O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgará, nesta quarta-feira (10), o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), pesquisa mensal que mede a variação de preços do mercado para o consumidor final e representa o índice oficial da inflação no Brasil. Para o Professor da Faculdade Fipecafi, George Sales, a previsão é de que o IPCA de junho sofra deflação de -0,03%. “O mês de junho é relativamente fraco, tendo em vista o capital em Dólar Americano (USD) do país. Normalmente, este é o período de muitas realizações no Brasil, por ser o fechamento de anual de muitas empresas estrangeiras”, explica.

O IPCA é o índice que mede a inflação e reflete o custo de vida das famílias com renda mensal entre um e quarenta salários mínimos, impactando diretamente na correção monetária de contratos e produtos. “Diante deste cenário de deflação, o preço das tarifas públicas são as que mais puxam o índice para cima, enquanto os fatores de consumo, como alimentação e serviços, estão em queda”, completa.

O especialista explica, ainda, que o índice representa uma cesta bem ampla de consumo, porém, nos últimos meses, têm mostrado que o poder de compra do consumidor diminuiu, tendo em vista a baixa capacidade de pagamentos das famílias que estão com crédito reduzido. “Se as famílias estão com baixa capacidade de pagamento, certamente, isto irá refletir nas empresas que entregam produtos e serviços. Por isso, temos indicadores de redução do PIB previsto para o ano de 2019, reflexo da baixa atividade econômica do país”, afirma.

Os investimentos, também, são afetados pelo IPCA, uma vez que títulos públicos e privados são reajustados, de acordo com o resultado do índice. “Quanto aos investimentos de capital fixo, com a deflação, ficarão pressionados pela baixa capacidade de pagamentos e, consequentemente, o baixo nível de crédito”, finaliza Sales.

Sobre a Fipecafi
A Fipecafi foi fundada em 1974 por professores do Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo) e atua desde então como órgão de apoio institucional ao departamento.