O limite de compras terrestres, sem impostos, no exterior passará de US$ 300 para US$ 500, a partir de 1° de janeiro de 2020. A portaria foi publicada no Diário Oficial da União na quinta, 14. O aumento do limite deve beneficiar quem cruza a fronteira do Brasil com o Paraguai, por exemplo, potencializando o turismo de compras de Foz do Iguaçu. A medida foi comemorada pelo trade turístico local.

No mês passado, o presidente Jair Bolsonaro publicou nas redes sociais que o ministro da Economia, Paulo Guedes, e equipe, tratavam do assunto.

“Defendemos o aumento da cota de compras desde 2014, quando fizemos um estudo pelo Codefoz e apresentamos à Receita Federal e ao então Ministério da Fazenda. O aumento da cota vai potencializar ainda mais Foz do Iguaçu como destino de compras”, afirma o secretário de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, Gilmar Piolla.

Futuramente, se houver liberação da Receita Federal para funcionamento de lojas francas em Foz do Iguaçu, o limite de compras poderá subir para US$ 800, sendo US$ 500 para quem cruza a fronteira e US$ 300 para quem fizer compras em lojas francas no lado brasileiro.

Limite de compra na fronteira do país será aumentado

Avanço

“Considero um avanço para o comércio de fronteiras. Essa medida do governo federal atende a uma demanda da Gestão Integrada e do trade turístico de Foz do Iguaçu, e vai gerar grandes oportunidades para o crescimento de toda a nossa região”, Enio Eidt, presidente do Fundo Iguaçu.

Aliado do turismo

“Compras de produtos estrangeiros nas fronteiras é um aliado importante para o turismo de lazer e de eventos no Destino Foz do Iguaçu e cabe a gestão integrada trabalhar o mercado turístico para provocar um melhor aproveitamento, como, por exemplo, o incremento do número de pernoites no Destino”, destaca o presidente eleito do Visit Iguassu, Felipe Gonzalez.

Mais empregos e renda

“O aumento da cota é uma conquista da cidade e da região. A Gestão Integrada do Turismo sempre trabalhou, juntamente outras instâncias de representação, para sensibilizar nossos gestores sobre a importância dessa decisão. Foz do Iguaçu irá receber ainda mais turistas que viajam para fazer compras em outros países, o que se traduz em renda e empregos”, acredita o presidente do Comtur, Carlos Silva.

Com Folha|Press