O juiz Marcos Faleiros, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, condenou o servidor da Assembleia Legislativa Geraldo Lauro, ex-chefe de gabinete do ex-deputado José Riva, a 13 anos e quatro meses de prisão, em regime fechado, pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro.

 

A decisão foi publicada nesta segunda-feira (24) no Diário de Justiça. O contador José Quirino Pereira e o técnico em contabilidade Joel Quirino Pereira também foram condenados, cada um, a 11 anos e oito meses prisão, também em regime fechado.

 

Na decisão, o magistrado absolveu Juracy Brito e extinguiu a denúncia contra Guilherme da Costa Garcia e Nilson Roberto Teixeira, diante da sua idade avançada e pelo benefício da delação premiada, respectivamente.

Os réus poderão recorrer em liberdade da condenação.

 

A sentença é relativa a três processos relacionados à Operação Arca de Noé, que apura esquema que teria desviado dezenas de milhões reais da Assembleia Legislativa entre os anos de 1999 e 2002, supostamente liderado por Riva e o ex-deputado Humberto Bosaipo.

 

Na última semana, Marcos Faleiros condenou José Riva a 17 anos e 9 meses de prisão pelos fatos.

 

Entre as acusações contra os acusados pesa a participação do esquema no desvio na ordem de R$ 3.369.722,64 da Assembleia, por meio de uma empresa de fachada, a C. P. T. Almeida.

 

Consta na denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) que os saques dos cheques emitidos em favor da empresa eram feitos diretamente no caixa do banco pelos servidores.

 

Conforme o MPE, Riva e Bosaipo, necessitando de dinheiro para pagamento de despesas pessoais ou decorrentes de campanhas eleitorais, recorriam frequentemente à Confiança Factoring, do ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro, para trocar os cheques recebidos no suposto esquema.

 

“Tais cheques nominais à  C. P. T. Almeida , suposto fornecedor da AL/MT, eram encaminhados pelos próprios Deputados para a Confiança Factoring e lá eram trocados por dinheiro, ou por cheques emitidos pela Confiança e nominais aos Deputados José Riva e Humberto Bosaipo ou a pessoas ou empresas indicadas pelos referidos; posteriormente os cheques emitidos contra a conta corrente da Assembleia Legislativa Estadual eram compensados ou sacados em prol da Confiança Factoring (folhas 584/607-PGJ), fechando-se assim o círculo criminoso de desvio e apropriação indevida de dinheiro público.”, diz trecho da denúncia.

 

Ainda na decisão, o juiz manteve a suspensão do processo com relação a João Arcanjo Ribeiro e determinou o desmembramento dos autos para o prosseguimento da ação penal. Os réus terão que pagar as custas e despesas processuais.

 

“Condeno os réus ao pagamento das custas e despesas processuais, pro rata, dividindo-se as custas pelo número de réus condenados. Eventual causa de isenção poderá ser apreciada no juízo das Execuções Penais”, pontuou.

Conteúdo via Mídia News

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.