Não é mais novidade que cada vez mais, o e a China estão estreitando relações. O investimento de chinesas no  registrou a quantia de US$ 55 bilhões, entre 2007 e 2017, é o que aponta um estudo feito pelo Conselho Empresarial -China. Diante desse cenário, é possível observar que aumenta a procura por profissionais que dominem o .

“A aproximação entre os dois países e os investimentos chineses no são dois fatores que sinalizam que esse momento é o ideal para profissionais investirem no idioma, devido à alta geração de empregos. Quem deseja ingressar em uma oportunidade, precisa estar atento aos requisitos necessários”, afirma Fagner Santana, analista de Recursos Humanos da Mazars, auditoria e consultoria empresarial.

[banner-rotativo]

Santana ainda acrescenta que, além do idioma, quem almeja uma vaga em multinacional chinesa também precisa entender a cultura do país. “Há muitas diferenças entre os dois países, principalmente na forma de enxergar o trabalho. Por conta disso, é preciso que o profissional consiga segregar os dois mercados para fazer o intermédio”. Outras diferenças existentes entre e China estão relacionadas à legislação trabalhista e à carga horária de trabalho.

“Ainda é um desafio encontrar especialistas que tenham todos esses requisitos necessários. Mas, como a aproximação entre os dois países está cada vez maior, a tendência é que os profissionais eiros busquem as especializações necessárias”, finaliza Fagner Santana.

A Mazars tem hoje, no , mais de 800 colaboradores distribuídos entre sete escritórios, São Paulo, Barueri, Sorocaba, Campinas, Ribeirão Preto, Curitiba e Rio de Janeiro.