Investimentos X Inflação: Quem está ganhando está batalha?

0

O que todo investidor mais quer é ver o patrimônio crescer e, para isso, é necessário obter retornos acima da inflação. 

Quanto maior a rentabilidade real melhor porque além da preservação do poder de compra diante da variação de preços na economia, há um ganho adicional. 

Recentemente, o forte descasamento entre os principais índices de inflação reforça a importância de análises sobre o desempenho da carteira de investimentos.

Este ano, enquanto o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), calculado pelo IBGE e usado pelo governo para medição de metas inflacionárias, está em um de seus menores níveis históricos, o IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), produzido pela FGV, sobe em ritmo acentuado. 

O IPCA leva em conta as principais categorias de serviços e produtos consumidos pelos brasileiros. Neste caso, os dados dos hábitos de compras são coletados em 16 cidades. 

Já o IGP-M, segue uma metodologia mais abrangente, considerando a média do IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor-Mercado); o IPA-M (Índice de Preços do Atacado- Mercado) e o INCC-M (Índice Nacional de Custo da Construção – Mercado).

Ou seja, o IGP-M engloba a variação de preços de insumos e matérias-primas, das commodities e materiais de construção e é mais impactado pelo câmbio, tem alta correlação com o dólar e mais volatilidade.

E este ano, a moeda americana teve valorização de quase 35% até 22 de setembro, justamente um dos principais motivos da forte alta do IGP-M, que é usado para o reajuste dos aluguéis, de mensalidades escolares e de universidades, de alguns contratos de seguros e das tarifas de energia elétrica. 

Entretanto, como indexador de investimentos de renda fixa, o IGP-M é menos utilizado do que o IPCA e outros índices, mas para quem tem muitas despesas atreladas a ele é importante analisá-lo com frequência.

Nesse cenário, fizemos uma simulação de uma carteira de renda fixa no Advisor SmartBrain, consolidador de investimentos, para mostrar a sua performance em relação a esses principais indexadores de inflação do país.

Como exemplo, vamos imaginar um investidor que tivesse montado esse portfólio no início de 2020 (2 de janeiro).

Composição da carteira – três fundos bastante escolhidos segundo o Big Data SmartBrain e dois títulos de renda fixa:

CarteiraAportes iniciais
Trend Pós-fixado FC FI RF SimplesR$10.000
Sparta Premium FC FI RF DI Crédito PrivadoR$10.000
Brasil Plural Yield FI RF REF DIR$10.000
LFT – Tesouro Selic (01032024)R$10.000
CRA da Klabin (95% do CDI –venc. 28/03/2022)R$10.000

Resultados da carteira

No acumulado do ano até 22 de setembro, a carteira teve rentabilidade de 2,18%, acima do IPCA (0,93%). Isso significa que o investidor está obtendo ganho real. 

Veja no gráfico:

Fonte: Advisor SmartBrain
Fonte: Advisor SmartBrain

No entanto, a performance da carteira ficou muito abaixo do IGP-M no mesmo período, que foi de 12,96%. Neste caso, o investidor teve perda real.

Observe abaixo:

Fonte: Advisor SmartBrain
Fonte: Advisor SmartBrain

Como podemos ver, para montar uma carteira de investimentos e obter ganhos reais é essencial monitorar a carteira no dia a dia e saber analisar seu desempenho comparativo com vários indexadores de referência e/ou índices de inflação. 

E para não perder da inflação, é preciso entender os movimentos e tendências de mercado e diversificar a carteira com fundos e títulos atrelados à inflação.

Também é necessário analisar seus investimentos em janelas de tempo de curto e longo prazo porque os índices de inflação e os títulos de renda fixa podem ter descasamentos em determinados períodos, mas em um horizonte maior tendem a se normalizar

Por Ana Carolina Zogno Silva, CCSO (Chief Customer Success Officer) da SmartBrain