Investimentos: Estrangeiros investiram R$ 30 bi na Bolsa em novembro

0

Em novembro, investidores de fora do Brasil colocaram R$ 30 bilhões na Bolsa brasileira, maior valor desde 1995, quando esse dado começou a ser computado.

Segundo João Beck, economista e sócio da BRA, um dos maiores escritórios de renda variável da XP Investimentos, o movimento de entrada de recursos de fora no mês de novembro foi consequência do fim das incertezas em relação a eleição americana e dos anúncios positivos recentes de diversas vacinas com potencial de eficiência acima de 90%.

Com mais apetite a risco lá fora, um fluxo natural acaba respingando para mercados emergentes.

O Brasil foi um destino potencial também por ter sido o país com a maior desvalorização da moeda dentre economias relevantes. E isso acaba nos tornando ‘baratos'”, explica.

As notícias positivas em relação às vacinas contra o novo coronavírus também impulsionaram a alta nas Bolsas em outros países.

Em novembro também, o principal índice da Bolsa do México sobe 13%. Na Coreia do Sul, o ganho é de 16%. Nos Estados Unidos, o S&P 500, da Bolsa de Nova York, avança mais de 11%.

O otimismo, porém, para ser contínuo depende de o governo brasileiro cuidar das contas públicas, além de fazer reformas. “No curto prazo, o país precisa mostrar mão firme no controle do teto de gastos, além de prosseguir com a agenda de reformas.

A paciência do mercado tem prazo de validade. Pandemia é como uma guerra. E ainda nem saímos dela. Precisamos apagar o fogo contendo gastos e prosseguindo com reformas antes de falarmos em agenda positiva”, diz Beck.

Para o especialista, o investimento de fora no Brasil de forma sustentável depende também de perspectivas mais otimistas de crescimento do PIB.

O governo tem um papel importante nesse processo ao criar uma agenda que destrave os gargalos do nosso crescimento com mão de obra qualificada, logística, energia, saneamento, etc”, finaliza.

Por João Beck é especialista em investimentos e um dos sócios da BRA, um dos maiores escritórios credenciados da XP, com mais de 15 mil clientes e cerca de R$ 2,5 bilhões de ativos sob custódia com escritórios no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba e São Paulo.