Mais de 150 crianças estão desaparecidas em último sequestro em massa na Nigéria

0

Estudantes de uma escola islâmica no estado de Níger, centro-norte da Nigéria, foram indiscriminadamente baleados e sequestrados no domingo por um grupo de “bandidos armados”, disse a polícia estadual em um comunicado.

Pelo menos uma pessoa foi confirmada como morta na última série sequestros em massa em escolas que o país viu neste ano.

Yaro Alhassan, diretor da Escola Islâmica Salihu Tanko, disse à CNN que o número exato de alunos sequestrados da escola permanece incerto, mas disse que mais de 150 continuam desaparecidos.

O vice-governador do estado de Níger, Alh Ahmed Mohammed Ketso, disse em uma entrevista coletiva na segunda-feira que os esforços das agências de segurança para garantir a libertação das crianças  foram intensificados.

“Não pagamos resgate aos sequestradores. Estamos tentando negociar para ver como podemos trazê-los de volta em segurança”, disse Ketso.

Em resposta aos “ataques incessantes”, Ketso disse que o governo mudou temporariamente todas as escolas na região de Tegina para escolas diurnas e garantiu que todas as escolas primárias e secundárias tenham uma equipe que possa responder rapidamente às questões de segurança.

Ketso acrescentou que o governo fez contato com alguns pais das crianças sequestradas identificadas para assegurar-lhes seu retorno em segurança.

O que aconteceu

Durante o sequestro no fim de semana, “bandidos armados e em motos” invadiram a cidade de Tegina, na área de Rafi, no estado, “atirando indiscriminadamente”, segundo a polícia.

“Os bandidos mataram uma pessoa a tiros no processo”, acrescentou o comunicado policial. De acordo com policiais estaduais, as equipes táticas foram “mobilizadas imediatamente” como parte do esforço de resgate das vítimas.

“O Comando pede calma, pois a Polícia e outros órgãos de segurança farão tudo o que for humanamente possível para garantir que as crianças sejam resgatadas ilesas”, disse a polícia estadual.

Sapatos de estudantes sequestrados em 2020, em um outro sequestro em massa na Nigéria — Foto: AP Photo/Sunday Alamba

Uma porta-voz do governo do Estado do Níger, Mary Noel-Berje, disse à CNN na segunda-feira que pelo menos 11 das crianças sequestradas durante a operação foram mais tarde libertadas, provavelmente por causa de sua idade.

“Onze crianças foram libertadas por causa de sua idade… as pequeninas que não podiam passar pelo caminho do mato, a rota de fuga dos sequestradores, foram libertadas”, disse Noel-Berje.

De acordo com a porta-voz do governo, a escola alvo do ataque inclui crianças do jardim de infância, ensino fundamental e médio.

O último sequestro em Tegina ocorreu três meses depois que 42 pessoas, incluindo estudantes, foram apreendidas por bandidos em Kagara, que fica a cerca de 18 km de Tegina.

Também aconteceu dias depois que os alunos da Universidade de Greenfield, Kaduna, foram libertados. Cinco dos alunos foram mortos por seus sequestradores durante o cativeiro.

O sequestro se tornou um dos maiores desafios de segurança na Nigéria e centenas de estudantes foram feitos reféns em diferentes sequestros em massa no norte da Nigéria desde dezembro.

Alguns governadores de estado pagam resgates regularmente para garantir a segurança das vítimas, mas raramente admitem fazer isso.

Grupos de saqueadores, conhecidos localmente como bandidos, operam em enclaves florestais no noroeste da Nigéria, onde organizam ataques e sequestros em áreas rurais e nas principais redes rodoviárias da Nigéria.

Entre junho de 2011 e o final de março de 2020, cerca de US $18,34 milhões foram pagos em resgates, de acordo com a SBM Intelligence, sediada em Lagos, em um relatório do ano passado intitulado “A economia da indústria de sequestros na Nigéria”.

Conteúdo traduzido da fonte CNN por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil