aposentadoria

Se você se pergunta como contribuir para o INSS como autônomo, continue a leitura desse artigo, pois ele foi criado pensando justamente neste questionamento.

Antes de mais nada é necessário esclarecer que o profissional autônomo é enquadrado no INSS como contribuinte individual. Esses profissionais trabalham por conta própria e devem contribuir obrigatoriamente para a Previdência Social.

Como vamos ver ao longo dessa matéria, esse profissional tem uma liberdade maior quando o assunto é o valor de suas contribuições. Entretanto, saber a forma certa de realizá-la evita que se perca tempo e dinheiro.

Esse conteúdo foi feito para quem quer saber como contribuir para o INSS como autônomo e não sabe por onde começar. Da mesma forma, ele também pode ajudar quem já contribui, mas tem dúvidas se está fazendo os pagamentos da forma correta.

Acompanhe o passo-a-passo que criamos para te ajudar e boa leitura.

Como contribuir para o INSS como autônomo

O profissional autônomo é aquele que trabalha por conta própria e presta serviços para a pessoas físicas. Aqui o trabalhador não precisa de uma qualificação técnica para realizar as suas atividades.

Muitas pessoas confundem o profissional autônomo com o liberal.  O trabalhador liberal também é considerado pelo INSScomo contribuinte individual. A diferença entre ambos está na exigência de qualificação profissional.

Dentro desse grupo de trabalhadores liberais, podemos incluir profissões como por exemplo médicos, engenheiros, dentistas, advogados, arquitetos, dentre outros.

Você tem inscrição no PIS/NIT?

Se você já trabalhou alguma vez com carteira assinada, já possui o seu número do Programa de Integração Social (PIS), também conhecido como NIT (Número de Inscrição do Trabalhador) ou NIS (Número de Inscrição Social).

Todas as pessoas que realizam as contribuições para o INSS possuem essa inscrição.

Caso você nunca tenha contribuído, basta realizar a sua inscrição pela internet no site da Previdência Social. É possível também solicitar o cadastramento pelo 135.

Com quanto você quer contribuir para a Previdência Social?

O próximo passo para  contribuir como autônomo no INSS será escolher qual o tipo de contribuição você fará.  São várias as formas para se contribuir. Mas existem duas delas que são as mais comuns:

  • Contribuinte Individual Plano Normal – Código 1007
  • Contribuinte Individual Plano Simplificado – Código 1163

As diferenças entre esses dois planos estão no valor a ser contribuído e recebido e o tipo de aposentadoria que o trabalhador terá direito.

Antes de entendermos cada uma delas, é importante lembrar que esse código deverá ser preenchido na Guia da Previdência Social (GPS). Falaremos sobre ela nos próximos tópicos.

Contribuinte Individual Plano Normal – Código 1007

Ao escolher esse plano, o contribuinte irá pagar ao INSS 20% do seu rendimento mensal. Nesse caso, o valor mínimo a ser contribuído será de um salário mínimo. O máximo será de 20% do valor do teto. Em 2019, o teto é de R$ 5.839,45.

Com esse plano, o segurado terá direito a todos os benefícios previdenciários.

Contribuinte Individual Plano Simplificado – Código 1163

Com esse plano, o autônomo irá contribuir com 11% do valor salário mínimo. Na hora de se aposentar, o valor que o trabalhador receberá será de 1 salário mínimo.
Ao escolher essa opção o trabalhador terá direito aos benefícios do INSS (auxílio-doença, salário maternidade, pensões, entre outros..). Porém apenas poderá se aposentar por idade.

Como preencher a Guia da Previdência Social (GPS)

A Guia da Previdência Social (GPS) é o carnê de contribuição do segurado. Esse documento pode ser preenchido de três maneiras:

  • manualmente: comprando o carnê em papelarias e preenchendo todas as informações solicitadas na guia;
  • pela internet: é possível gerar a guia e imprimir o documento pela internet. Basta acessar o site da Previdência Social, escolher um dos módulos que aparecerão na tela e preenchendo as informações solicitadas;
  • internet banking: verifique se o seu banco realiza esse tipo de procedimento.  No aplicativo da Caixa Econômica Federal, por exemplo, é possível realizar o pagamento da guia direto pelo celular.

O pagamento desta guia poderá ser feito por aplicativo, banco e também nas agências lotéricas. Não esqueça de preencher corretamente todos os dados, especialmente o código da forma de contribuição escolhida.

A data de vencimento é o dia 15 de cada mês. Por exemplo, a guia de janeiro poderá ser paga até o dia 15 de fevereiro, e assim sucessivamente.  E uma dica importante: guarde toda a sua documentação e seus comprovantes. Eles serão fundamentais na hora de se aposentar.

Viu só, começar a contribuir com o INSS não é uma tarefa tão complicada como as pessoas imaginam. Saber a forma correta de realizar essas contribuições podem lhe trazer muitas vantagens na sua futura aposentadoria.

Entretanto, contribuir de forma equivocada, sem saber o que é o ideal no seu caso pode lhe trazer prejuízos irreparáveis. Por isso, a palavra de ordem é planejamento.

Planejamento de Aposentadoria

Uma das vantagens do profissional autônomo é a possibilidade de definir as suas contribuições mensais.  Essa facilidade também traz uma responsabilidade maior já que é o próprio autônomo o responsável pelas suas contribuições.

E quando o assunto é aposentadoria, grande parte dos brasileiros não está se preparando para ela.  Isso é o que revela a pesquisa “O preparo para a Aposentadoria no Brasil”, de abril de 2018, realizado pelo SPC Brasil e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

Nela foi possível identificar que 8 em cada 10 brasileiros não estão se preparando para  suas aposentadorias. Para saber mais sobre essa pesquisa, clique aqui.

Seja optando por contribuir 11% ou 20% , o profissional autônomo precisa ter em mente que, essa organização hoje, vai impactar na sua aposentadoria amanhã.

Se você já está contribuindo e não tem certeza se está fazendo isso da maneira correta ou até mesmo quer ter mais informações através de um estudo completo e detalhado, está na hora de  realizar um planejamento de aposentadoria.

Com ele você saberá, além de inúmeras outras informações:

  • exatamente quando poderá se aposentar;
  • até quando terá que contribuir para receber o benefício almejado;
  • uma previsão do seu salário de benefício e o que você pode fazer para garantir um valor de benefício melhor;
  • como reduzir o valor das contribuições sem prejudicar o seu benefício final;
  • como agir e corrigir casos de pendências e contribuições retroativas .

Dica extra: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social.

Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana?

Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática: Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.

Conteúdo original Carbonera e Tomazini Advogados