Licença maternidade: Entenda como funciona o pagamento do benefício

0

Os direitos a férias no Brasil são regidos principalmente pela Lei do Trabalho (CLT), que se aplica a todo o país, mas apenas a funcionários com contratos de trabalho regulares ou que contribuam para o Social Instituto de Segurança (INSS). Apenas metade da força de trabalho brasileira trabalha em empregos formais e, portanto, tem direito a tais benefícios. As convenções e acordos coletivos negociados pelos sindicatos podem eventualmente estender esses direitos.

Um dos direitos garantidos é o da licença maternidade. Mas como ela funciona e quem paga este benefício?

O que é a licença maternidade?

A licença-maternidade é um benefício de responsabilidade do Instituto Nacional de Seguridade Social / INSS, e do Ministério da Seguridade Social, em conjunto com o empregador. É um benefício que dura cento e vinte (120) dias corridos no setor privado, que podem ser estendidos para seis meses se o empregador aderir voluntariamente ao Programa Empresa Cidadã. Pode ser tomado a partir do oitavo mês de gravidez.

A licença dura meses no setor público federal. Nos níveis estadual e municipal, o direito a meses adicionais depende da aprovação das autoridades; a maioria das autoridades estaduais aprova essa licença prolongada, mas apenas uma minoria de municípios.

Em caso de morte da mãe, o cônjuge tem direito a licença de maternidade. A duração do pagamento do benefício é então calculada de acordo com o período a que a mulher ainda teria direito.

Pais adotivos solteiros têm direito a licença de maternidade.

Nos casais homossexuais, apenas um parceiro (homem ou mulher) tem direito a licença de maternidade.

Como é o pagamento de licença maternidade?

A pessoa beneficiada com a licença maternidade receberá 100% do salário, sem um teto estabelecido. No caso de um salário variável (ou seja, por comissão, gratificação, horas extras, pagamento de bônus), o pagamento é equivalente à média dos últimos seis meses de trabalho.

Se a licença no setor privado for estendida para 6 meses, o benefício durante esses 60 dias extras será pago pelo empregador com os custos cobertos por deduções fiscais.

Em caso de aborto espontâneo ou aborto legal (por motivo de estupro, risco à vida da mãe ou feto com anencefalia), o pagamento do benefício de maternidade é pago por duas semanas.

Quem paga a licença maternidade: a empresa ou o INSS?

A licença maternidade é financiada para funcionários a partir de contribuições para um fundo de previdência social pago por empregadores e empregados: os empregadores pagam 20% de sua conta salarial (os empregadores domésticos pagam 8% do salário do empregado doméstico como contribuição); e os funcionários pagam em uma escala móvel de acordo com o salário: 8% na primeira faixa salarial; 9% na segunda faixa salarial; e 11% na terceira faixa salarial, que é o limite superior para pagamentos de seguridade social.

A licença maternidade é financiada inteiramente por contribuições próprias para trabalhadores independentes e empresários. Ela não afeta as pensões, pois as contribuições são pagas pelo Estado.

Na prática, o empregador pagará o valor do salário para a funcionária, com todos os descontos legais devidos. O governo então reembolsará a empresa após o pagamento do benefício.

Flexibilidade e elegibilidade ao auxílio maternidade

As mulheres podem continuar com o trabalho remunerado até o nascimento, se declararem explicitamente que é sua decisão pessoal fazê-lo. Todas as mulheres que trabalham e contribuem para a Seguridade Social, seja por meio de um cartão de trabalho assinado, como empregada temporária ou por conta própria.

As donas de casa ou estudantes que não recebem salário, mas pagam contribuições mensais opcionais do Seguro Social para manter a cobertura, podem usufruir do mesmo benefício depois de contribuir por pelo menos 10 meses. Nesse caso, o valor do benefício de maternidade é o da contribuição salarial de referência (por exemplo, se ela contribui com base em um salário mínimo, ela recebe um salário mínimo por mês em licença).

Variação na licença por motivos de filho ou família (por exemplo, nascimentos múltiplos ou prematuros; problemas de saúde ou incapacidade do filho ou da mãe; mãe solteira); ou delegação de licença para outra pessoa que não a mãe.

A mãe tem direito a outros 15 dias em algumas situações específicas, como quando a vida dela ou do bebê está em risco. Se a mãe morrer durante o parto ou durante a licença de maternidade, o pai poderá solicitar o benefício e completar o período restante da licença.

Licença maternidade na adoção

As mães do setor privado que adotam um filho têm direito a licença de maternidade de 120 dias consecutivos e salário integral, equiparando a regra válida para mães biológicas. As mães do setor público que adotam filhos têm direito a 180 dias consecutivos de férias e salário integral, igualando a regra válida para mães biológicas.

Se a mãe adotiva morrer, o cônjuge pode usar a licença pelo tempo restante. Este também é o caso de casais homossexuais.

Quando a mãe adotiva não paga contribuições para a Previdência Social, todos os benefícios da licença de maternidade vão para o pai adotivo (com a condição de que ele pague contribuições para a Previdência Social).

DICA: Se prepare e se especialize em Departamento Pessoal

Gostaríamos que conhecessem nosso treinamento completo e totalmente na prática de departamento pessoal e eSocial para contadores. Aprenda todos os detalhes do departamento pessoal de forma simples e descomplicada. Saiba tudo sobre regras, documentos, procedimentos, leis e tudo que envolve o setor, além de dominar o eSocial por completo. Essa é a sua grande oportunidade de aprender todos os procedimentos na prática com profissionais experientes e atuantes no segmento, clique aqui acesse já!