INSS: projeto amplia a margem de empréstimos consignados em 5%

A proposta em tramitação, aumenta a margem consignável de 35% para 40% do valor do benefício recebido por aposentados e pensionistas. 

O Projeto de Lei  (PL) 4367/2020, beneficia todos àqueles que são assistidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que desejam contratar um empréstimo consignado. Antes de tratarmos do referido tema central deste artigo, é importante entender o que são os fatores apurados na proposta. 

Neste sentido, é preciso entender que empréstimos consignados são aqueles cuja dívida gerada é descontada diretamente do pagamento mensal recebido por aposentados e pensionistas. Este grupo, costuma ser o público alvo, justamente, por ter uma renda fixa mensal, que poderá ser colocada como garantia na contratação deste tipo de crédito. 

Contudo, é determinado um limite no valor que poderá ser descontado do benefício. Isto é chamado de margem consignável, sendo basicamente, o quanto da aposentadoria, pensão, ou de outro provento poderá ser comprometido no empréstimo. 

Aumento na margem consignável 

Conforme a legislação, é possível comprometer 35% do benefício em um consignado, sendo 30% para o empréstimo e 5% para cartões de crédito. Mediante a Lei 14.131/21, essa margem aumentou 5 pontos percentuais, de modo que aposentados e pensionistas poderiam utilizar até 40% de sua renda na contração dos consignados. 

Tal medida foi adotada no último ano, frente aos duros impactos da pandemia da covid-19, entretanto, os termos daquela lei terminou em 31 de dezembro de 2021, de modo que a margem voltou percentual habitual de 35%. 

No entanto, um novo Projeto de Lei institui a volta da margem consignável de 40%, considerando que apesar dos indícios de melhoras do cenário pandêmico, com as campanhas de vacinação, muitos ainda sofrem os impactos gerados pela pandemia. 

Retorno para margem de 40%

Como brevemente dito, o PL 4367/2020, de autoria do deputado federal Ricardo Silva (PSB-SP) pretende atualizar alguns dispositivos da da Lei 14.131/21, de modo a retornar aos 40% de margem até o fim de 2022. 

Com a medida será possível destinar 35% para contratação dos empréstimos e 5% para o uso de cartões de crédito. Conforme Silva, a implementação da proposta é necessária, devido a persistência da crise econômica que assola o país. 

Outro ponto importante do texto, é a possibilidade da concessão do auxílio doença, somente através da apresentação do laudo médico. Ao que tudo indica, isto também irá começar a valer. 

Em relação a aprovação do texto, o projeto já tramita em caráter conclusivo, de modo que não precisa ir pra votação no plenário, e sim ser aprovado pelas comissões responsáveis, são elas: 

  • Comissão de Seguridade Social e Família;
  • Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público;
  • Comissão de Finanças e Tributação;
  • Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Dica Extra do Jornal Contábil: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social. 

Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana? Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática

Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. 

Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.

Comentários estão fechados.